Não é difícil você encontrar por aí que já está no seu segundo ou terceiro Honda Fit. Além disso, existem até mesmo aqueles que encontram-se tão satisfeitos com o seu exemplar de primeira geração do monovolume que relutam em trocá-lo por um mais novo. Mas qual é o segredo do Fit que o torna tão querido entre seus proprietários?

Basta passar alguns dias a bordo do modelo que você começa a entender grande parte dos motivos.

O primeiro deles, sem dúvida nenhuma, vai para a concepção e a proposta bem singulares no caso do Fit. Sua arquitetura, que conta com uma série de soluções para ampliar o espaço interno, sem dúvida nenhuma é um de seus pontos mais relevantes. Você pode procurar no mercado, mas nenhum hatch compacto ou outro modelo na casa dos 4 m de comprimento oferecerá o mesmo aproveitamento da cabine e um porta-malas semelhante ao do Fit.  

Para o uso familiar, o Honda é um modelo mais do que indicado. Ele pode acomodar 5 passageiros com conforto, todos devidamente seguros por cintos de segurança de 3 pontos. Uma das grandes sacadas do Fit vai para seu prático sistema de rebatimento dos bancos, chamado de ULTRa a partir desta que é sua terceira geração. Se você não precisa da capacidade total do carro para o transporte de passageiros, é só destravar o encosto do banco traseiro e rapidamente você consegue rebater uma de suas duas partes (60/40), acomodando desde uma prancha de surfe, uma bicicleta, ou qualquer outro objeto mais volumoso. Precisa levar um vaso? Basta fazer a operação inversa e levantar o assento traseiro, abrindo uma generosa área entre o assoalho e o teto. Não há planta que resista a tamanha versatilidade... Com o banco traseiro completamente rebatido, o Fit vira um "utilitário" com 1.045 litros disponíveis para carga.  

Mesmo sem sacrificar o espaço para os ocupantes, o porta-malas com 363 litros de capacidade do Fit supera, com folga, a capacidade encontrada nos hatches compactos e acomoda bem mais bagagens do que você coloca no compartimento de um Volkswagen Golf, por exemplo, com seu porta-malas para 313 litros. A favor do Fit e em relação a qualquer sedã, conta o fato do porta-malas ser muito mais prático para abrigar um carrinho de criança graças ao bom ângulo de abertura da tampa. 

A partir da linha 2017 em especial a versão EXL ganhou melhorias consideráveis, com destaque para a central multimídia com navegador integrado e a ótima notícia da inclusão do airbag de cortina nessa configuração, totalizando 6 bolsas infláveis. A novidade é importante em especial para um carro que é muito utilizado por famílias. Infelizmente não foi dessa vez que a Honda passou a oferecer os controles de tração e estabilidade para o Fit, algo que, pelo visto, ficará mesmo para a próxima geração do monovolume ou quem sabe chegue ao modelo em conjunto com o facelift previsto para a linha 2018 do modelo. De qualquer forma, vale destacar também a estrutura muito segura do Fit para os passageiros, sendo que o modelo é classificado com 5 estrelas na proteção para adultos e recebeu 4 estrelas na proteção para crianças de acordo com testes do Latin NCAP.  

Com a boa ergonomia peculiar aos carros japoneses e alemães, o Fit é um modelo de condução relaxada e confortável. Existem até mesmo alguns cuidados na cabine como o porta-copo posicionado na saída de ventilação à esquerda do motorista, que ajuda a manter a bebida mais fresca. 

É fácil se instalar dentro do Honda Fit, em grande parte graças aos vários porta-objetos locais estratégcos do interior, mas talvez, mesmo na versão topo de linha, falte uma sensação de mais refinamento ao habitáculo. Claro que o revestimento interno de couro nos bancos e volante presente na versão EXL melhora o aspecto da cabine, mas os plásticos utilizados no Fit, um modelo que está longe de ser um carro “popular”, mereciam um seleção mais caprichada. 

 
 
Honda Fit 2017
 
Honda Fit 2017
Honda Fit 2017
Honda Fit 2017
 
Honda Fit 2017
Honda Fit 2017
Honda Fit 2017
 
Honda Fit 2017
Honda Fit 2017
Honda Fit 2017
 
Honda Fit 2017
Honda Fit 2017
Honda Fit 2017
 
Honda Fit 2017
Honda Fit 2017
Honda Fit 2017
 
Honda Fit 2017
Honda Fit 2017
Honda Fit 2017
 
Honda Fit 2017
Honda Fit 2017
Honda Fit 2017
 
Honda Fit 2017
Honda Fit 2017
Honda Fit 2017
 
Honda Fit 2017
Honda Fit 2017
Honda Fit 2017
 
Honda Fit 2017
Honda Fit 2017
Honda Fit 2017
 
Honda Fit 2017
Honda Fit 2017
 
 

A central multimídia, um item cada vez mais fundamental nos carros e oferecida somente na versão mais cara do Fit como a testada aqui, não está imune a algumas falhas. A câmera de ré, por exemplo, não nos agradou por distorcer as imagens exibidas na tela. Talvez por usar uma lente grande angular, fica difícil ter a noção exata dos carros e demais objetos logo atrás do Honda. O sensor de estacionamento, que deveria ser um item de série sobretudo no Fit EXL, cairia muito bem ao modelo. O navegador nos agradou durante nossa avaliação a bordo do Fit, mas falta para a central multimídia a possibilidade de se comunicar com os smartphones utilizando os sistemas Apple CarPlay e Android Auto, recurso que muito provavelmente deve figurar no equipamento a partir do Fit 2018. 

Ao contrário da geração anterior, as rodas de liga leve aro 16” do Fit EXL não representam mais nenhuma ameaça ao conforto e o Fit repete no rodar todo o bem-estar a bordo que oferece aos passageiros. Seu conjunto de suspensão é calibrado para ser competente na absorção de irregularidades no piso como para manter a carroceria sempre estável. Esqueça qualquer tempero esportivo a bordo do Fit, que, na mesma linha, não faz questão de oferecer trocas sequenciais por meio de borboletas no volante. 

Coerente com sua proposta racional, o conjunto motor e câmbio do Fit está mais do que adequado para o monovolume e não deixa a desejar na eficiência. O motor 1.5 16V, que conta com recursos como o comando de válvulas variável, mesmo sem o auxilio de turbo ou injeção direta consegue otimizar bem a queima de combustível para entregar até 116 cv com etanol. Não é uma potência de tirar o fôlego, porém o Fit não é um carro apático na hora de acelerar e, mesmo com 5 pessoas e bagagem, realiza ultrapassagens sem preocupar o motorista.   

O câmbio CVT, que ainda é um tabu no Brasil sendo amado por alguns e odiado por outros, colabora muito para o comportamento satisfatório do Honda Fit ao volante. Com parciais de ótimos 12,3 km/l na cidade e 14,1 km/l na estrada, ambas com gasolina, o Honda Fit é um dos ilustres detentores do Selo Conpet de Eficiência Energética, obtendo classificação A tanto na categoria “compacto” quanto na “comparação absoluta geral” de acordo com a lista dos modelos inscritos no Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular. 

O Fit é um modelo tão original em suas características que até hoje não tem um rival direto no mercado brasileiro. Lá fora, alguns concorrentes como o Nissan Note, que chegou a ser cogitado para o Brasil, servem como alternativa aos consumidores. Essa paz do Honda Fit no mercado nacional permite que a Honda não seja muito condescendente no preço, já que para levar um Fit EXL para casa atualmente você desembolsa exatos R$ 78.900. Muita gente reclama – e nos também concordamos – que por esse valor o Fit deveria oferecer bem mais em termos de equipamentos, como os já citados controles de tração e estabilidade.

Se você não faz questão da central multimídia (acha que seu smartphone já está de bom tamanho) e o revestimento de couro pode ser colocado futuramente, a versão LX CVT desponta como uma boa alternativa para o Fit. Ela é tabelada em R$ 67.600, o que permite uma bela economia em relação ao Fit topo de linha. 

Com um conjunto que entrega praticamente tudo o que esperamos de um carro, como bom conforto e amplo espaço interno, conjunto mecânico robusto e econômico e facilidade para acomodar as bagagens, o Honda Fit se mantém como uma excelente opção para quem precisa de um carro com perfil familiar, mas sem abrir mão de uma carroceria compacta. Esse é o pulo do gato do Fit! O modelo de entrada da Honda por aqui também é uma excelente alternativa aos sedãs compactos, em especial se você não é lá muito fã de carros três volumes, mas cogitava a compra apenas pelo bom porta-malas. O Fit exige um investimento maior na hora da compra, mas sem dúvida nenhuma ele compensa os Reais a mais gastos para sua aquisição. É bem possível que por volta do fim deste ano a linha 2018 do modelo chegue às lojas trazendo pequenas novidades no visual e talvez um leque maior de equipamentos. Se você não tem pressa, vale a pena esperar mais um pouco e adquirir o modelo já com a nova linha. Há muito tempo o Honda Fit lidera o ranking de vendas entre os familiares compactos e não é sem razão. 

Ficha técnica

Honda Fit 2017 EXL 1.5 16V flex automático 4p
Preço R$ 78.900 (05/2017)
Categoria Familiar compacto
Vendas em 2017 22.658 unidades
Motor 4 cilindros, 1497 cm³
Potência 115 cv a 6000 rpm (gasolina)
Torque 15,2 kgfm a 4800 rpm
Dimensões Comprimento 3,998 m, largura 1,695 m, altura 1,535 m, entreeixos 2,53 m
Peso em ordem de marcha 1101 kg
Tanque de combustível 46 litros
Porta-malas 363 litros
Veja ficha completa

O "Guru dos Carros", César Tizo se juntou ao time este ano e está à frente dos portais AUTOO e MOTOO. É o expert em aconselhar a compra de automóveis

César Tizo |