Volkswagen Virtus 2018 tem preços a partir de R$ 60 mil

Novo sedã compacto começará a ser vendido nos próximos dias com motores 1.6 aspirado e 1.0 turbo além de câmbio manual e automático de seis marchas
Volkswagen Virtus 2019

Volkswagen Virtus 2019 | Imagem: Divulgação

Um sedã compacto com pinta de médio. Assim é o Virtus, que a Volkswagen apresenta à imprensa especializada nesta segunda-feira (22) em São Paulo. Como o Autoo antecipou, o novo sedã não será vendido com motor 1.0 aspirado – em vez disso, ele começa com o 1.6 16V MSI e câmbio manual. Essa versão de entrada custará R$ 59.990, R$ 2.800 a mais que o Chevrolet Prisma LT 1.4 manual, principal rival e líder do mercado.

Apesar da expectativa, a Volks não incluiu o Virtus 1.6 automático, que poderia ocupar um nicho importante entre a versão 1.6 (117 cv e 16,5 kgfm de torque) e as versões mais sofisticadas. É uma pena porque o Virtus já vem bem equipado de série. Ele traz direção elétrica, ajuste de altura do banco, ar-condicionado, vidros elétricos nas quatro portas, rádio Media Plus com Bluetooth além de computador de bordo. Na parte de segurança, o Virtus sai de fábrica com quatro airbags, assim como o Polo, além de sistema Isofix para cadeirinhas infantis. Como opcionais é possível adquirir dois pacotes, um que inclui a central multimídia CompositionTouch, volante multifuncional, controle de estabilidade e rodas de liga leve de 15 polegadas. O segundo pacote traz apenas o controle de estabilidade e tração.

Mas se você tem quase R$ 14,5 mil a mais na conta bancária é possível migrar para a versão Comfortline automática que utiliza o motor 1.0 TSI de 128 cv de potência e 20,4 kgfm de torque. O Virtus Comfortline sai por  R$ 73.490 e sai da concessionária com vários itens que na 1.6 são opcionais: controle de estabilidade, central multimídia Composition Touch com tela de 6,5”, volante multifuncional com comandos de voz e faróis de neblina, rodas de liga leve de 15 polegadas, mas também painéis do interior em cinza e preto, volante com regulagem de altura e distância, descansa braço central, banco traseiro bipartido retrovisores elétricos, sensor de estacionamento e lanternas escurecidas.

Mas há equipamentos opcionais também como chave de partida remota, controle de cruzeiro, sensor de estacionamento dianteiro, retrovisor eletrocrômico, paddle-shifts e rodas de liga aro 16. No pacote mais exclusivo é possível equipar o Virtus com ar-condicionado digital, câmera de ré, sistema de pré-frenagem automática, sensor de chuva e crepuscular e até o detector de fadiga, aquele famos símbolo de cafezinho que lhe sugere dar uma parada para “acordar”.

Porte de sedã médio

A versão Highline 200 TSI praticamente transforma o Virtus num sedã médio, inclusive pelo preço de R$ 79.990. Além de vir equipado com quase tudo que é opcional no Comfortline, o Highline tem como diferenciais os faróis de neblina com o sistema “cornering lights” que ilumina o piso em curvas, luz diurna de LEDs e porta-luvas refrigerado.

Apesar disso, a Volkswagen ainda mantém o costume ruim de deixar apenas como opcionais alguns equipamentos exclusivos como o painel de instrumentos Active Info Display, 100% digital, e a central Discovery Media com 8 polegadas. O Virtus Highline custa bem mais que o Prisma 1.4 LTZ automático, mas traz bem mais que o Chevrolet oferece. São, no entanto, praticamente R$ 10 mil de diferença.

Design bem resolvido

Ao menos num ponto, o Virtus já começa com o pé direito, no design. O estilo elegante e esportivo ficou muito bom e o fato de o sedã ter o entre-eixos de generosos 2,65 o coloca num patamar que vai incomodar muita gente do andar de cima. Pegue-se o exemplo do Honda City, que vai trazer novidades em fevereiro já prevendo a chegada de concorrentes. O Virtus é maior que ele e quase tem o mesmo porta-malas (521 litros contra 536 litros incluindo um compartimento interno). Só que o Honda tem preços que vão de R$ 75,7 mil a R$ 81,4 mil e isso na linha 2017.

Confira a avaliação do Autoo com o Volkswagen Virtus 2019 nesta semana.

Assine a newsletter semanal do AUTOO!