Stellantis, união entre Fiat Chrysler e Peugeot, será concluída no primeiro trimestre de 2021

Fiat Chrysler e PSA anunciam novos detalhes para a conclusão do processo de união dos conglomerados
Nome do novo grupo industrial que nascerá da fusão entre o Grupo PSA e a Fiat Chrysler

Nome do novo grupo industrial que nascerá da fusão entre o Grupo PSA e a Fiat Chrysler | Imagem: Divulgação

Ao que tudo indica, a pandemia do novo coronavírus não atrapalhou em nada o processo de integração da Fiat Chrysler com a PSA. As duas empresas confirmaram nesta segunda-feira (14) que a fusão entre as duas empresas deverá estar concluída até o primeiro trimestre de 2021, acordo que resultará na formação da Stellantis. A nova companhia será uma gigante do setor automotivo, ocupando o posto de quarto maior conglomerado global levando em conta o volume de vendas.

Para efetivar a negociação, contudo, PSA e FCA precisaram realizar alguns acertos no conjunto de medidas previamente combinadas para viabilizar a fusão. De acordo com o comunicado das duas fabricantes, “as partes concordaram com as alterações a fim de abordar o impacto na liquidez da indústria automotiva causado pela pandemia da Covid-19 , preservando o valor econômico e o equilíbrio fundamental do Acordo de Combinação original”.

Em resumo, o que foi acordado pelas duas empresas e validado pelos respectivos conselhos de administração é que os acionistas da FCA e do Groupe PSA receberão participações iguais de 23% na Faurecia. A divisão 50/50 entre o grupo francês e a Fiat Chrysler na Stellantis permanece inalterada. A nova empresa, destacam FCA e Peugeot SA, agora terá 2,6 bilhões de euros a mais em seu balanço graças às alterações em relação ao Acordo de Combinação assinado em dezembro de 2019.

Além disso, também foi acordado que os conselhos administrativos de PSA e Fiat Chrysler considerarão uma distribuição potencial de 500 milhões de euros aos acionistas de cada empresa antes do fechamento ou, alternativamente, uma distribuição de 1 bilhão de euros a ser paga após o fechamento de todos os acionistas da Stellantis. Estas decisões serão tomadas em função do desempenho e perspetivas de ambas as empresas, das condições de mercado e do desempenho no período interveniente. Quaisquer distribuições serão feitas somente se aprovadas pelos Conselhos de ambas as empresas”, explicam as fabricantes em comunicado.

Os conselhos administrativos da FCA e do Groupe PSA estão mais do que nunca convencidos da lógica e do extraordinário potencial de criação de valor de sua fusão. A Stellantis pode alavancar desde o início um negócio fortemente diversificado com altas margens em suas principais regiões da Europa, América do Norte e América Latina e um portfólio único de marcas bem estabelecidas e icônicas. Seus melhores produtos, proporcionando alta satisfação do cliente, cobrem todos os principais segmentos da indústria. Tão importante quanto, a nova empresa, com sua escala combinada muito maior, estará equipada para acelerar o desenvolvimento de soluções de mobilidade altamente inovadoras e tecnologias de ponta em novos veículos de energia, direção autônoma e conectividade”, acrescentam. 

Aqui no Brasil, os reflexos da fusão começam a aparecer com a perspectiva do uso da plataforma CMP da Peugeot para os futuros compactos da Fiat Chrysler produzidos no Brasil. 

A fusão FCA-PSA dificilmente não afetará fábricas e empregos em excesso
Fusão FCA-PSA
Imagem: Montagem sobre divulgação
Assine a newsletter semanal do AUTOO!