Ricardo Meier

Comenta o mercado de vendas de automóveis e tendências sustentáveis

Veja como o Honda City cresceu em 12 anos no Brasil

Sedã chega à terceira geração nacional mais encorpado e sofisticado, mas ainda longe do Civic

Era julho de 2009 e a Honda havia decidido ampliar seu portfólio no Brasil. Em vez de alguma categoria inédita, a montadora optou por reforçar o segmento de sedãs com o City, um desdobramento do Fit focado em países em desenvolvimento.

Naquela época, a marca japonesa fazia sucesso com o New Civic, geração que rompeu com o ar sonolento dos sedãs e roubou até mercado de hatches médios. Portanto, o City seria também uma resposta aos consumidores mais conservadores e que não haviam se interessado pelas ousadias do irmão maior.

Desde aquele tempo, a Honda já flertava com a ideia de tornar o City um modelo para ocupar parte do espaço do Civic, mas somente agora, 12 anos depois, o sedã recebeu essa árdua tarefa, ao menos nas versões de entrada.

Após lançar uma segunda geração por aqui no final de 2014, a Honda acaba de lançar a 3ª geração no Brasil, um carro mais sofisticado, espaçoso e ágil, como AUTOO mostrou na semana passada.

Honda City 2013
Honda City 2013
Imagem: Divulgação

Mas fica a pergunta: quanto o City evoluiu nesse período?

Em termos físicos, pouca coisa. Entre o primeiro e o atual City, houve sobretudo uma expansão lateral, com uma largura que pulou de 1,70 m para 1,75 m. O sedã também está ligeiramente mais longo e mais baixo enquanto o entreeixos de 2,6 m foi preservador em relação ao modelo intermediário.

O Honda também conseguiu manter-se numa faixa de peso semelhante nesse tempo todo. Se o EXL de 2009 media 1.137 kg na balança, o Touring 2022 só é 43 kg mais pesado.

Outro ponto, no entanto, acabou retrocedendo. Uma das propostas originais do City era o porta-malas bastante espaçoso, de 506 litros. A segunda geração nacional ampliou esse volume para 536 litros, mas agora o sedã perdeu um pouco de espaço, com 519 litros. Vale dizer que ele permanece entre os melhores da categoria, sem comprometer a estética.

  2010 2016 2022 Civic
Comprimento 4,4 m 4,455 m 4,549 m 4,637 m
Largura 1,695 m 1,695 m 1,748 m 1,799 m
Altura 1,48 m 1,485 m 1,477 m 1,433 m
Entreeixos 2,55 m 2,6 m 2,6 m 2,7 m
Peso em ordem de marcha 1137 kg 1125 kg 1170 kg 1290 kg
Potência 116 cv a 6000 rpm 116 cv a 6000 rpm 126 cv a 6200 rpm 155 cv a 6300 rpm
Torque 14,8 kgfm a 4800 rpm 15,3 kgfm a 4800 rpm 15,8 kgfm a 4600 rpm 19,5 kgfm a 4800 rpm
Porta-malas 506 litros 536 litros 519 litros 519 litros
Rodas Aro 16 pol Aro 16 pol Aro 16 pol Aro 17 pol

A parte mecânica teve pequenas mas positivas mudanças, embora mantendo um motor 1.5 litro. Mas ele agora rende 126 cv, 10 cv a mais que há 12 anos, além de ser mais econômico e de respostas mais ágeis, graças à injeção direta.

A transmissão, por sua vez, é do tipo CVT, como na geração do meio – originalmente o City tinha câmbio automático convencional.

À parte isso, o sedã compacto mostra-se ainda distante do Civic, um carro maior, mais potente e refinado, com direito à suspensão independente nas quatro rodas, por exemplo. Mas como o segmento médio está em extinção (ou quase isso), não será surpresa se o novo City viver seu melhor momento no país. Até hoje, o ano mais promissor para o modelo foi o de 2010, portanto, há muito tempo.

Honda City 2017
Honda City 2017
Imagem: Divulgação

Veja outras colunas

Kia registra patente do novo Sportage europeu no Brasil

25/01/2022 07h15

SUV que começa a ser vendido no Velho Continente é menor que modelo destinado aos EUA. Versão híbrida utiliza motor 1.6 turbo que atua junto a propulsor elétrico

Onix de volta à liderança em 2022? Ainda não

20/01/2022 08h20

No início de janeiro, a Strada e os SUVs Renegade e Compass estão no topo de ranking de vendas enquanto o Peugeot 2008 já superou vendas de dezembro

China vendeu 100 vezes mais carros elétricos que o Brasil

17/01/2022 12h30

Em 2021, foram 3,52 milhões de unidades, número 80% maior que a soma de todos os veículos leves emplacados no Brasil no ano passado, poluentes ou não