Modo de dirigir aumenta em 10% o consumo de combustível

Acelerações bruscas ou frenagens repentinas têm influência direta no consumo do carro; saiba mais
IPVA

IPVA | Imagem: Reprodução internet

O comportamento do motorista ao volante pode, definitivamente, aumentar o consumo de combustível do carro. Isso já é de amplo conhecimento, mas agora há um número exato: 10% a mais no consumo. Isso quer dizer que acelerações bruscas ou frenagens repentinas podem fazer com que o gasto com combustível, no final do mês, possa ser bem maior quando comparado com o motorista que utiliza o veículo de maneira econômica.

Segundo levantamento realizado com a plataforma VAI (Vehicle Artificial Intelligence), foram avaliados mais de 1.000 veículos que utilizam o sistema de inteligência, comprovando que o comportamento do motorista é o principal fator para aumento do consumo de combustível. Enquanto o consumo médio da frota brasileira gira em torno de 8,62 km/l, o valor para veículos que costumam passar por acelerações e freadas repentinas chega a 7,8 km/l, o que representa uma despesa adicional de 10% com combustível. Considerando que o gasto médio do brasileiro com etanol ou gasolina gira em torno de R$ 21 por dia, segundo informações do VAI, motoristas que aceleram e freiam de forma brusca tendem a gastar cerca de R$ 781 a mais por ano com combustível.

“Em todo o Brasil identificamos uma média de 1,3 freadas repentinas por carro diariamente. O motorista brasileiro, no entanto, de maneira geral, está cauteloso em relação a isso. Observamos que menos da metade dos condutores (44%) possuem o hábito de forçar a rotação do motor na partida do carro no dia a dia, por exemplo, o que ajuda no consumo”, explica João Marcelo Barros, diretor da Wings, empresa brasileira que desenvolveu o sistema de conectividade automotiva VAI. 

Dotado de um sensor gravitacional embutido que permite identificar os mais diversos tipos de movimento do veículo, o VAI também é equipado com tecnologia de Inteligência Artificial, que permite interpretar todos os dados coletados, gerando uma base de conteúdo relevante sobre a frota brasileira e o comportamento do motorista. “Além de uma fonte de diagnóstico, o VAI também auxilia o motorista a aprimorar sua forma de dirigir”, comenta o executivo. 

VAI (Vehicle Artificial Intelligence)
VAI (Vehicle Artificial Intelligence)
Imagem: Divulgação