Great Wall terá 4 marcas no Brasil e investirá R$ 10 bilhões para produzir picapes e SUVs

Segundo a fabricante, operação brasileira será sua maior iniciativa fora da China
Tank 500 (imagem ilustrativa)

Tank 500 (imagem ilustrativa) | Imagem: Divulgação

A Great Wall Motor (GWM) realizou nesta quinta-feira (27) a aguardada apresentação de sua estratégia para o mercado brasileiro, que teve início com a aquisição da planta de Iracemápolis (SP) construída pela Mercedes-Benz. 

Os planos iniciais do conglomerado chinês mostram-se robustos e contemplam mais de R$ 10 bilhões divididos em duas etapas.

O primeiro ciclo compreende o período de 2022 até 2025, quando serão destinados R$ 4 bilhões ao país, e a segunda etapa será compreendida entre 2026 e 2032, com a destinação dos outros R$ 6 bilhões. 

A Great Wall Motor espera criar cerca de 2.000 empregos diretos no país até 2025, sendo que sua operação no Brasil será a maior fora da China. A previsão da empresa é produzir cerca de 100 mil unidades ao ano em Iracemápolis. 

A fábrica no interior paulista será totalmente modernizada, antecipa a Great Wall Motor, contando com sistema de produção inteligente e expectativa de faturamento anual de R$ 30 bilhões em 2025. 

A ideia é que a fábrica de Iracemápolis também sirva como base exportadora para outros países das Américas. A fabricante acrescenta que apoiará a cadeia brasileira de fornecedores, realizando investimentos e promovendo o desenvolvimento da indústria local. Haverá um plano para produzir peças localmente, com o objetivo de alcançar um índice de nacionalização de 60% até 2025. 

Estabelecida em 1984, a Great Wall Motor é a maior empresa de capital completamente privado da China, atuando em mais de 60 países. A companhia conta com 70 mil funcionários e 10 centros de pesquisa e desenvolvimento em sete países. 

Estratégia 

Ainda sem entrar em detalhes sobre quais modelos serão comercializados no Brasil, a Great Wall Motor explicou que vai atuar no mercado inicialmente com três marcas. 

A Haval vai contemplar SUVs de apelo urbano, a Tank engloba SUVs premium com alta capacidade off-road e a Poer será especializada em picapes.  

Após consolidar sua presença no mercado, a empresa também vai investir na comercialização dos elétricos da marca Ora, que ficou famosa mundialmente com um modelo de design amplamente baseado no Fusca. 

Como terá uma marca 100% elétrica, a GWM Brasil anunciou também como meta o suporte à criação de uma rede de eletropostos com parcerias locais ou operação direta nos principais centros urbanos até 2025. 

De acordo com a Great Wall Motor, até concluir a primeira fase de seu ciclo de investimentos (2025) serão lançados 10 modelos no Brasil entre suas diferentes marcas. 

Ainda no quarto trimestre deste ano a empresa vai lançar seu primeiro modelo no país, inicialmente importado. 

Sobre a rede de concessionárias da GWM Brasil, a empresa adianta que o objetivo é ter 30 grupos de concessionários em 112 cidades com 130 pontos de venda/serviço. 

Leia também: 
SUVs da linha Tank: mais uma opção da Great Wall para o Brasil
Rival de JAC e CAOA Chery: SUVs da Great Wall bons para o Brasil
Haval H6: argentinos avaliam SUV da Great Wall que pode vir para cá

O primeiro modelo com produção nacional será lançado no segundo semestre de 2023 e será um representante da “próxima geração de modelos globais, que ainda não foi apresentada em nenhum mercado do mundo e já está sendo desenvolvida levando em consideração as exigências da realidade dos consumidores brasileiros”, detalha a GWM Brasil. 

A empresa ressaltou que sua gama no Brasil vai contemplar apenas SUVs e picapes, segmentos que demonstram os maiores índices de crescimento em vendas. 

Os conjuntos propulsores também prometem nível de eficiência bem acima da média. Por aqui, a GWM oferecerá somente modelos eletrificados (híbridos, híbridos plug-in e completamente elétricos). 

A GWM realça, inclusive, que vai oferecer no Brasil o híbrido plug-in com a maior autonomia elétrica do mundo, de 200 quilômetros. Esse modelo ainda é capaz de recarregar 80% da sua bateria em apenas 30 minutos. 

Alta eficiência

Os demais veículos com motorização híbrida terão opções de configuração que variam de 230 a 430 cv de potência e de 41,8 a 77,7 kgfm de torque. Alguns deles, de acordo com a fabricante, serão capazes de entregar uma aceleração de 0 a 100 km/h entre 4,8 e 7,2 segundos, com médias de consumo de combustível entre 75 km/l e impressionantes 208 km/l no uso combinado dos motores elétrico e a combustão. 

Interessante destacar que a GWM Brasil já está iniciando parcerias para estudos de uso de etanol como fonte de geração de hidrogênio para veículos com célula de combustível. A companhia integra, na China, a Comissão Internacional do Hidrogênio e pretende utilizar a unidade no Brasil como base de conhecimento na realização de acordos com universidades e centros tecnológicos do país para desenvolver pesquisas que incluam o etanol como fonte de hidrogênio. 

Por fim, a GWM Brasil antecipa que todos os modelos produzidos no Brasil terão recursos de conectividade e sistemas semiautônomos de segurança Nível 2 de série, além de permitir o uso do comando por voz para controlar as funções do veículo, como fechar vidros ou abrir o teto solar. Os veículos da GWM no Brasil também estarão prontos para suportar recursos de conectividade 5G. 

Fábrica da Great Wall Motors Brasil em Iracemápolis, São Paulo
Fábrica da Great Wall Motor Brasil em Iracemápolis, São Paulo
Imagem: Divulgação