SUV Citroën C3 terá motor 1.6 flex; 1.0 turbo chega um ano depois

Além da novidade da marca francesa, Fernando Calmon aborda as estreias de JAC e Volvo no segmento de elétricos
Citroën C3: agora como SUV, modelo chegará em março com mesmo motor 1.6 atual

Citroën C3: agora como SUV, modelo chegará em março com mesmo motor 1.6 atual | Imagem: Divulgação

A crescente procura pelos SUV vem impulsionando as vendas e o avanço de participação de mercado. Mesmo quando se trata de apenas um hatch com a “decoração” externa típica (incluindo indefectíveis barras de teto) e altura de rodagem elevada, as fabricantes preferem enquadrá-lo como SUV.

Houve, porém, um posicionamento diferente por parte da Citroën, ao mostrar por videoconferência o novo C3. O modelo exibe estilo típico de SUV, inclusive um interessante e incomum efeito visual (vincos largos e côncavos), na parte superior dos quatro para-lamas, que deixa a impressão de ser ainda mais alto. A marca francesa, no entanto, preferiu pré-apresentá-lo como hatch compacto (segmento B).

Há uma razão, obviamente não revelada. Tudo indica que se trata de um posicionamento de mercado da Stellantis para suavizar a “concorrência” interna. Nos filmes revelados até agora do Pulse, aparece o termo “SUV Fiat”. O lançamento deste modelo está previsto até o próximo mês de novembro. Já o novo C3, com mais aspecto de SUV do que o C4 Cactus, só chega em março de 2022.

Embora apresentado de corpo inteiro, inclusive a parte interna, nenhuma dimensão e motorização do novo “hatch” foi antecipada pela Citroën. Mas como o modelo também será fabricado na Índia, já se sabe que o carro tem entre-eixos de 2,54 m e comprimento de 3,99 m. O C3 hatch parou de ser fabricado aqui em julho do ano passado e vendido até o começo deste ano, porém era bem menor por dentro (2,46 de entre-eixos) e pouco menor por fora (3,94 m). O motor será o mesmo já conhecido de 1,6 L, 118 cv (E)/115 cv (G), porém oferecerá, até um ano depois, o turbo flex de 1 litro que estreará no Pulse.

Além de espaçoso internamente, oferece tela multimídia de 10,1 pol. e, ao seu lado, um útil suporte no painel para encaixar o telefone celular. A conexão pode ser feita sem fio, mas o carregamento não. Há dois pequenos ganchos no centro do painel em que se pode fixar o fio para não ficar solto. Solução simples e efetiva.

O projeto batizado de C-Cubed inclui outros dois lançamentos, em 2023 e 2024, todos produzidos em Porto Real (RJ). A expectativa é por um sedã e outro SUV, de maior porte, provavelmente de dimensões entre Renegade e T-Cross.

Citroën C3 2022
Citroën C3 2022
Imagem: Divulgação

Veja galeria de fotos do novo Citroën C3 SUV

Oferta de 100% elétricos avança: Volvo e JAC

Por preços competitivos no Brasil, a Volvo passou a dar ênfase total aos modelos híbridos recarregáveis em tomada. O resultado reflete-se em vendas crescentes. Agora a empresa entra no mercado de elétricos com o XC40 Recharge, que apresenta visual praticamente igual ao híbrido plugável homônimo, salvo a grade dianteira sem entrada de ar.

O elétrico custa R$ 389.950, valor 45% superior ao do híbrido plugável. A linha atual da marca sueca fica assim totalmente concentrada em modelos parcial ou totalmente elétricos. Uma estratégia diferenciada frente aos concorrentes diretos e indiretos. Só do elétrico pretende entregar 450 unidades e assim assumiria a liderança desse nicho de mercado.

Apesar dos 2.118 kg de massa (500 kg só de baterias), o SUV é bastante ágil. Há um motor em cada eixo. Juntos entregam 408 cv e nada menos de 67,3 kgf.m de torque. Isso garante aceleração de 0 a 100 km/h em 4,9 s, de acordo com o fabricante. Alcance declarado (norma WLTP) é de até 418 km, mas na estrada é difícil de conseguir. Durante a apresentação no Rio Grande do Sul, depois de rodar em rodovias por cerca de 200 km, restavam só 33% de carga restante.

Em circuito urbano, com a forte regeneração automática durante as frenagens, o alcance referido é possível. No tráfego em cidade raramente se usa o pedal de freio. O pacote de assistência de segurança ao motorista é completo, como todo Volvo. Os faróis de LED, no entanto, não dispõem de comutação automática alto/baixo como o Jeep Commander fabricado aqui, por exemplo.

No outro extremo da escala de preço está o subcompacto chinês JAC e-JS1, elétrico mais barato à venda por R$ 149.900. O modelo é o primeiro desenvolvido depois que a VW comprou 50% da empresa chinesa. Seu desenho mostra um hatch de linhas ousadas, teto alto pintado em cor contrastante à carroceria e apenas 3,65 m de comprimento. No interior de aspecto minimalista destacam-se tela do multimídia de 10,25 pol., console amplo (inclui botão para freio de imobilização elétrico, bom espaço para recarregar o celular por indução) e uma pequena alavanca na coluna de direção para controlar avanço e ré.

O motor entrega só 62 cv, mas os 15,3 kgf.m de torque garantem agilidade em uso urbano. Suspensões bem firmes e precisão ao volante indicam a “mão” da VW no projeto. A bateria tem apenas 30 kWh e alcance declarado de até 300 km. Essa distância é 50% menor em rodovias. Em estrada, apesar de limitado a 110 km/h, dá para guiar sem sustos. Porém, a sensação de pisar um pouco mais no acelerador para uma ultrapassagem rápida e o motor não responder é desagradável. Porta-malas não carrega estepe (há bolsa com kit de reparo) e oferece apenas 121 litros de capacidade.

JAC E-JS1 2021
JAC E-JS1 2021
Imagem: Divulgação