Finalmente chegou a hora de colocar as mãos no Fiat Argo e acelerar! Mas antes é bom nos inteirarmos um pouco mais sobre esse projeto, a principal atração da montadora italiana para 2017 e sua grande aposta para retomar presença em um segmento onde costumava ser a referência do mercado.

Em primeiro lugar, o Argo (confira todos os preços da novidade) nasce sintonizado com as novas demandas dos consumidores de hatches compactos, até hoje a principal categoria em vendas no Brasil. E o que esse público quer? Seja no Argo ou em modelos como a nova geração do Volkswagen Polo e o Toyota Yaris, que chegará ao Brasil em 2018, alguns traços em comum denotam essas desejos. Em todos eles você encontrará bom espaço interno, adequado para 4 adultos com conforto. Nessa nova leva de hatches compactos, o porta-malas deverá ter no mínimo 300 litros de capacidade (algo que já encontramos no Hyundai HB20) e recursos de conectividade, com ênfase em uma boa central multimídia, serão praticamente obrigatórios daqui para a frente.

Isso tudo transparece a parte subjetiva do que se tornará relevante no segmento dentro de alguns meses, mas uma pesquisa da Fiat que balizou o desenvolvimento do Argo também nos traz alguns elementos objetivos sobre o que passa no coração e na mente de quem vai adquirir um hatch compacto em breve. Segundo a apuração da fabricante, o que mais pesa hoje na escolha de um modelo dentro da categoria é o fato dele possuir um motor econômico, tópico que mostrou-se relevante para 38% dos entrevistados. Em segundo lugar está o preço, com 28% de relevância. O design, que outrora já liderou esse tipo de questionamento com os consumidores, hoje ocupa a terceira posição com 27% de importância para os consumidores. Logo, não basta ser apenas um rostinho bonito para fazer sucesso entre os brasileiros.

Agrupando tudo isso, coube às equipes de engenharia, design, marketing e tantos outros departamentos da montadora colocarem a mão na massa para desenvolver um projeto campeão, que desse condições para a Fiat de recuperar terreno no mercado. Não custa lembrar que, exceto pelo subcompacto Mobi, que atua em uma segmentação de mercado bem peculiar, há um bom tempo a Fiat não contava com um hatch realmente competitivo.

Se a receita utilizada na picape Toro surpreendeu a todos devido à enorme aceitação do modelo desde o lançamento, todos ficaram ansiosos para descobrir o que a montadora poderia entregar com o Argo.

E por falar na Toro, a mesma equipe que cuidou do visual da picape ficou responsável por esculpir a carroceria do Argo. É nítido como alguns traços presentes no hatch conversam com a picape, sobretudo as dobras bem pronunciadas nas laterais do hatch. Visto de frente, qualquer semelhança com o Mobi não é mera coincidência. Alguns leitores aqui no AUTOO chegaram a brincar na época em que as primeiras imagens do Argo foram divulgadas de que tratava-se de um “Mobão” e, quando chegamos perto do modelo, essa sensação se confirma. De qualquer forma, o resultado agrada e o aspecto musculoso do Argo desencadeia uma sensação de que ele pertence a um segmento superior. É, sem dúvida nenhuma, um carro de presença.

Outro ponto destacado por alguns leitores e que também concordo diz respeito ao visual da traseira. Observado de longe, você até confunde o Argo com um Hyundai HB20 ou até mesmo o médio i30. Na tampa do porta-malas também estão presentes formas bem esculpidas e as lanternas, assim como os faróis, avançam sem medo pelas laterais para criar um efeito de maior largura para o modelo. Nas lanternas, os traços da boa qualidade construtiva e cuidado com o projeto são vistos nos relevos e depressões da peça, que criam um “efeito 3D” no conjunto.

Mas o melhor do Argo reside na sua estrutura como um todo. Provando que a parceria entre a Fiat e a Chrysler deu muito certo, tanto comercialmente quando do ponto de vista do desenvolvimento de novos produtos, a fabricante italiana conseguiu entregar um nível de refinamento ímpar em tudo o que envolve a parte técnica do Argo. Foi-se a época em que, para nacionalizar um carro, a Fiat mesclava plataformas antigas. O Argo é construído sob a nova plataforma MP1 da FCA, que contempla grande parte (55%) do uso de aço de alta resistência, sendo outros 10% de aço de ultra resistência e mais 10% da carroceria preparada com o sistema de hot stamping, que colabora não só com a segurança do Argo, mas melhora, em muito, sua rigidez torcional e respostas dinâmicas.

Ao primeiro contato com o Argo, em nosso caso com a versão Precision 1.8 automática, nos surpreendeu a qualidade do seu comportamento. A direção conta com assistência elétrica e traz o “peso” ideal para o volante, não sendo cansativo para manobras na cidade e nem anestesiado na hora de aproveitar uma boa estrada com curvas. O tempo de resposta para os comandos quase nos faz achar que estamos em um carro de uma marca alemã: ligeiramente mais rápido do que os rivais do segmento, a direção traz uma leve pitada esportiva, a dose exata que faz bem para qualquer automóvel. Até mesmo o pedal do freio trabalha com uma precisão muito boa, sendo mais sensível do que estávamos acostumados a encontrar em um Fiat.

Dando continuidade ao ótimo trabalho da direção e dos freios, a suspensão é, de longe, a melhor que podemos encontrar na categoria atualmente. Ela não tem nenhum segredo, seguindo o layout McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira, mas ao menos conta com alguns refinamentos como a barra estabilizadora para as rodas da frente. Assim como a direção, fica fácil entender quando dirigimos o Argo porque uma marca geralmente roda na casa dos milhões de quilômetros para desenvolver um carro. O acerto dos elementos elásticos usados no Argo é impecável e, em vias sinuosas, a dianteira se destaca pela extrema competência em que se mantém na trajetória desejada pelo motorista. O mesmo podemos dizer do conforto no rodar, que é tão bom quanto a capacidade dinâmica da suspensão. Buracos e problemas da via são filtrados ao máximo pelo conjunto de molas e amortecedores. O Argo avaliado estava equipado com as rodas de liga leve aro 16” opcionais, que poderiam sacrificar parte do conforto, mas não foi o que notamos em nossos deslocamentos com o Fiat.

Como precisa lidar com bem menos peso do que no Jeep Renegade e na Fiat Toro, o motor 1.8 16V E.torQ EVO casa muito bem com a boa capacidade dinâmica do Argo. Com até 139 cv e 19,3 kgfm usando etanol, o propulsor 1.8 E.torQ ganha o sobrenome VIS quando aplicado no hatch. A sigla, do inglês Variable Intake System, refere-se ao coletor de ar com admissão variável. Até 4.000 giros, o ar que vai para os cilindros passa por um caminho mais longo, favorecendo o torque. Acima dessa rotação, uma aleta é acionada e faz o ar percorrer um trajeto mais curto, gerando mais potência.

Nessa busca pela eficiência, a adoção do start-stop em todas as versões do Argo fez muito bem ao modelo. Na versão Precision automática testada aqui, o Argo registra parciais de 10,1 km/l na cidade e 13,2 km/l na estrada, ambas com gasolina. Com esses números, o Argo Precision automático chega a ser até mais econômico que o Hyundai HB20 automático, que também conta com transmissão de 6 marchas. Com é de se esperar, o desempenho é muito bom a bordo do Argo 1.8. De acordo com dados da Fiat que nos pareceram bem fiéis à realidade, o Argo 1.8 automático vai de 0 a 100 km/h em 10,4 segundos e pode atingir 191 km/h de velocidade máxima, nas duas medições considerando o uso de etanol.

O funcionamento do propulsor é bem linear e silencioso. A caixa automática mesmo não contando com a rapidez de uma transmissão de dupla embreagem trabalha em sintonia com o motor, realizando reduções ou avançando marchas nos momentos corretos. É nítido como em todos os trabalhos que envolveram calibração (motor, câmbio, freios, suspensão, etc.) o Argo parece ter sido tratado com muito carinho.

Se na parte mecânica, estrutural e no projeto o Fiat Argo agrada, o mesmo vale para o interior. Aqui é um traço em que nitidamente notamos uma mescla dos italianos trabalhando a forma das peças e dos norte-americanos selecionando a qualidade dos materiais (plásticos e tecidos) usados no interior. Uma característica muito boa do Argo que foi herdada do Punto é a excelente ergonomia. Até mesmo a boa empunhadura do volante do Punto está lá replicada no Argo. As demais teclas e botões seguem o (bom) padrão visto nos modelos nacionais da Jeep e na Fiat Toro. Esse salto no acabamento promovido pela Chrysler dentro da linha Fiat foi muito salutar para a marca italiana. A única das poucas críticas em relação ao Argo destinam-se para o espaço traseiro. Os passageiros mais altos vão facilmente raspar a cabeça no teto, algo que não deveria ocorrer um carro tão moderno como o Argo. A área para as pernas é boa, mas não espere colocar mais do que dois adultos ou, no máximo, dois adultos e uma criança no banco traseiro do Fiat. O modelo, de qualquer forma, traz o prático e seguro sistema Isofix para fixação de cadeirinhas de bebê.  

O Argo Precision conta com um bom pacote de opcionais, com destaque para o “Kit Stile”, que acrescenta ao modelo o revestimento interno de couro e as rodas aro 16” já citadas por mais R$ 2.200. O “Kit Tech” melhora o bem-estar a bordo com ar-condicionado digital, chave presencial com partida por botão, quadro de instrumentos com tela personalizável de 7”, sensor de chuva, acendimento automático dos faróis e retrovisor interno eletrocrômico tudo isso por R$ 3.500. Pensando na segurança, você pode acrescentar os airbags laterais por R$ 2.500 e o “Kit Parking” (sensor de estacionamento com display gráfico no painel e câmera de ré por R$ 1.200). Completão, o Argo Precision automático atinge R$ 77.200.

Considerando o preço do Argo Precision automático básico por R$ 67.800, não é exagero dizer que ele tem um custo-benefício favorável considerando que dentro do segmento só nele você vai encontrar um hatch com essa transmissão oferecendo os controles de estabilidade e tração, além do start-stop. Levando em conta que um Hyundai HB20 1.6 Premium com todos os opcionais atinge R$ 67.720, certamente o interessado em comprar o modelo da marca sul-coreana se sentirá tentado à migrar para o Fiat. O Ford New Fiesta é um rival mais condizente com o Argo Precision, já que, no limite dos R$ 70.000 o Ford em sua versão Titanium 1.6 traz o ESP e o controle de tração e até mesmo bancos de couro de série. Contudo, os problemas envolvendo o câmbio de dupla embreagem presente no Fiesta não colaboram para a imagem do hatch.

Neste primeiro teste a bordo do Fiat Argo a sensação que ficou para nós é clara: além de apresentar todas as características que encontraremos na próxima geração dos hatches compactos acima de 1.0 l, o Argo é um modelo que se destaca por uma boa lista de qualidades. Ele oferece bom nível de segurança ativa e passiva, é econômico e eficiente, agradável de dirigir e conta com um patamar elevado (em relação ao segmento) de acabamento e opcionais. Sem dúvida nenhuma tem vários predicados que o tornam uma boa opção para sua garagem, mas vale a pena você considerar também a compra de um VW Polo Highline. 

 
 
Fiat Argo 2018
 
Fiat Argo 2018
Fiat Argo 2018
Fiat Argo 2018
 
Fiat Argo 2018
Fiat Argo 2018
Fiat Argo 2018
 
Fiat Argo 2018
Fiat Argo 2018
Fiat Argo 2018
 
Fiat Argo 2018
Fiat Argo 2018
Fiat Argo 2018
 
Fiat Argo 2018
Fiat Argo 2018
Fiat Argo 2018
 
Fiat Argo 2018
Fiat Argo 2018
Fiat Argo 2018
 
Fiat Argo 2018
Fiat Argo 2018
Fiat Argo 2018
 
Fiat Argo 2018
Fiat Argo 2018
Fiat Argo 2018
 
Fiat Argo 2018
Fiat Argo 2018
Fiat Argo 2018
 
Fiat Argo 2018
Fiat Argo 2018
Fiat Argo 2018
 
Fiat Argo 2018
Fiat Argo 2018
Fiat Argo 2018
 
Fiat Argo 2018
Fiat Argo 2018
Fiat Argo 2018
 
Fiat Argo 2018
Fiat Argo 2018
Fiat Argo 2018
 
Fiat Argo 2018
Fiat Argo 2018
Fiat Argo 2018
 
Fiat Argo 2018
Fiat Argo 2018
 
 

Ficha técnica

Fiat Argo 2018 Precision AT6 1.8 16V flex automático 4p
Preço R$ 67.800 (10/2017)
Categoria Hatch compacto
Vendas em 2017 22.339 unidades
Motor 4 cilindros, 1747 cm³
Potência 135 cv a 5750 rpm (gasolina)
Torque 18,8 kgfm a 3750 rpm
Dimensões Comprimento 3,998 m, largura 1,724 m, altura 1,507 m, entreeixos 2,521 m
Peso em ordem de marcha 1264 kg
Tanque de combustível 48 litros
Porta-malas 300 litros
Veja ficha completa

O "Guru dos Carros", César Tizo se juntou ao time este ano e está à frente dos portais AUTOO e MOTOO. É o expert em aconselhar a compra de automóveis

César Tizo |