Enquanto aqui no Brasil o Volkswagen Golf patina nos números de venda e pode até ter a sua fabricação no Brasil revista devido ao crescimento da procura por SUVs, pelo menos na Europa a marca já trabalha para entregar no fim de 2019 o Golf mais avançado produzido até o momento.

Para o projeto da oitava geração do hatch médio, a Volkswagen destinou nada menos do que 1,8 bilhão de euros, ou pouco mais de R$ 7 bilhões, para rechear o Golf VIII com muitos equipamentos de conectividade, segurança e condução autônoma.

O investimento é mais do que justificado uma vez que o Golf ainda é um modelo muito relevante no panorama do Velho Continente, se mantendo firme como o carro mais vendido na Europa.

“Com uma série de recursos condução autônoma, a próxima geração do Golf vai liderar a marca Volkswagen na era dos carros completamente conectados. Ele estará sempre online e servirá como uma referência em segurança e conectividade com um painel e comandos totalmente digitais e uma série de sistemas de assistência a condução”, explicou Karlheinz Hell, responsável pela gama de carros compactos da linha Volkswagen.

Fato é que, pelo menos na Europa, o Golf em sua oitava geração viverá uma realidade bem singular no terreno onde está acostumado a ser o líder. A próxima geração, que deverá ser apresentada por volta do fim de 2019 como linha 2020, passará a conviver com os modelos da nova submarca de elétricos I.D. criada pela própria Volkswagen para ajudar na difusão da tecnologia e se posicionar como uma das marcas à frente da revolução dos carros elétricos. O primeiro produto da gama I.D., um hatch/monovolume com tamanho similar ao do Golf, chegará ao mercado europeu com preço inclusive semelhante ao do atual Golf com motorização diesel.

Produzido na sede da Volkswagen em sua fábrica de Wolfsburg, o local soma mais de 2 mil unidades do hatch fabricadas ao dia, o que nos dá ideia do tamanho da participação do Golf na Europa. De janeiro a novembro de 2017, foram emplacadas 444.226 unidades por lá, número que supera com folga as 296.856 unidades registradas do Renault Clio no mesmo período. Mesmo assim, as vendas do Golf na Europa registraram uma queda de 2% no período, um sinal de que nem o modelo está imune à “onda SUV” que afeta os principais mercados ao redor do mundo.

Aqui no Brasil, a Volkswagen já confirmou que teremos no curto prazo as versões híbrida e elétrica do hatch, respectivamente a GTE e o e-Golf. O facelift do modelo, que já circula há um bom tempo na Europa, foi prometido para este ano no Brasil. Resta saber se o futuro Golf 2020, estreando a oitava geração de um dos modelos mais consagrados do mundo, seguirá produzida no Brasil devido ao alto grau tecnológico que deverá entregar. Pelo visto, as perspectivas recaem muito mais para um redirecionamento dos investimentos da Volkswagen no Brasil para SUVs e picapes do que insistir na produção de modelos de médio porte localmente.

 
 
Volkswagen e-Golf 2017
 
Volkswagen e-Golf 2017
Volkswagen e-Golf 2017
Volkswagen e-Golf 2017
 
Volkswagen e-Golf 2017
Volkswagen e-Golf 2017
Volkswagen e-Golf 2017
 
Volkswagen e-Golf 2017
Volkswagen e-Golf 2017
Volkswagen e-Golf 2017
 
Volkswagen e-Golf 2017
Volkswagen e-Golf 2017
Volkswagen e-Golf 2017
 
Volkswagen e-Golf 2017
Volkswagen e-Golf 2017
Volkswagen e-Golf 2017
 
Volkswagen e-Golf 2017
Volkswagen e-Golf 2017
 
 
César Tizo

O "Guru dos Carros", César Tizo se juntou ao time este ano e está à frente dos portais AUTOO e MOTOO. É o expert em aconselhar a compra de automóveis

César Tizo | http://www.jcceditorial.com.br/