Nova geração do Citroën C3 nacional estreia em 2021, adianta revista

Modelo será fruto do investimento da PSA em sua unidade de Porto Real (RJ)
Citroën C3 2018

Citroën C3 2018 | Imagem: Divulgação

A revista Autoesporte apurou informações relevantes envolvendo a futura gama Citroën aqui no Brasil. A PSA, conglomerado francês responsável pela marca, anunciou recentemente um investimento de R$ 220 milhões para modernizar sua fábrica de Porto Real (RJ), nacionalizando a plataforma modular CMP, uma das mais modernas da fabricante e destinada a veículos compactos.

Segundo relata a Autoesporte, o montante não será destinado para a nacionalização da futura geração do C3 europeu, como ocorrerá com o Peugeot 208 na Argentina. O sucessor do Citroën C3 nacional vai tomar um caminho completamente diferente do modelo europeu, tornando-se um modelo bem mais acessível. A revista cita como exemplo que o projeto do novo C3 vai se orientar, no que diz respeito ao preço, com os valores atualmente praticados para o Renault Kwid. Portanto, tudo leva a crer que a Citroën vai assumir uma postura bem agressiva no mercado em termos de custo-benefício.

Hoje em dia o Citroën C3 vendido no Brasil é um modelo que já mostra-se defasado demais em relação aos principais concorrentes e precisa de uma renovação urgente. A previsão, de acordo com a Autoesporte, é que a nova geração do C3 nacional seja lançada no começo do segundo semestre de 2021.

Outro ponto interessante é que a Citroën também trabalha em um sucessor para o Aircross, que deverá posicionar a marca entre os SUVs compactos. A novidade estreia um ano depois do novo C3, portanto em 2022.

Desenvolvidos em parceria com a indiana Tata, país que ganhou uma atenção especial da PSA nos últimos meses, tanto o novo C3 quanto o sucessor do Aircross são focados para atender mercados emergentes, portanto com soluções específicas para redução de custos e contemplando características comuns e valorizadas pelos consumidores desses mercados, como o amplo espaço interno e um bom porta-malas, atributos que nem sempre estão presentes em automóveis europeus, onde o design e um bom pacote de tecnologia acabam sendo mais valorizados. Tudo isso, entretanto, acaba elevando demais os preços dos automóveis, por isso muitas vezes as fabricantes precisam trabalhar em soluções regionais. 

De qualquer forma, ao serem baseados na plataforma CMP, podemos esperar um bom nível de segurança e boa qualidade dinâmica para as duas novidades.

A motorização dos novos C3 e Aircross não deverá ser muito diferente do que estará disponível na nova geração do Peugeot 208 fabricada na Argentina para abastecer o mercado regional. Estamos falando, no caso, do propulsor 1.2 aspirado com câmbio manual nas versões de entrada, 1.6 aspirado com câmbio automático nas versões intermediárias, e 1.2 turbo com câmbio automático nas versões de topo de linha. Tudo isso a conferir em uma época mais próxima da apresentação da dupla.

Citroën C3 2018
Interior do Citroën C3 nacional: modelo atual mostra-se defasado frente aos concorrentes 
Imagem: Divulgação

Assine a newsletter semanal do AUTOO!