Ricardo Meier

Comenta o mercado de vendas de automóveis e tendências sustentáveis

China vendeu 100 vezes mais carros elétricos que o Brasil

Em 2021, foram 3,52 milhões de unidades, número 80% maior que a soma de todos os veículos leves emplacados no Brasil no ano passado, poluentes ou não

O Brasil terminou 2021 com o recorde de 35 mil carros eletrificados, soma de modelos puramente elétricos com híbridos. Trata-se de um aumento expressivo de 77% em relação a 2020, quando haviam sido emplacados 19,7 mil unidades, segundo a ABVE, entidade que representa o setor.

Parece algo sensacional e um sinal de que nosso país entrou de cabeça na mudança da matriz energética nesse aspecto, mas basta um breve olhar para a China para constatarmos que estamos bem atrasados.

O mercado de veículos chinês é o maior do mundo há tempos, mas a presença de modelos eletrificados é ainda mais impressionante. Segundo números divulgados pela indústria, foram vendidos nada menos que 3,52 milhões de elétricos puros e híbridos no país no ano passado ou 100 vezes nossa marca.

São 79% mais unidades que o Brasil emplacou em todas as categorias de veículos leves, incluindo obviamente os movidos a combustão. O incremento de 2020 para 2021 foi de 158% ou o dobro do Brasil.

Soma da Fiat, Jeep e Citroën

Só a BYD, líder entre os elétricos, vendeu mais de 600 mil NEVs (New Energy Vehicles, ou Novos Veículos de Energia, como são chamados na China). São tantos carros que é preciso somar as vendas da Fiat, Jeep e Citroën para chegar ao mesmo patamar no Brasil.

Proporcionalmente, os elétricos representaram 13,4% de todas as vendas de automóveis no gigante asiático, ou seja, há muito o que avançar ainda, mas nada comparado ao nosso país, onde os 35 mil elétricos de 2021 tiveram uma participação de míseros 1,8% dos emplacamentos.

XPeng P7 2022
XPeng P7 2022
Imagem: Divulgação

Números tão superlativos têm um fator extra: a China não está introduzindo veículos elétricos pelo “topo”, quer dizer, carros de luxo que possuem uma clientela que pode bancar seu elevado preço (por enquanto). Lá a opção pelo veículo não poluente também está à disposição do consumidor comum.

Elétrico popular

Não é por menos que o modelo elétrico mais vendido é o Wuling Mini EV, um pequeno carro urbano com preço de cerca de R$ 30 mil.

Quase 400 mil desses carrinhos elétricos foram vendidos no ano passado, sobretudo para um público formado por mulheres com menos de 35 anos. Mas há espaço para os famosos Tesla e os novos ID, da Volkswagen, assim como produtos chineses de startups como a NIO e a XPENG, como mostrou o site Autocar.

E se você ficou chocado com os números do ano passado, saiba que as previsões da “Anfavea” chinesa, a CPCA, são de que as vendas de elétricos devem beirar 6 milhões de unidades em 2022. Isso, claro, se não faltarem componentes eletrônicos.

Wuling Hong Guang MINI EV 2021
O MINI EV, carro elétrico mais popular da China: preço de R$ 30 mil
Imagem: Divulgação

Veja outras colunas

Atualizada, família Gol volta a ter vendas significativas

23/05/2022 07h10

Somados, Gol, Voyage e Saveiro já haviam emplacado mais de 6,6 mil unidades até a semana passada

Fabricantes chineses saem na frente na eletrificação de carros no Brasil

09/05/2022 07h55

Marcas como GWM, CAOA Chery, BYD e JAC têm apostado em veículos elétricos enquanto rivais tradicionais ainda dão passos tímidos nesse sentido

Em entressafra, Volkswagen fecha abril apenas na 6ª colocação em vendas

03/05/2022 08h40

Marca alemã teve menos de 10 mil emplacamentos no mês passado e pode perder 5ª posição para a Jeep