Veja os carros que podem ter sobrevida com o adiamento da lei do airbag e ABS

Além da veterana Kombi, os antigos populares serão os principais beneficiados pela mudança pleiteada pelo ministro Mantega

Projetos antiquados devem seguir no mercado pelo menos até 2016 | Imagem: AUTOO

A "virada de mesa" planejada pelo ministro Guido Mantega ao sugerir que a lei que obriga o ABS e o airbag duplo nos carros vendidos no Brasil seja adiada para 2016 deve dar sobrevida a uma série de veículos que já estavam condenados pelos seus fabricantes.

O modelo mais notório é a Kombi, que está no mercado há mais de 60 anos sem grande evolução. O utilitário não tem similar e vende bem até hoje, porém, não pode ser adaptado para receber as bolsas infláveis e o auxílio de frenagem. A Volkswagen, inclusive, utilizou a aposentadoria do veículo para uma saudosa campanha de marketing de despedida. Até uma série especial foi lançada com ampla procura e preço nas alturas. Agora, a Kombi “Last Edition” virou piada nas redes sociais.

Outro que já se prepara para sair de cena é o Mille. O veículo mais barato da Fiat está no mercado desde 1984, em parte graças à modernidade do produto na época do lançamento. A marca italiana, no entanto, ainda não conseguiu preparar um sucessor, que só deve chegar em 2015. Enquanto isso, planeja lançar uma versão simples do Palio Fire para os órfãos do velho Uno.

Embora não tenha anunciado, a Volks também deveria encerrar a produção do Gol G4, equivalente ao Mille em sua linha, que ainda utiliza a mesma arquitetura do primeiro Gol, de 1980. Mas esse, a princípio, já tem um sucessor natural, o up!, previsto para lançamento em janeiro.

Mais caros

Outros modelos, no entanto, podem receber os dois itens de segurança, mas custariam mais, o que inviabilizaria sua produção por um tempo muito longo. A GM, por exemplo, já oferece o Celta e o Classic com esses equipamentos, assim como a Ford no Fiesta Rocam. Este último e mais o atual Ka devem encerrar a produção em breve porque serão substituídos pelo novo Ka no começo de 2014.

Mas mais importante que a modernização dos veículos vendidos no Brasil é saber que em 2014 quem adquirisse um modelo zero km estaria mais seguro no dia a dia. Os airbags duplos têm um papel passivo na segurança porque evitam lesões mais graves nos ocupantes em caso de colisões. Já os freios com sistema ABS são considerados de segurança ativa, ou seja, impedem que um acidente ocorra, por exemplo, numa frenagem no asfalto molhado.

Difícil será o governo explicar para os familiares de vítimas no trânsito porque seus veículos novos não trazem os dois equipamentos que poderiam ter evitado um desfecho trágico.

Assine a newsletter semanal do AUTOO!