Grandão, sedã 300C chega renovado ao Brasil

Modelo mais luxuoso da Chrysler já está sendo oferecido por R$ 204,9 mil

Chrysler 300C 2015 | Imagem: Divulgação

Modelo mais luxuoso do grupo FCA à venda no mercado brasileiro, o Chrysler 300C recebeu uma série de aprimoramentos para a linha 2015, o que inclui novidades no visual, melhorias no acabamento interno e ajustes no conjunto mecânico. O sedã é importado do Canadá e está disponível em apenas uma versão, com preço sugerido de R$ 204,9 mil.

O novo 300C ganhou uma nova grade, com destaque para a asa estilizada da Chrysler no topo da peça, além de faróis principais com duplo xenônio, luzes de circulação dirua de LED em formato de “C” e nivelamento automático, detalhes em cromado no para-choque e faróis de neblina em LED. Nas laterais, há novas rodas de 20 polegadas, enquanto na traseira o sedã apresenta novas lanternas em LED e para-choque redesenhado.

Por dentro, o Chrysler 300C 2015 traz como novidade o painel de instrumentos com uma tela central multifuncional colorida de TFT de 7 polegadas, que pode exibir informações da viagem, como autonomia e consumo médio, além de dados mecânicos como temperatura do óleo do motor e do câmbio, pressão dos pneus e até as coordenadas do sistema de navegação.

Outra novidade é o comando do câmbio automático TorqueFlite de oito marchas, agora por um seletor rotativo. O console central traz ainda o sistema multimídia Uconnect de 8,4 polegadas e novos comandos do sistema de ar-condicionado e ventilação.

No conjunto mecânico, o 300C continua com o Pentastar V6 de 3.6 litros, que ganhou 10 cavalos a mais, chegando a 296 cv. O toque máximo também aumentou, passando de 34,7 para 36 kgfm. Com essas mudanças, o sedã agora acelera de 0 a 100 km/h em 7,9 segundos e alcança velocidade máxima de 240 km/h.

Medidas generosas

O 300C chegou ao Brasil em 2005 e chamou a atenção nas ruas. Com dimensões bem maiores que a maioria dos carros no país (5 metros de comprimento e quase 2 metros de largura), o sedã americano logo caiu no gosto dos que procuravam um veículo que botasse medo por onde passava - até mesmo uma improvável versão perua acabou sendo importada, aproveitando o sucesso inicial.

Nos primeiros cinco anos em territótio nacional, cerca de 1.500 unidades haviam sido vendidas, mas desde então o modelo perdeu apelo, sobretudo após receber uma reestilização que o deixou mais refinado, porém, sem o mesmo apelo agressivo. Agora, a FCA, dona da Chrysler espera que o 300C volte a impressionar por aqui.

Assine a newsletter semanal do AUTOO!