O que estraga a bateria do carro? Entenda como ela funciona e veja alguns sinais

Vital para a partida do veículo, ela perde capacidade de carga com o tempo e pode deixar o motorista na mão
Veja como evitar problemas com a bateria de seu carro

Veja como evitar problemas com a bateria de seu carro | Imagem: Pixabay

A bateria do carro é um item cuja existência costuma ser lembrada somente quando ela deixa o motorista na mão.

Isso geralmente acontece na hora de dar a partida no veículo e ele parece não ter força suficiente para ligar. Ou então quando os faróis são deixados ligados durante toda a noite e descarregam totalmente a bateria. 

O segundo cenário não significa que a bateria está completamente condenada, mas o primeiro é um sinal claro de que algo não vai bem.

Na maioria dos carros atuais, a bateria ainda é usada exclusivamente para a partida. Dessa forma, o principal indicador de que a bateria não está adequada é percebida nesse momento, quando a partida do motor se torna difícil, onde o motor de partida não consegue produzir rotação suficiente para colocar o propulsor a combustão em funcionamento”, explica o engenheiro e professor do Centro Universitário FEI, Fabio Delatore. 

Delatore comenta que, embora este seja o sinal mais claro de que há um problema com a bateria, nem sempre outros indícios são notados antes dela falhar.

Existem situações em que a bateria não apresenta nenhum indício de estar no fim de vida, por estar com o fornecimento de energia adequado para a partida, e simplesmente, de um dia para o outro, ela não é mais capaz de colocar o carro em funcionamento”, conta o engenheiro.  

O que acontece?

As baterias tradicionais de 12V, e que equipam a maioria dos carros, são feitas de placas de chumbo e ácido.

A combinação desses dois materiais acaba gerando a energia necessária para o funcionamento do equipamento. Porém, com o passar dos anos, esse processo acaba degradando a bateria, fazendo com que ela deixe de oferecer suporte para a partida nos veículos.

Hoje, mesmo nos carros simples, há um sistema elétrico mais complexo do que o oferecido por alguns automóveis de 30, 40 anos atrás. Além de suprir a quantidade de energia da partida, a bateria precisa dar conta de todos os acessórios que existem hoje. Por isso elas foram redimensionadas e estão maiores”, afirma o engenheiro mecânico do Instituto Mauá de Tecnologia, Clayton Zabeu.

Veja como evitar problemas com a bateria de seu carro
Veja como evitar problemas com a bateria de seu carro
Imagem: Pixabay

De acordo com Zabeu, mesmo com toda essa maior capacidade, as baterias continuam sofrendo basicamente com o mesmo problema. “Existem dois tipos de falhas nas baterias, sendo que ambas causam a sulfatação. Com o passar do tempo, as reações químicas da própria bateria vão gerando sulfatos, que são resíduos gerados no processo. Eles começam a colar na superfície das placas e passam a isolar esses componentes”, explica o engenheiro. 

É um processo natural, mas há fatores que o aceleram. Um exemplo é quem deixa o som ligado até a bateria quase descarregar, liga o carro para carregá-la e depois deixa a carga quase acabar novamente. Esse ciclo de carga e descarga muito agressivo acelera a sulfatação. Já a outra falha é ao contrário, quando o proprietário deixa o veículo parado por muito tempo. Com isso, a bateria não é carregada de maneira suficiente e ela começa a separar a concentração de ácido dentro do eletrólito, deixando o ácido mais abaixo da bateria e menos em cima, o que também causa a sulfatação, mas por ausência de carga. Afinal, bateria que fica muito tempo sem usar acaba sendo perdida”, complementa Zabeu.

Testes controlados

De acordo com Fabio Delatore, professor de engenharia elétrica e automotiva da FEI, uma bateria automotiva dura, em média, três anos. Por isso, caso a peça de seu veículo tenha mais ou menos esse tempo de vida, é preciso acender o sinal de alerta, principalmente se falhas na partida estão sendo notadas. 

Clayton Zabeu, do Instituto Mauá de Tecnologia, sugere que os motoristas façam um teste simples em alguma oficina especializada.

Uma forma de saber se a bateria está ruim é ir até um local para ser feito o teste de descarga controlada. Nesse caso, o profissional coloca um dissipador de energia entre os bornes da bateria e que vai simular uma descarga. Ele mede a tensão e caso caia para 10V, 9,5V, é sinal de que a peça está condenada e próxima de se isolar de uma vez, o que impediria até mesmo a partida do carro”, afirma.

Outros problemas

Caso a bateria seja nova, ou até mesmo trocada recentemente, e o motorista tenha problemas para ligar o carro, é preciso ficar atento se o problema não é em outra parte do sistema elétrico.

Um caso que é comum e simples de ser solucionado é a formação de zinabre nos bornes das baterias. Caso haja uma espécie de sal neles, basta limpá-los com água para eliminar este problema. O zinabre é um isolante elétrico e impede a condução da corrente. Outro problema pode ser nas escovas do motor de partida, que se desgastam e não seriam capazes de produzir a corrente necessária”, explica Zabeu.

No entanto, Zabeu alerta que há uma diferença importante entre um problema elétrico e um na bateria. “Se é um problema de isolamento ou no alternador, o carro não pega de primeira. No caso da bateria, ele vai piorando aos poucos. Então você chega em sua casa com o carro, em um cenário que ela estaria carregada por completo, desliga o motor e liga novamente. E repete o processo algumas vezes. Se na terceira ou quarta vez o motor começar a ter dificuldades é porque o problema está na bateria, e não em outros componentes”, finaliza.

Portanto se seu carro já está há muito tempo com a mesma bateria, se a partida está cada vez difícil ou se o veículo ficou parado por um longo período, o ideal é verificar com um profissional se não é melhor realizar a troca. Assim ninguém fica a pé por conta de uma peça tão simples e fácil de ser substituída, mas que é fundamental para o bom funcionamento do carro.

Veja como evitar problemas com a bateria de seu carro
Veja como evitar problemas com a bateria de seu carro
Imagem: Pixabay