Parceria entre Renault-Nissan e Daimler está ameaçada

Prisão de Ghosn e aposentadoria do atual presidente da Daimler trará mudanças ao acordo
Mercedes-Benz Classe X 2018

Mercedes-Benz Classe X 2018 | Imagem: Divulgação

Parece que a parceria entre a Daimler, responsável pela marca Mercedes-Benz, e a aliança Renault-Nissan corre o risco de ser revista ou até mesmo cancelada em breve. Isso ocorre em grande parte por mudanças relevantes no comando dos dois conglomerados. O atual presidente do conselho administrativo da Daimler, Dieter Zetsche, vai se retirar da companhia ainda neste ano. Já Carlos Ghosn, que foi preso no Japão depois de escândalos fiscais, era presidente do grupo Renault-Nissan quando os dois realizaram o acordo de cooperação entre as diferentes empresas.

Se a parceria entre as gigantes do setor automotivo for mesmo desfeita, um projeto relevante, no caso a picape média Mercedes-Benz Classe X é um dos veículos que passa a ter futuro incerto. A Mercedes embarcou nessa parceria pois queria poupar tempo e dinheiro durante o desenvolvimento de uma picape, além de poder antecipar a entrada da marca em segmento tão disputado, aproveitando-se, por conta disso, da expertise da japonesa Nissan na produção de veículos do tipo. A fabricante alemã, contudo, alega que as vendas não estão de acordo com as expectativas e que está perdendo dinheiro com o modelo.

Com isso, é bem possível que no médio prazo as duas picapes, no caso a Classe X e Frontier, deverão seguir caminhos diferentes em suas próximas gerações (se a Mercedes desejar continuar investindo na Classe X...).

Esse eventual rompimento não deverá ficar restrito às picapes uma vez que, ao longo dos últimos ano, as marcas da Daimler e da Renault-Nissan desenvolveram vários projetos em conjunto como é o caso do Mercedes-Benz GLA e do Infiniti QX30, além das vans Mercedes-Benz Citan e da nova geração do Renault Kangoo, por exemplo. 

Em entrevista exclusiva para a publicação alemã Manager Magazin, o futuro chefe da Daimler, Ola Källenius, afirmou que a "cooperação chegará ao fim porque quase todos os negócios em comum (com a Renault-Nissan) estão no vermelho."

Contudo, a Nissan vai continuar produzindo a Classe X em sua fábrica na Espanha para a Mercedes-Benz até chegar o momento de renovar a atual Frontier, o que deve acontecer em quatro anos.

E, por falar na Espanha, novas unidades da Classe X foram importadas para a Argentina, indicando que a produção no país de Messi não deve começar tão cedo. Algo que deve abalar bem as perspectivas de investimentos aqui na América do Sul. Além disso, a Renault Alaskan também não tem previsão de chegar ao mercado brasileiro e também segue importada da Espanha para alguns mercados de nossa região. O país europeu abriga a produção das três picapes (Classe X, Alaskan e Frontier). Com isso, a fábrica de Córdoba (Argentina), apesar do investimento de US$ 600 milhões, não produzirá os novos modelos a curto prazo, apesar da Nissan Frontier ser o único produto produzido por lá até o momento. Vamos esperar mais alguns meses para sabermos se tudo isso vai afetar o lançamento da Mercedes-Benz Classe X aqui no Brasil bem como da Renault Alaskan.  

Renault Alaskan 2017
Renault Alaskan 2017
Imagem: Divulgação

Assine a newsletter semanal do AUTOO!