Estudo aponta: uso do carro para trabalhar está acima da média no Brasil

Além disso, preferência pelo transporte público no país também está fora do padrão global
Trânsito

Trânsito | Imagem: Reprodução internet

De acordo com o estudo de mobilidade do Mobility Consumer Index 2023, produzido pela EY, 88% dos brasileiros preferem usar o carro próprio no dia a dia para trabalhar ou estudar enquanto que a média global está em 80% levando com conta 20 países e 15 mil entrevistados. 

VEJA TAMBÉM:

Outro dado interessante do estudo é que apenas 56% das pessoas no Brasil afirmaram que usam transporte público para o mesmo fim, o que é outro índice abaixo da média global, de 62% e bem menos que de alguns países em desenvolvimento como Índia (85%) e México (66%). Isso contribui com os enormes congestionamentos em grandes cidades brasileiras como São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte.

Ainda entre os fatores que têm prejudicado a  fluidez do trânsito nas principais capitais do Brasil está a baixa adesão ao trabalho remoto, embora a média no Brasil esteja ligeiramente acima da global. O levantamento diz que 27% dos respondentes disseram que estão trabalhando remotamente de três a quatro vezes por semana – contra 24% da média dos outros países que entraram no estudo.

Com boa parte das pessoas voltando a trabalhar fora de casa depois da pandemia, conforme dados da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) a redução na lentidão do trânsito de São Paulo tem sido maior nas segundas e sextas-feiras. De forma geral, durante os dias úteis, a lentidão caiu 32% em comparação com 2019.

A diminuição do uso do carro e do transporte público (dos ônibus mais precisamente, já que a maioria ainda é movido a combustão) por causa do trabalho remoto ou híbrido contribui para os esforços contra o aquecimento global, de acordo com estudo da Cornell University em parceria com a Microsoft. 

O trabalho totalmente remoto, segundo os pesquisadores, pode reduzir em 54% a pegada de carbono de um profissional. Já o trabalho remoto de dois a quatro dias por semana pode trazer redução de até 29% nas emissões de gases de efeito estufa (GEE).

Eletrificação ajuda o meio ambiente

Carro elétrico
Carro elétrico tem avançado em participação no Brasil, mas ainda está abaixo da média global
Imagem: Divulgação

Para diminuir a poluição e os efeitos do aquecimento global, os carros eletricados têm sido apontados entre as soluções.  Com isso, estimativas dão conta de que, em 2045, as vendas de modelos apenas a combustão caiam para menos de 1% do mercado automotivo global. No Brasil, porém, fatores como a baixa renda da população e o alto preço dos veículos eletrificados, esse índice não será o mesmo. 

Mesmo assim, considerando o tamanho da frota do país, composta por 60 milhões de veículos, há enorme potencial no mercado de VEs para os próximos anos. O desafio, além de baratear os veículos para o consumidor, será gerar eletricidade para atender à demanda adicional: acréscimo de 270 GW de capacidade instalada no país. O caminho será recorrer às fontes renováveis de energia, como solar, eólica e hidrogênio verde.

Siga o AUTOO nas redes: Instagram | LinkedIn | Youtube | Facebook | Twitter

Carlos Guimarães

Jornalista há mais de 20 anos, já acelerou várias novidades, mas não dispensa seu clássico no final de semana

Recomendados por AUTOO

Youtube
RAM Rampage Laramie a diesel

RAM Rampage Laramie a diesel

Será que ainda é vantajoso ter picape com motor turbodiesel?
Aviação
Força Aérea Brasileira confirma: quer caças F-16 dos EUA

Força Aérea Brasileira confirma: quer caças F-16 dos EUA

Mas nega que isso possa atrapalhar operação dos novos Gripen suecos
MOTOO
A partir de R$ 8,5 mil: motos Shineray, Honda e Yamaha

A partir de R$ 8,5 mil: motos Shineray, Honda e Yamaha

Lista reúne as 10 motos mais baratas do Brasil em maio de 2024. Descubra as opções