Parece que não é só na gama Jeep, com o estrondoso sucesso do Compass, que o time da FCA soube fazer uma leitura cirúrgica do mercado e, obviamente, saber entregar o que os consumidores brasileiros queriam.

Se não tem um SUV em sua linha, segmento que deverá ser atendido plenamente pela Jeep, a FCA resolveu brindar a linha Fiat com um modelo no mínimo original. Logo no início muita gente pensou que seria apenas uma grande aposta da marca italiana, mas logo após a estreia nas concessionárias em 2016, o mercado encontrou a Toro de braços abertos e calou muitos críticos a respeito da inédita picape. 

Renault e FCA travaram uma batalha ferrenha nos bastidores para inaugurar o segmento das picapes compactas-médias, como as classificamos aqui no Autoo, com a marca francesa tomando a dianteira com a estreia da Duster Oroch alguns meses antes nas concessionárias. Mas a Fiat Toro ainda contava com uma proposta um pouco mais diferente, se descolando da Duster Oroch até mesmo pelo tamanho. Enquanto a Toro alcança os 4,91 m de comprimento, a Oroch fica nos 4,69 m de um para-choque a outro. 

E se queria entregar um produto matador no Brasil, como se diz na gíria, a equipe da Fiat sabia que precisava começar pelo design. E a estratégia foi cumprida com perfeição. Adotando traços arrojados e robustos, com soluções interessantes como o conjunto óptico em dois níveis à la Citroën C4 Picasso, a Toro se diferenciou não só das picapes compactas e médias já disponíveis no mercado, como também entre os automóveis de uma maneira geral já existentes à época. 

Para pegar uma carona nos desejados SUVs (Sport Utility Vehicles), o pessoal de marketing da Fiat foi sagaz e tratou logo de classificar a picape como um “SUP”, ou seja, um Sport Utility Pick-up, utilizando as três letras mágicas para dizer que a Toro entregava a mesma posição de dirigir elevada que resultou no sucesso de modelos como Honda HR-V, Hyundai Creta e cia. Fato é que com sua suspensão independente nas quatro rodas, refinamentos de carro de passeio e bom nível de acabamento, a Toro entregava o que muita gente ansiava encontrar: uma picape com conforto e rodar suave, sem os pulos das picapes médias a cada imperfeição do piso. Soma-se a isso a possibilidade de levar até uma tonelada de carga na caçamba, a opção de motorização diesel e tração 4x4 e temos um carro perfeito para fisgar os bolsos de muitos brasileiros.

Só que não adiantaria nada ter tudo isso se o preço fosse elevado demais, e foi aí que a Fiat enxergou talvez aquela que fosse uma das brechas de mercado mais inexploradas até então. 

Apesar do preço convidativo da versão de entrada com motor 1.8 flex e câmbio automático, que durante o lançamento custava R$ 76.500 na série Opening Edition, o pulo do gato da Fiat Toro foi em sua versão topo de linha Volcano, com motor 2.0 turbodiesel, tração 4x4 e câmbio automático de 9 marchas. Ela chegou às lojas na época, em fevereiro de 2016, tabelada em R$ 116.500.

Com isso, muita gente que tinha esse dinheiro e só poderia levar uma picape média básica para casa, viu na estreante da Fiat a possibilidade de levar um modelo completo, com o desejado conjunto mecânico, por um valor próximo. Foi o suficiente para que muita gente migrasse de vez para a Toro.

Claro que as concorrentes se mexeram e Ford, Chevrolet, Volkswagen, Toyota trataram de reposicionar suas picapes médias, buscando alternativas para oferecer versões cabine dupla a diesel com valores mais convidativos.

A Ford Ranger, por exemplo, estreou nesse intervalo a competitiva versão intermediária XLS, que hoje em dia se destaca das opções topo de linha XLT e Limited ao oferecer uma motorização turbodiesel mais racional.

A Ranger XLS faz uso do propulsor 2.2 de 4 cilindros que está longe de ficar devendo em termos de potência e torque. Com 160 cv a 3.200 rpm e suficientes 39,3 kgfm de torque disponíveis já a 1.600 rpm, a Ranger XLS pode não oferecer a mesma vitalidade nas respostas das configurações XLT e Limited, ambas com o 3.2 de 200 cv sob o capô, porém o bloco 4 cilindros atende muito bem as necessidades no uso diário ou mesmo em deslocamentos rodoviários com a picape carregada. Considerando que uma picape não é um veículo feito para andar rápido, convenhamos que desempenho está longe de figurar como um diferencial para modelos desse tipo.

Importante, sim, é quanto a picape pode carregar e nesse ponto a Ranger XLS 2.2 turbodiesel não deixa a desejar. Na caçamba da picape cabine dupla é possível acomodar até 1.114 kg de carga na configuração automática com tração 4x4. A Ranger Limited com o mesmo sistema de tração e câmbio automático de 6 marchas transporta até 1.002 kg, portanto um ponto favorável para a Ranger intermediária.

E é no custo-benefício que a Ranger XLS faz brilhar os olhos de muita gente. Tomando como base a configuração mais buscada por clientes da categoria, portanto com tração 4x4 e transmissão automática, você consegue as chaves da picape pagando R$ 159.460 considerando o preço de tabela e não dá para dizer que a picape fica devendo em equipamentos. Além do conjunto mecânico interessante, a Ranger nessa configuração conta com 7 airbags, controles de tração e estabilidade, diferencial traseiro bloqueável, rodas de liga leve aro 17”, câmera de ré e sensor de estacionamento (itens que ajudam muito na hora de manobrar uma picape), controlador de velocidade de cruzeiro, trio elétrico, dentre outros itens.

 
 
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat
 
Fiat
Fiat
Fiat Toro 2018
 
Fiat Toro 2018
Fiat Toro 2018
Fiat Toro 2018
 
Fiat Toro 2018
Fiat Toro 2018
Fiat Toro 2018
 
Fiat Toro 2018
Fiat Toro 2018
Fiat Toro 2018
 
Fiat Toro 2018
Fiat Toro 2018
Fiat Toro 2018
 
Fiat Toro 2018
Fiat Toro 2018
Fiat Toro 2018
 
Fiat Toro 2018
Fiat Toro 2018
 
 

Claro que é possível encontrar um pacote muito mais completo na versão Limited 3.2, que dá direito a central multimídia Sync de 3ª geração, recursos avançados como o controlador de velocidade de cruzeiro adaptativo e o alerta de colisão, rodas de liga leve aro 18”, farol alto com comutação automática, dentre outros recursos, porém estamos falando de uma versão que alcança R$ 190.190, portanto uma diferença de R$ 30.730 para a Ranger XLS automática 4x4.

Após o “efeito Toro”, muitas picapes médias passaram a oferecer uma configuração na faixa de R$ 160.000 com motorização diesel, tração 4x4, cabine dupla e câmbio automático.

Quem enxergou essa brecha recentemente foi a Toyota Hilux, que a partir da linha 2018 passou a oferecer a versão SR Challenge de R$ 161.990. Ela conta com câmbio automático de 6 marchas, tração 4x4 e traz a vantagem do motor mais forte em relação ao da Ranger XLS, no caso equipada com um 2.8 turbodiesel de 177 cv e 45,9 kgfm de torque.

A Chevrolet também tem na versão LT 2.8 turbodiesel 4x4 automática da S10 sua representante nessa faixa de preço ao chegar nas lojas por R$ 153.990. Já na linha Volkswagen, hoje você encontra uma Amarok Trendline cabine dupla, com seu 2.0 biturbo diesel de 180 cv, com preço sugerido de R$ 155.990, apenas para citar alguns exemplos.

Se hoje uma Toro Volcano está nas lojas por R$ 136.190, valor ainda competitivo mesmo frente às versões reposicionadas das picapes médias, a Fiat não ficou parada e deu um golpe de misericórdia na concorrência: desde a linha 2018 já é possível encontrar na gama a opção Freedom 2.0 diesel, que conta com o mesmo câmbio automático de 9 marchas e tração 4x4 da Volcano, porém chega hoje nas concessionárias por R$ 122.590. 

Se não traz refinamentos como as rodas de liga leve ou o revestimento interno de couro, a Toro Freedom 2.0 diesel automática já sai de fábrica com os controles de tração e estabilidade, ar-condicionado, trio elétrico, controlador de velocidade de cruzeiro, sensor de estacionamento, computador de bordo, dentre outros. Tudo isso faz dela a versão mais interessante da picape.

Com movimentos como esse, não é por acaso que a Toro encerrou 2017 50.730 unidades vendidas e no posto de 10º carro mais vendido do Brasil. Entre as picapes, ela só perde para a prima Strada, modelo menor e bem mais barato, e ocupa a segunda posição em vendas no país considerando todos os modelos com este tipo de carroceria.

Seguindo assim, 2018 será um ano tão bom quanto para a Toro.

César Tizo

O "Guru dos Carros", César Tizo se juntou ao time este ano e está à frente dos portais AUTOO e MOTOO. É o expert em aconselhar a compra de automóveis

César Tizo |