Como você pode ver no ranking histórico do Autoo, o Fiat Uno se firma como um dos carros mais vendidos ao longo da última década em nosso mercado. Apesar da participação do modelo no segmento ter registrado uma queda considerável nos últimos anos, fruto da chegada de concorrentes mais modernos e um novo perfil de compra dos brasileiros envolvendo carros compactos, ninguém pode negar que o Fiat é um modelo que vai entrar para a história automotiva local.

Lançado no Brasil em agosto de 1984, o Fiat Uno celebra 35 anos de mercado e merece todos os destaques pelo feito. Carro que inaugurou aqui no Brasil um conceito que mais tarde foi copiado por muitos de seus rivais diretos, no caso a ênfase no bom aproveitamento do espaço interno, para conseguir esse feito o Uno contou com a assinatura de um dos mestres do design automotivo mundial. Estamos falando de Giorgetto Giugiaro, italiano responsável também pelas linhas do VW Golf e outros modelos de muito sucesso.

O Uno foi lançado em 1983 na Itália e, por aqui, até hoje é famoso pela robustez ao uso severo, aguentando com muita disposição o uso em nossas estradas e ruas muitas vezes com o piso em condições bem longe da ideal. Segundo a Fiat, o sucesso da versão brasileira foi tanto, que mais tarde o modelo começou a ser exportado até mesmo para o país-sede da fabricante.

De acordo com a Fiat, até julho deste ano foram produzidas cerca de 4 milhões de unidades do Fiat Uno no Polo Automotivo Fiat, em Betim (MG). Ele foi o modelo mais vendido da marca até hoje. Além de ser comercializado no Brasil, o Fiat Uno ainda é exportado para Argentina, México, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Chile, Uruguai, Bolívia e Peru.

Confira, abaixo, uma retrospectiva do modelo produzida pela Fiat:

1984 -  A primeira linha brasileira
Com o slogan “De tempos em tempos o homem produz uma obra de gênio”, o Fiat Uno foi lançado no Brasil. Com motores 1.050 a gasolina e 1300, a primeira gama contava com três versões: a de entrada S (Super), a mais luxuosa CS (Confort Super) e a esportiva SX (Sport Experimental), em que o motor 1.300 tinha o carburador de corpo duplo para maior potência (71,4 cv com gasolina e 70 cv com etanol). Seu painel tinha instrumentos adicionais – conta giros e manômetro de óleo - e havia faróis de longo alcance no para-choque, dotado de discreto defletor.

Mas era na forma que o Uno se destacava, devido às suas linhas modernas para a época e a aerodinâmica eficiente. Foi destaque também pelo bom desempenho e economia de combustível, além de contar com carroceria alta e angulosa que proporcionava aproveitamento máximo do espaço interno.  Os grandes vidros traziam ampla visibilidade e, pela primeira vez no Brasil, o limpador de para-brisa usava um só braço. No interior, o modelo trazia soluções inteligentes como o curso dos bancos dianteiros e o painel com satélites, que permitiam que as funções de iluminação e limpador de para-brisa fossem operadas com as mãos no volante. Tudo isso tornava o Uno o automóvel brasileiro mais moderno da época.

1985 -  A família começava a aumentar
Não demorou para a família derivada do Uno crescer. Já em 1985 era lançado o modelo de três volumes Prêmio. Mais tarde a perua Elba (1986) e o furgão e a picape Fiorino (1988), também se tornaram membros da família, baseados no primogênito Uno.  O lançamento do motor Sevel de 1.5 litro contido na primeira linha da Prêmio abriu espaço para ainda mais vigor.

1987 -  Mais esportividade
Faixas laterais, rodas esportivas, tampa traseira em preto e cintos vermelhos marcaram o visual do Uno 1.5R, versão esportiva do modelo.  O motor também era diferenciado, gerava 86 cv e a velocidade máxima era de 162 km/h, a maior de todos os Fiat até então. A aceleração também chamava atenção: de 0 a 100 km/h em 12 segundos, bem competitiva em relação aos esportivos da época.

O modelo contava ainda com caixa de câmbio com novo escalonamento, pneus especiais, rodas mais largas e freios dianteiros a disco ventilado.  Além disso, a suspensão foi endurecida por barras estabilizadoras e amortecedores mais firmes, o que aumentou a segurança, dirigibilidade e conforto. Dois anos depois, ganhou mais cilindrada na versão 1.6 R e, em 1992, chegou o Uno 1.5 i.e, que recebia a tecnológica injeção monoponto digital e integrada à ignição, que atendia às novas normas de emissões de poluentes.

1988 -  Surge o Uno Furgão
Quatro anos depois do lançamento do Uno, que já era um sucesso, a Fiat decidiu ampliar as opções para o mercado e lançou o Uno Furgão, versão comercial do modelo. Sem bancos e revestimentos traseiros, trazia no lugar dos vidros placas metálicas pintadas para a adaptação do modelo de passageiros ao emprego utilitário. Assim, tinha amplo espaço destinado a cargas e uma capacidade 1.300 litros. No entanto, mantinha as formas originais do Uno. Um sucesso que gerou outro sucesso: o outro furgão da família - o Fiat Fiorino que tem brilhante desempenho até os dias atuais, sendo líder do segmento. 

1990 - O icônico Fiat Uno Mille e o seu progresso
De uma análise do mercado e das reais necessidades do consumidor, a Fiat desenvolveu um veículo inesquecível e que marcou gerações. O modelo passou a bater até os seus próprios recordes de vendas. Fruto de um projeto revolucionário, a nova versão do Uno recebeu o nome de Mille - mil em italiano em referência ao motor de 1.000 cm³ de cilindrada. Foi concebido para ser prático, econômico e o mais barato do Brasil e, de fato, cumpriu.

Já no primeiro ano foram vendidas 100 mil unidades, êxito que continuou durante a década de 90, o que consolidou a Fiat na posição de grande líder do mercado de carros 1.0. Consumo e preço baixo se tornaram características do modelo. Além disso, o primeiro carro mil do Brasil oferecia ao consumidor uma opção inteligente. O interior era bem acabado com colunas revestidas  o centro dos bancos em tecidos, o que facilitava na ventilação. O Mille trouxe uma evolução técnica importante; braços tensores para o posicionamento das rodas dianteiras, tarefa que antes cabia a  barra estabilizadora. Isso assegurava geometria e constante e mesmo sob aceleração máxima e melhorava a precisão. No ano seguinte, a série especial Brio vinha com carburador duplo e 54cv. Além disso, a linha de 1991 também teve mudanças.  A gama recebeu uma frente remodelada, com faróis e grade de perfil mais baixo, inspirados na versão italiana do modelo, e a suspensão dianteira trazia dois braços tensores longitudinais.

1992 – Fiat Uno Eletronic
Nascia o Uno com ignição eletrônica mapeada, o que possibilitava uma melhor dirigibilidade, sem comprometer o consumo. Mais ágil e com motor de 56 cv, também foi o primeiro veículo do segmento a apresentar uma versão quatro portas e a oferecer ar-condicionado, popularizando itens antes só encontrados em carros de luxo. Mais uma vez a Fiat apresentava novidades aos brasileiros. 

1994 – Chega o Mille de luxo
Nesse ano foi lançado mais um membro muito importante para a família Uno: o ELX, um Mille de luxo. Pensado para quem queria um carro urbano, mas com equipamentos e acabamentos mais sofisticados e requintados, adicionava itens de conforto, como controle elétrico dos vidros dianteiros e trava central das portas. Também adotava frente e painel das versões top de linha do Uno.  No ano seguinte, evoluiu para a versão EP, que tinha injeção eletrônica, o que deixava o motor mais potente e progressivo. Trazia também lanternas em tom fumê e novas rodas de alumínio. Além disso, alarme e travamento das portas comandadas a distância eram opções inéditas no Mille. 

1994 - O primeiro turbo
Em fevereiro de 1994, a Fiat mais uma vez revolucionou o mercado brasileiro com o Uno Turbo. Pela primeira vez na história, um carro de passeio saía de fábrica com turbo compressor. Com desempenho invejável, acelerava de 0 a 100 km em 9,2 segundos e a velocidade máxima era de 195 km/h, algo totalmente inovador na época. Também tinha resfriador de ar para aumentar a eficiência do turbo e radiador de óleo a fim de manter a temperatura do lubrificante em níveis seguros.

Outra novidade lançada pela Fiat era o programa Mille on Line, estabelecendo um novo parâmetro de relacionamento com o cliente. A empresa foi pioneira do setor neste serviço de encomenda de carro, permitindo a escolha da versão, cor e opcionais, informando ainda o dia certo de entrega e o valor do veículo.

Anos 2000 – Começo de uma nova era
O Fiat Uno chegou ao novo século com uma bagagem de conquistas. Com a marca de mais 1,2 milhão de unidades comercializadas, foi um dos carros mais vendidos da década anterior, o que consolidou a Fiat como grande líder do mercado de carros 1.0. Os ótimos resultados contribuíram para que o modelo evoluísse cada vez mais, mas sem perder a identidade, continuando a corresponder às expectativas do mercado e se adequando as preferências do consumidor brasileiro.

O  modelo de melhor custo-benefício do país chegou a 2001 com uma opção nova de motor, o Fire 1.0l e oito válvulas, que era moderno e otimizado, pois vinha com avanços na diminuição de atritos internos.  Com potência para 55 cv, o destaque do Mille Fire era a economia de combustível. Além disso, algumas alterações estéticas: grade frontal, calotas e direção com o logotipo comemorativa dos cem anos da Fiat.

Ao completar 20 anos no mercado nacional, em 2004, o queridinho dos brasileiros passou uma repaginada no visual, ganhou um estilo mais renovado e interior moderno. Uma reestilização profunda, as maiores mudanças de sua história. A frente foi remodelada, com faróis de superfície complexa, sendo mais eficientes e uma ampla grade que o deixava com aspecto robusto. Na traseira vinham lanternas redesenhadas, que aumentaram a segurança ao permitir uma melhor visualização pelos demais motoristas. O interior também tinha novidades como controle de vidros elétricos, rádio/toca-CDs e direção assistida, que poderiam ser adicionados nas concessionárias. Além disso, vinha com o novo logo da Fiat, redondo e com o fundo azul.

Em 2008, a Fiat conseguiu alcançar o que parecia improvável: deixar o Mille ainda mais econômico. Assim, como o próprio nome já diz, foi lançando o Mille Economy, com novas tecnologias para poupar combustível.  Os aprimoramentos técnicos e intervenções no motor, câmbio e suspenção atingiram o objetivo de deixar consumo em média 10% menor do que sua versão anterior.

2010 – O novo Fiat Uno
Então foi a vez da segunda geração do Fiat Uno fazer uma nova história de sucesso. Atributos para isso não faltavam. O modelo chegou para lançar mais um sopro de modernidade no mercado dos carros pequenos brasileiros. Ousado nos conceitos e nas linhas, chegou para redefinir o segmento dos automóveis compactos.

Mesmo com inúmeras inovações, o Novo Uno mantinha as características que tornaram o modelo um sucesso. No desenho, adotava o tema do quadrado arredondado, que remetia ao uno original, porém atualizado para o século XXI. A carroceria mais rígida oferecia amplo espaço interno, uma tradição do modelo.

Por trás do visual moderno, também tinha uma máquina equivalente. A nova versão marcou a estreia de dois novos motores – o Fire 1.0 Evo e o Fire 1.4 Evo, ambos Flex – atribuídos a modernas tecnologias para garantir economia de combustível e baixo nível de emissões.

O novo Fiat Uno tinha quatro versões de acabamento. Em todas, o consumidor encontrava um automóvel moderno, arrojado, com excelentes motorizações e muita personalidade. São elas (todas com 4 portas): Uno Vivace 1.0 Flex, Uno Way 1.0 Flex, Uno Attractive 1.4 Flex e Uno Way 1.4 Flex. Além disso, oferecia múltiplas opções de personalização, tanto de elementos visuais quanto de itens de conveniência.

Com tantos atrativos, o Novo Uno logo foi sucesso de público e mídia, o que levou a encher a salas de troféus da Fiat. Isso porque ganhou diversas premiações já no primeiro ano, que só comprovaram a excelência do modelo. Ele foi considerado o “Carro do Ano 2011” e “Carro do Ano 2011 pelo voto popular”, da revista Auto Esporte; “Melhor Carro Imprensa Automotiva”, “Melhor Carro Nacional” e “Melhor Carro Popular”, pela Abiauto (Associação Brasileira da Imprensa Automotiva); “Melhor carro até 1.000cc” e “Melhor Carro de 1.000 a 1.599cc”, pelo prêmio Top Car TV; “Melhor Carro Nacional”, pelo prêmio CAR Awards 2011 da revista Car Magazine e “10 Best 2011”, da revista Car and Driver.

2013 – Uma despedida
Em 2013, foi apresentada a série especial Grazie Mille, com tiragem limitada a 2 mil unidades numeradas do modelo. Exclusiva, oferecia requinte, conforto e a nova a cor Verde Saquarema, desenvolvida especialmente para esta série. A série marcou a despedida do Fiat Uno com a aparência mais quadradinha, com a qual ficou conhecido pelos brasileiros desde que chegou ao mercado.

2016 – Tecnologia e novo visual
Mantendo a tradição de sempre se reinventar, em 2016 o Fiat Uno chegou com renovação nas linhas externas e foi escolhido para o lançamento da nova e avançada família de motores FireFly, que hoje também equipam os Fiat Cronos e Argo. Importantes tecnologias como Controle de Tração (TC), estabilidade (ESC) e assistente de partida em rampas colocaram o Novo Uno como um dos carros mais seguros e modernos de seu segmento.

2019 - A atualidade
Com tantas histórias e 35 anos no mercado brasileiro, o Fiat Uno chega em 2019 com números impressionantes. Apesar do tempo, segue em ótima forma e boa atuação no mercado, o que pode ser comprovado com o fato de ter sido o veículo compacto com maior crescimento de vendas no Brasil no primeiro semestre de 2019: 101,3% a mais em relação ao mesmo período de 2018 (9.573 unidades comercializadas de janeiro a junho de 2019 em relação a 4.755 no mesmo período do ano anterior).

Versátil, com evolução constante e soluções inteligentes, a atual gama conta com quatro versões: Attractive 1.0 (R$ 46.490), que possui um perfil democrático e ótimo acabamento; Drive 1.0 (R$ 47.990) com destaque para o motor Firefly e pela direção elétrica com função City, oferece dirigibilidade e conforto; Way 1.0 (R$ 49.990) que é a mais robusta e Way 1.3 (R$ 53.990), que, devido ao motor FireFly 1.3, garante performance extra, mas sem abrir mão da economia de combustível.   

O Fiat Uno oferece comodidade em todas as opções, sendo que desde a versão de entrada o modelo já traz de série itens como direção hidráulica, ar-condicionado, Drive by Wire (Controle eletrônico da aceleração), Follow me Home, HSD (High Safety Drive) – kit com airbag duplo (motorista e passageiro) e ABS com EBD, Lane Change (função auxiliar para acionamento das setas indicando trocas de faixa), faróis com máscara negra e vidros elétricos dianteiros com one touch e antiesmagamento. Tudo isso só ressalta o compromisso da Fiat em atender às necessidades do mercado consumidor oferecendo um excelente custo/benefício.

 
 
Fiat Uno CS
 
Fiat Uno CS
Fiat Uno CS
Fiat Uno 1.6 R
 
Fiat Uno 1.6 R
Fiat Uno 1.6 R
Fiat Uno Turbo
 
Fiat Uno Turbo
Fiat Uno Turbo
Fiat Uno S
 
Fiat Uno S
Fiat Uno S
Fiat Mille EP
 
Fiat Mille EP
Fiat Mille EP
Fiat Uno 1.5 R
 
Fiat Uno 1.5 R
Fiat Uno 1.5 R
Fiat Mille Fire Economy 1.0 Flex
 
Fiat Mille Fire Economy 1.0 Flex
Fiat Mille Fire Economy 1.0 Flex
Fiat Uno Mille Electronic
 
Fiat Uno Mille Electronic
Fiat Uno Mille Electronic
Fiat Uno SX
 
Fiat Uno SX
Fiat Uno SX
 
 
César Tizo

O "Guru dos Carros", César Tizo se juntou ao time este ano e está à frente dos portais AUTOO e MOTOO. É o expert em aconselhar a compra de automóveis

César Tizo |