Inglaterra pagará R$ 23 mil para que motoristas desistam do carro

Iniciativa em Coventry quer converter o valor do veículo em créditos de transporte público ou aplicativos de compartilhamento
O Mini original ao centro: seus sucessores trilharam outros caminhos distantes da proposta inicial

O Mini original ao centro: seus sucessores trilharam outros caminhos distantes da proposta inicial | Imagem: Divulgação

Em novembro do ano passado, o Reino Unido anunciou que banirá a venda de qualquer veículo com motor a combustão interna a partir de 2030. Enquanto isso não acontece, alguns municípios da Inglaterra estão procurando alternativas para bater as metas de redução de poluentes e também entender como funcionará a locomoção dos cidadãos sem os carros convencionais.

Um exemplo disso é a cidade de Coventry, na região central da Inglaterra. O governo municipal de lá anunciou que iniciará uma campanha para que as pessoas desistam totalmente de ter qualquer tipo de veículo próprio. Para tanto, a prefeitura estaria disposta a pagar 3.000 libras em créditos de locomoção, cerca de R$ 23 mil, para qualquer proprietário que abdicar de seu veículo.

A Inglaterra já sabe que, mesmo após banir as vendas de carros a combustão em 2030, ainda não conseguirá atingir as metas propostas de emissões e reduzir o número de veículos particulares surgiu como uma opção. A cidade de Coventry vai começar o projeto piloto ainda este ano, com 100 moradores locais. O foco será em proprietários de carros a gasolina anteriores a 2006 e a diesel fabricados antes de 2016.

Quem aceitar, poderá usar o crédito em transporte público, carros de aplicativo de compartilhamento ou até alugar carros elétricos, mas terão de vender seus carros particulares. A ideia é medir quanto dinheiro é necessário para um indivíduo deixar totalmente de usar um carro próprio. Também servirá para o governo montar planos semelhantes para mais pessoas abdicarem de seus veículos.

Uber é o aplicativo mais lembrado pelos participantes da pesquisa
Governo de Coventry (ING) quer que cidadãos usem transporte publico ou aplicativos de compartilhamento
Imagem: Divulgação