Kombi não morreu! Van alcança sétima geração na Europa e terá até base do Golf

Modelo contará com tecnologia sofisticada para preservar identidade da van
Teaser antecipando a nova geração da Multivan, sucessora da Kombi na Europa

Teaser antecipando a nova geração da Multivan, sucessora da Kombi na Europa | Imagem: Divulgação

No Brasil e nos mercados onde foi comercializada, a Kombi, ao lado do Fusca, permanece como um ícone da indústria automotiva. Por aqui, a van em suas diferentes opções de carroceria segue um modelo amplamente disputado no mercado de usados sobretudo para quem precisa de um veículo competente e robusto para o trabalho.

Nem todos devem saber, mas na Europa a Kombi (por lá o seu apelido carinhoso é Bulli...) ainda permanece na ativa, atualmente em sua sexta geração e conhecida formalmente como Multivan. 

Aos poucos a Volkswagen Commercial Vehicles, braço da fabricante alemã focada em produtos de aplicação comercial, começa a revelar os primeiros detalhes da próxima evolução completa que a empresa desenhou para o modelo.

Entre as novidades, a evolução da Multivan (T7) terá uma solução de tecnologia de ponta para eliminar a manopla de câmbio e liberar espaço tanto entre os passageiros dos bancos dianteiros, bem como entre o restante da cabine, uma clássica característica da Kombi original. 

O que vai permitir a solução (mais detalhes no vídeo abaixo) será o sistema shift-by-wire atuando em conjunto com a transmissão de dupla embreagem DSG. A tecnologia avançada substitui muitos elementos mecânicos e permite controlar de forma eletrônica a transmissão. Com isso, apenas ao toque de um botão um motorista pode selecionar os modos D (Drive) ou R (Reverse), entre outros, para operar o câmbio.

É isso o que faz da Bulli uma Bulli: a generosidade de espaço no interior. Nós retiramos a alavanca de câmbio e ainda ampliamos o espaço no meio do carro. A nova Bulli será um produto excitante”, antecipa Albert Kirzinger, chefe de design da Volkswagen Commercial Vehicles, referindo-se à sucessora da Kombi. 

No vídeo protagonizado por Kirzinger ainda podemos constatar outros elementos que vão figurar na nova geração da Multivan, como a central multimídia com tela de 10”. Além de eliminar a alavanca de câmbio, o time de design também se preocupou em retirar do modelo também qualquer comando físico para o freio de estacionamento, que passa a operado eletronicamente.  

Agora baseada na geração mais atual da plataforma modular MQB, também aplicada no Golf VIII, a previsão é que a nova geração da Multivan conte com opções de tração dianteira e integral e um leque que contempla motores diesel e gasolina, alguns deles com sistema híbrido-leve para ajudar na redução do consumo e emissões de poluentes. Uma variante híbrida plug-in, apontam veículos da imprensa especializada internacional, também pode estar nos planos. O modelo totalmente renovado deve estrear no Velho Continente ainda neste ano. 

Com uma história que supera 70 anos, a Kombi foi lançada em 1950 na Alemanha como o Volkswagen Type 2, conhecido também por VW Bus ou VW Transporter (T1) em alguns mercados europeus. Segundo a Wikipedia, “o nome Kombi vem do alemão Kombinationsfahrzeug que quer dizer "veículo combinado" (ou "veículo multi-uso", em uma tradução mais livre). O conceito por trás da Kombi surgiu no fim dos anos 1940, ideia do importador holandês Ben Pon, que anotou em sua agenda desenhos de um tipo de veículo inédito até então, baseando-se em um furgão feito sobre o chassi do Fusca”. A sexta geração da agora Multivan foi lançada na Europa em 2016 e segue como uma boa opção de carro familiar ou para serviços de transporte ao oferecer 7 lugares e uma cabine muito ampla e confortável.   

Aqui no Brasil, a Kombi começou a ser importada em 1950 pelo Grupo Brasmotor. Em 1953, a mesma empresa começou a montagem local da Kombi importando as peças no formato CKD. Já no dia 2 de setembro de 1957, a Kombi começa a ser produzida no Brasil pela Volkswagen com 50% de índice de nacionalização. Até hoje a gama Transporter segue como a van mais vendida na história, somando mais de 12 milhões de unidades colocadas nas ruas ao redor do mundo.