Não é raro encontrar por aí quem ainda é dono (a) de um Honda Fit de primeira geração e encontra-se tão satisfeito com seu carro que dificilmente tem vontade de trocar por outro modelo ou até mesmo migrar para uma geração mais recente. O fato é tão comum que levou a Honda a explorar esse fato na apresentação da linha 2018 do modelo.

De mais relevante mesmo, o Fit passou a contar com os importantes controles de tração e estabilidade de série em todas as versões, algo há muito tempo esperado para o Fit sobretudo com todo o apelo que a Honda gosta de transmitir sobre a preocupação com a segurança de seus clientes. 

Além dos equipamentos de proteção ativa, o Fit ganhou uma leve atualização no visual, com destaque para a dianteira com nova grade e para-choque redesenhado (incluindo a iluminação diurna de LED a partir da versão EX como a testada aqui). Na parte traseira, uma das alterações significativas também fica por conta do para-choque, agora mais destacado em relação à tampa do porta-malas, um pedido antigo dos donos do Fit atual. Eram constantes as queixas de que o para-choque era estreito demais e permitia pequenas batidas diretamente na tampa do compartimento de bagagens. As lanternas, por sua vez, passam a contar com iluminação por LED e tornaram-se inteiramente funcionais, algo que não ocorria no Fit fabricado no Brasil. Além da maior durabilidade e eficiência na iluminação, os LEDs ajudam a conferir um visual mais sofisticado para o modelo. 

Na parte interna de todas as versões ocorreu uma leve revisão do catálogo de itens de série e é justamente no interior onde o Honda Fit mostra muitas de suas virtudes e os principais pontos onde poderia melhorar.

A cabine do Fit é exemplar. Em nenhum outro modelo na faixa de 4 metros de comprimento você encontrará um aproveitamento de espaço tão bom. Dentro do Honda é possível acomodar 5 adultos com conforto, sobrando espaço para pernas e cabeça mesmo no banco traseiro. O porta-malas também é outro ponto forte do Fit, já que nenhum hatch compacto e até mesmo modelos de médio porte conseguem entregar um compartimento com capacidade para 363 litros. Um Hyundai HB20, por exemplo, chega até os 300 litros, enquanto um Volkswagen Golf acomoda apenas 313 litros.

Mas não é só pelo amplo espaço interno e o bom porta-malas que o Fit cativou tantos brasileiros ao longo dos anos. Seu interior conta com um prático sistema modular para o rebatimento de bancos o que permite transportar com mais facilitado objetos grandes como uma bicicleta ou um vaso de decoração. Sem dúvida nenhuma, o Fit é um dos raros automóveis onde a engenharia trabalhou com afinco para entregar “o máximo para o homem”, um dos motes que a fabricante gosta de utilizar.

 
 
Honda Fit 2018
 
Honda Fit 2018
Honda Fit 2018
Honda Fit 2018
 
Honda Fit 2018
Honda Fit 2018
Honda Fit 2018
 
Honda Fit 2018
Honda Fit 2018
Honda Fit 2018
 
Honda Fit 2018
Honda Fit 2018
Honda Fit 2018
 
Honda Fit 2018
Honda Fit 2018
Honda Fit 2018
 
Honda Fit 2018
Honda Fit 2018
Honda Fit 2018
 
Honda Fit 2018
Honda Fit 2018
Honda Fit 2018
 
Honda Fit 2018
Honda Fit 2018
Honda Fit 2018
 
Honda Fit 2018
Honda Fit 2018
Honda Fit 2018
 
Honda Fit 2018
Honda Fit 2018
Honda Fit 2018
 
Honda Fit 2018
Honda Fit 2018
Honda Fit 2018
 
Honda Fit 2018
Honda Fit 2018
Honda Fit 2018
 
Honda Fit 2018
Honda Fit 2018
 
 

Bem pensado e planejado, só falta ao Honda entregar um custo-benefício mais interessante. Considerando o Fit EX como o avaliado por nós, estamos falando de um carro tabelado em R$ 75.600. Além dos já citados controles de tração e estabilidade, você só vai encontrar no Fit EX por esse valor o ar-condicionado automático digital (novidade que chega na linha 2018), 4 airbags, trio elétrico e direção com assistência elétrica, apenas para citar os principais itens. O Fit EX não oferece nem mesmo uma central multimídia, sendo que o rádio conta com um visor de 5” que exibe as imagens da câmera de ré, um dos poucos “luxos” do modelo.

Traçando um paralelo, com uma quantia semelhante você leva o novo Volkswagen Polo Highline com todos os opcionais por R$ 74.490. Nesse valor, o recém-lançado hatch da marca alemã conta com revestimento interno de couro, os mesmos 4 airbags do Fit EX, rodas de liga leve aro 17”, sensor de chuva, acendimento automático dos faróis, chave presencial, partida por botão, central multimídia completa com tela de 8”, navegador integrado, câmera de ré e os sistemas de espelhamento Apple CarPlay, Android Auto e MirrorLink, além do arrojado painel de instrumentos digital, dentre muitos outros itens de conforto e tecnologia.

O Polo pode não ter um habitáculo com uma sensação de espaço tão boa quanto a do Fit, mas não deixa de acomodar 4 adultos com conforto. Também pesa a favor do hatch o conjunto mecânico tão eficiente quanto o do Honda, com destaque para o ótimo motor 1.0 TSI presente no Polo Highline 2018. 

Na hora de dirigir, o Fit mostra ao seu motorista aquele comportamento típico que você espera encontrar em um carro japonês. O rodar é sólido e equilibrado, com a direção calibrada no “peso” exato para não se tornar anestesiada demais ou muito esportiva, o que pode ser visto nas respostas bem precisas que o Honda oferece. Mesmo com as rodas de liga leve aro 16”, o Fit 2018 não sacrifica o conforto dos passageiros, mas o que incomoda mesmo é a dianteira um pouco baixa do modelo, que vira e mexe pede cuidado com valetas ou saídas de garagem.

Não há surpresas ou novidades, contudo, na parte mecânica do Honda Fit mesmo com a estreia da linha 2018.

Vale a pena a compra do Honda Fit 2018? O Fit é um modelo que vale a pena você adquirir se tem família com mais de um filho (ambos já crescidos), precisa de amplo espaço interno e versatilidade bem como mais espaço no porta-malas, tudo isso sem abrir mão de um carro com tamanho compacto, prático para o uso no dia a dia e que não acarrete elevado custo de manutenção. Se esse é o seu caso, é mais interessante considerar a compra do Fit na versão LX, que já conta com os controles de tração e estabilidade e um preço ao menos mais aceitável, na casa de R$ 70.000. Em relação à versão EX, ele só fica devendo os airbags laterais, o ar-condicionado automático digital e a câmera de ré, equipamentos que não justificam uma diferença de mais de R$ 5.000. 

Se você não abre mão de conforto e tecnologia, e ao menos espera que seu próximo carro ofereça central multimídia, revestimento interno de couro, dentre outros itens, então no momento é melhor você partir para modelos como a nova geração do VW Polo. Em relação ao Fit EXL, configuração topo de linha do Honda, o Polo 2018 Highline completo é R$ 6.410 mais barato e traz um nível de tecnologia e equipamentos muito superior. Isso sem levar em conta que o Polo em questão custa até menos que o Fit EX apresentado nesta avaliação. 

Talvez na próxima geração, prevista para estrear por volta do fim desta década, o Fit ganhe um pacote mais robusto de equipamentos, o que poderá ao menos justificar grande parte do valor cobrado por ele. De qualquer forma, é bom a Honda se mexer, já que o novo regime automotivo que vai vigorar a partir de 2018 deverá ser mais camarada com os carros importados, o que pode aumentar a concorrêcia interna trazendo muitos benefícios para os consumidores.

Ficha técnica

Honda Fit 2018 EX 1.5 16V flex automático 4p
Preço R$ 75.600 (10/2017)
Categoria Familiar compacto
Vendas em 2017 22.658 unidades
Motor 4 cilindros, 1497 cm³
Potência 115 cv a 6000 rpm (gasolina)
Torque 15,2 kgfm a 4800 rpm
Dimensões Comprimento 3,998 m, largura 1,695 m, altura 1,535 m, entreeixos 2,53 m
Peso em ordem de marcha 1099 kg
Tanque de combustível 46 litros
Porta-malas 363 litros
Veja ficha completa

O "Guru dos Carros", César Tizo se juntou ao time este ano e está à frente dos portais AUTOO e MOTOO. É o expert em aconselhar a compra de automóveis

César Tizo |