Assim como Onix e Onix Plus, novo Tracker deve impactar seu segmento

Chevrolet prepara uma linha competitiva entre os compactos; saiba mais
Chevrolet Tracker 2020

Chevrolet Tracker 2020 | Imagem: Divulgação

Aos poucos vai ficando claro que a GM deverá repetir o feito com o Onix e Onix Plus entre os hatches e sedans compactos agora também entre uma das categorias mais disputadas do momento: os SUVs posicionados na faixa de R$ 70.000 a R$ 110.000 com a nova geração do Tracker.

Tomando como base os valores bastante agressivos com que a GM posicionou a dupla Onix e Onix Plus, é esperado que a mesma estratégia comercial também seja aplicada ao Tracker. A novidade é esperada para chegar ao mercado ainda nos primeiros meses de 2020, portanto vale a pena aguardar um pouco caso você esteja pesquisando um SUV compacto e não tem tanta urgência na compra.

Apesar do bom conjunto mecânico que oferece atualmente, com motor 1.4 turbo e câmbio automático de 6 marchas, o Tracker não faz muito sucesso na categoria em especial pela cabine acanhada e o porta-malas com apenas 306 litros de capacidade, algo que afasta o público familiar do modelo.

A nova geração do Tracker, ao menos pelo que constatamos do modelo chinês, trará uma concepção totalmente nova e promete atender com mais tranquilidade os clientes que desejam um SUV compacto com um pouco mais de espaço interno.

Agora baseado na mesma arquitetura GEM, que sustenta os projetos de Onix e Onix Plus, o Tracker em sua nova geração revelada na China conta com 4,27 m de comprimento, 1,79 m de largura e 1,60 m de altura, além de um entre-eixos de 2,57 m. Por essas dimensões, em especial a largura mais avantajada, podemos esperar uma cabine confortável para 5 pessoas.

O porta-malas do SUV cresceu e agora passa para 390 litros. Se a capacidade não fará do Tracker 2021 o modelo com o maior compartimento entre os rivais, perdendo nesse quesito para o Hyundai Creta (431 litros) e o Honda HR-V (437 litros com motor 1.8 flex), ao menos o porta-malas do novo Tracker mostra-se maior do que o encontrado em modelos recentes como é o caso do VW T-Cross (373 litros) e do Citroën C4 Cactus (320 litros). Aliás, é interessante notar como os porta-malas dos SUVs compactos que estão chegando ao mercado estão se tornando cada vez menores, raramente superando os 400 litros e abrindo lugar para cabines cada vez mais espaçosas. Como as grandes montadoras realizam extensas pesquisas de público no desenvolvimento de um carro novo, certamente esse fato partiu das análises das demandas dos consumidores atuais.

Em termos de acabamento e design interno, como já foi antecipado na China, o novo Tracker segue à risca o que é visto hoje nos recém-lançados Onix e Onix Plus. Basicamente o SUV compacto compartilha com o sedan e o hatch o volante, saídas de ar, tela da central multimídia, comandos do sistema de climatização, alavanca de câmbio, bem como o carregador de smartphones por indução oferecido em versões específicas. Provavelmente a GM pode adotar padrões de revestimento de couro ou tecido específicos para o Tracker vendido aqui. O painel de instrumentos, com a pequena tela digital ao centro, também será o mesmo de Onix e Onix Plus.

Por atuar em uma faixa de mercado com preços mais elásticos, o novo Tracker deverá receber equipamentos mais caros, porém desejados por alguns consumidores do segmento, como o teto solar panorâmico. Como o Onix Premier e o Onix Plus Premier podem receber o alerta de pontos cegos e o assistente de condução, é natural esperar que o Tracker nas configurações mais caras também receba os assistentes de condução mais avançados.

Segundo apurado pelo site Autos Segredos, são esperadas seis versões para o novo Tracker no Brasil. Duas delas com motor 1.0 turbo, no caso a manual de entrada (com valor esperado na faixa de R$ 70.000 a R$ 75.000) e a LT automática (talvez entre R$ 75.000 e R$ 80.000). Em um modelo de porte semelhante ao Tracker, como é o caso do Onix Plus, o motor 1.0 turbo mostra desempenho plenamente satisfatório, o que deverá ser o caso.

Acima das versões citadas anteriormente, começam os catálogos com o propulsor 1.2 turbo sob o capô. A potência, nesse caso, deverá saltar para a casa dos 150 cv, semelhante ao que encontramos hoje em um Volkswagen T-Cross Highline com seu 1.4 TSI.

O motor 1.2 turbo deverá ser oferecido somente em conjunto com o câmbio automático de 6 marchas e a opção mais acessível deverá custar entre R$ 80.000 e R$ 85.000. Logo acima estarão o Tracker LT 1.2 Turbo (R$ 85.000-R$ 90.000), Tracker LTZ 1.2 Turbo (R$ 90.000-R$ 95.000) e, por fim, o topo de linha Tracker Premier 1.2 Turbo, com um preço, estimado pela equipe do Autoo, entre R$ 95.000 e R$ 100.000.

Se essa lógica de preços competitivos se confirmar e, somando tudo isso ao conjunto moderno e eficiente que o novo Tracker deverá entregar, teremos um modelo que promete mexer sensivelmente com a categoria.

As faixa de valores estimadas por nós parecem estar dentro do que a GM prepara para o Tracker, em especial considerando o reposicionamento recente do Equinox, que reduziu os valores do SUV médio.

Outro fator que parece reiterar o fato de que os preços do novo Tracker 2021 serão bastante competitivos é que, segundo notícias dos bastidores, a GM cogita a importação ao Brasil do Equinox 1.5 turbo, o qual poderia custar cerca de R$ 120.000 no país. Vamos conferir de perto as movimentações da GM e seguiremos noticiando aqui no Autoo. Acompanhe!

Acima detalhe do novo Chevrolet Tracker revelado na China
Acima detalhe do novo Chevrolet Tracker revelado na China
Imagem: Divulgação

Assine a newsletter semanal do AUTOO!