Veja quais montadoras realmente cresceram em 2011

Apesar de várias marcas anunciarem recordes no ano passado, nem todas aumentaram sua participação no mercado

JAC J6 | Imagem: JAC Motors

O número de vendas de automóveis vem crescendo sem parar nos últimos anos. Em 2011, por exemplo, o mercado teve um aumento de 3,36%, número que só não foi maior por conta da confusão causada pelo aumento do IPI para importados e pela restrição ao crédito, principal fonte dessa expansão. 

É comum usar esses números positivos em campanhas ou comunicados de imprensa, exaltando recordes e frases do tipo “nunca antes na história ter chegado a tal número”. O AUTOO, no entanto, levantou os dados de 2011 e revela que “nem tudo que reluz é ouro”.

Quem mais perdeu
Marca 2011 2010
variação
Honda 92.901 126.439
-26,5%
Ford 314.028 336.297
-6,6%
Peugeot 85.819 90.326
-5,0%
Chevrolet 632.255 657.707
-3,9%
Fiat 754.095 760.487
-0,8%
Toyota 99.225 99.576
-0,4%
Volkswagen 698.402 697.355
0,2%

Vamos começar de baixo. Você pode ser a marca que mais vendeu no Brasil durante o ano, porém, se a participação ficou abaixo dos 3,36%, desculpe, você perdeu parte do mercado. Vamos usar a Fiat como exemplo. Ela foi a montadora que mais vendeu em 2011, com um total de 754.095 unidades emplacadas. Porém, em 2010 este número foi de 760.487 carros. Ou seja: uma queda de 0,84% que a fez perder quase 1% da sua fatia.

Quer um número mais expressivo? Veja a situação da Ford: em 2010 foram 336.297 veículos comercializados. Porém, uma queda para 314.028 emplacamentos em 2011 fez com que a marca americana caísse dolorosos 6,62% de um ano para outro.

Outra marca que merece ser estudada com cuidado é a Honda. Devido aos problemas naturais que abalaram a economia japonesa, ela teve uma queda de 26,53%, a maior do mercado nacional em 2011. Foram 92.901 carros vendidos contra 126.439 em 2010.

Então, quem realmente se deu bem?

Existem dois tipos de marcas que merecem ser destacadas: as nacionais e as importadas. Das fabricantes que possuem fábricas no Brasil, os grandes destaques são a Nissan e Renault. A representante nipônica teve um crescimento de 87,51% e vendeu 35.874 carros em 2010, enquanto que em 2011 foram 67.268.

Quem mais cresceu
Marca 2011 2010
variação
JAC 23.725 2
-
Chery 21.669 7.008
209,2%
Volvo 5.206 2.178
139,0%
Effa 9.155 4.379
109,1%
Hafei 8.273 4.208
96,6%
Nissan 67.268 35.874
87,5%
Audi 5.461 3.266
67,2%
Suzuki 7.382 4.569
61,6%
Land Rover 8.181 5.208
57,1%
Kia 77.194 54.471
41,7%
BMW 11.921 8.455
41,0%
Mitsubishi 55.533 44.608
24,5%
Renault 194.294 160.299
21,2%
Mercedes-Benz 15.467 13.036
18,6%
Hyundai 114.927 106.012
8,4%
Citroën 90.043 84.057
7,1%

A Renault também se garantiu e subiu 21,21%. Uma das grandes explicações para o aumento na participação nacional dessas fabricantes é o aumento de lançamentos na gama de carros e renovação de produtos comercializados anteriormente.

Campeãs importadas

As marcas chinesas fizeram de 2011 um ano de crescimento e ascensão no Brasil. A Chery e a Effa, por exemplo, cresceram 209,2% e 109,07% respectivamente. Entre as marcas premium a Land Rover também merece destaque: foram 8.181 carros vendidos em 2011, 2.973 a mais do que em 2010. A Audi também aumentou as vendas com um aumento de 67,2%, com 5.461 emplacamentos em 2011.

Por fim, a JAC estreou em 2011 no Brasil e já em seu primeiro abocanhou 0,65%. Parece pouco, mas cada ponto percentual equivale 36 mil unidades vendidas por ano, o mesmo que vendeu sozinho o Hyundai i30, hatch médio que lidera seu segmento.

Assine a newsletter semanal do AUTOO!