Pode parecer algo distante da realidade dos consumidores, mas a venda Magnetti Marelli para o grupo japonês Calsonic Kansei pode no futuro influenciar em como seu veículo será equipado, independentemente da marca.

Parte da FCA, a Magnetti Marelli é um dos maiores fornecedores de componentes e autopeças do mundo e já estava sendo negociada há bastante tempo. O acordo, anunciado nesta segunda-feira (22), renderá à montadora nada menos que 6,2 bilhões de euros, mais de R$ 26 bilhões.

A FCA, holding que reúne a Fiat e a Chrysler, está reestrurando toda sua operação para focar nas marcas rentáveis e a Magnetti Marelli, embora uma parceira nos projetos de vários carros, era considerada desnecessária nessa nova estrutura.

Rebatizada como Magneti Marelli CK Holdings, a nova empresa, no entanto, continuará como principal fornecedora da FCA: “O negócio combinado continuará sendo um dos parceiros de negócios mais importantes da FCA e gostaríamos de ver esse relacionamento crescer ainda mais no futuro”, afirmou Mike Manley, sucessor do falecido Sergio Marchionne como CEO da FCA.

Apesar da promessa, é natural que a nova Magnetti Marelli passe a buscar novos clientes e parceiros no mercado mundial em vez de focar sua atuação em amparar a Fiat. A independência, no entanto, também pode refletir em novos investimentos em tecnologias que passarão a equipar os carros das próximas décadas, incluindo os produzidos e vendidos no Brasil onde ela tem uma presença muito grande.

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO, é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier | http://www.jcceditorial.com.br/