Renault Duster completa 10 anos no Brasil; SUV terá novidade em breve

Modelo atualmente é comercializado em mais de 65 países
Renault Duster nacional em sua primeira geração

Renault Duster nacional em sua primeira geração | Imagem: Divulgação

A Renault comemora neste mês um feito importante no mercado brasileiro: o Duster alcança 10 anos de comercialização no país.

Podendo ser apontado como o primeiro rival direto para o Ford EcoSport, que, até então, reinava sem concorrentes no segmento de SUVs compactos, o Duster já soma mais de 319 mil unidades vendidas no Brasil desde sua estreia em outubro de 2011.

Interessante pontuar que, no mundo, o Duster alcançou o feito de 3.5 milhões de unidades comercializadas em mais de 65 países.

O Duster é um modelo importantíssimo para a Renault no Brasil e no mundo, pois oferece ao consumidor robustez, versatilidade e espaço interno, com o maior porta-malas da categoria”, analisa Ricardo Gondo, presidente da Renault do Brasil, em comunicado. 

Entre os feitos relevantes do Renault Duster por aqui, em 2012 o SUV já superava as 40 mil unidades comercializadas, sendo que, no ano seguinte, o SUV já alcançava os 100 mil veículos produzidos no país, destaca a fabricante.  

Em 2014, o modelo ultrapassou 1 milhão de unidades fabricadas no mundo, quando alcançou mais de 100 mercados globais. 

Aqui no Brasil, o Duster é produzido na Curitiba Veículos de Passeio (CVP), nome dado pela Renault para sua fábrica localizada no Complexo Industrial Ayrton Senna, em Curitiba (PR).

Em sua primeira geração, o modelo teve diversas versões disponíveis, bem como opções de tração 4x2 e 4x4, além de séries especiais com enfoque em tecnologia e design. 

Em 2015, o Duster de primeira geração inaugurou um necessário facelift e passou a adotar novos faróis e lanternas, grade dianteira revista e, na parte interna, uma desejável melhora na ergonomia, bem como um console central redesenhado, quadro de instrumentos inédito e mais equipamentos. 

Pouco antes da eclosão da pandemia da Covid-19 no começo de 2020, a Renault lançou no Brasil a nova geração do Duster, inaugurando a linha 2021 do modelo. 

Preservando a plataforma, o SUV trouxe novo design externo, melhorias profundas no painel e acabamento, além de receber tecnologias como o monitoramento de pontos cegos e sistema de câmeras ao redor do veículo em seu catálogo topo de linha. 

Duster turbo 

Atualmente o Renault Duster nacional é comercializado somente com motor 1.6 SCe, que entrega até 120 cv e 16,2 kgfm de torque. 

Como já amplamente difundido nos bastidores, a Renault deverá lançar por volta do começo do ano que vem a linha 2023 do SUV incorporando o avançado motor 1.3 TCe ao leque de opções do Duster nacional. 

Segundo apuração do Autos Segredos, o propulsor 1.3 turbo com injeção direta deverá ser oferecido somente no catálogo topo de linha Iconic e seu preço poderá gravitar em torno dos R$ 120 mil. 

A potência deve seguir a calibração realizada para o novo Captur, portanto com até 170 cv e 27,5 kgfm de torque quando abastecido com etanol.  

O câmbio deverá ser o automático CVT, enquanto resta a dúvida se o Duster 1.3 TCe vai oferecer sistema de tração integral, como ocorre na Rússia. 

As versões com motorização 1.6 SCe, por sua vez, deverão ganhar sistema de aquecimento dos bicos injetores para substituir o tanquinho de gasolina para partida a frio. 

Atualmente o Duster Iconic 1.6 SCe automático tem preço sugerido de R$ 115.290 e traz, como principais itens de destaque, o já citado monitoramento de pontos cegos, rodas de liga leve aro 17”, chave presencial, revestimento interno especial, central multimídia com tela de 8”, sensor de estacionamento, entre outros itens. A provável configuração Iconic 1.3 TCe deverá preservar a mesma lista de itens de série.

Renault Duster 2021
Renault Duster na versão Iconic: cotada para receber o motor 1.3 turbo
Imagem: Divulgação