Elis Regina e a Kombi: entenda por que o Conar investiga propaganda

Órgão regulador abre processo ético e questiona uso da inteligência artificial para recriar a cantora
Maria Rita e Elis Regina em propaganda da Kombi elétrica

Maria Rita e Elis Regina em propaganda da Kombi elétrica | Imagem: Reprodução

A propaganda da Volkswagen que recriou a cantora Elis Regina, morta em 1982, com o uso da inteligência artificial para anunciar o lançamento da Kombi elétrica ID.Buzz será alvo de processo no Conar (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária).

O órgão regulador questiona uma série de fatores e o processo foi aberto após uma queixa. A informação é da colunista Mônica Bergamo, do jornal Folha de S.Paulo.

O conselho diz que consumidores "questionam se é ético ou não o uso da Inteligência Artificial (IA) para trazer pessoa falecida de volta à vida como realizado na campanha". O processo deve analisar se o procedimento pode ser feito mesmo com a autorização da família.

No caso da propaganda da Volkswagen, a peça contou com a presença da também cantora Maria Rita, filha de Elis Regina.

VEJA TAMBÉM:

Outro ponto que o Conar vai avaliar é a falta de aviso de que houve uma recriação com o uso da inteligência artificial. Segundo o conselho, o filme pode ter levado parte do público, que não conhecia a artista, a acreditar que se tratava de uma pessoa real.

"Questiona-se a possibilidade de tal uso causar confusão entre ficção e realidade para alguns, principalmente crianças e adolescentes", diz o órgão.

Segundo o Conar, o caso deve ser julgado em até 45 dias.

"Elis" aparece dirigindo a Kombi no comercial da Volkswagen
Imagem: Reprodução

A investigação pode ser um ponto de partida para a regulamentação do uso da inteligência artificial em publicidade. Não há hoje no Brasil uma regra definida.

Quando lançada no começo de julho, a peça gerou polêmica nas redes sociais. Enquanto muitos usuários do Twitter relataram se emocionar com o encontro inédito de mãe e filha, outros se incomodaram com o uso da música, que era um protesto contra a ditadura militar no Brasil (1964-1985).

Isso porque a Volkswagen foi apontada como cúmplice da repressão e assinou em 2021 um acordo com o compromisso de destinar R$ 36,3 milhões a ex-empregados presos, perseguidos e torturados, assim como a iniciativas de promoção de direitos humanos.

Volkswagen ID.Buzz 2024
Volkswagen ID.Buzz 2024
Imagem: Divulgação

Um documento divulgado pela própria companhia em 2017 reconheceu a colaboração entre a segurança industrial da fábrica brasileira e a polícia política do governo militar.

Siga o AUTOO nas redes: Instagram | LinkedIn | Youtube | Facebook | Twitter

Ex-empregados afirmaram à Comissão Nacional da Verdade que, durante a ditadura militar, a empresa forneceu aos órgãos policiais informações sobre os funcionários e permitiu, dentro de sua própria fábrica, prisões sem ordem judicial e tortura policial.

Recomendados por AUTOO

Youtube
Fiat Fastback Abarth

Fiat Fastback Abarth

SUV Cupê tem veneno na medida certa
Aviação
Áustria terá ajuda da Holanda para comprar seus Embraer KC-390

Áustria terá ajuda da Holanda para comprar seus Embraer KC-390

Rival do Hercules deve chegar ao país da Europa em 2027
MOTOO
Veja os preços da nova Zontes 350!

Veja os preços da nova Zontes 350!

Novas T350, T350x, R350 e V350 aparecem em site da empresa