Toyota, Renault, Hyundai e Ford acirram disputa pelo 4º lugar em vendas no Brasil

Marcas começaram 2020 com diferença de menos de 500 emplacamentos entre elas
Ford, Toyota, Hyundai e Renault: briga pelo 4º lugar em vendas deve se estender pelo ano

Ford, Toyota, Hyundai e Renault: briga pelo 4º lugar em vendas deve se estender pelo ano | Imagem: Divulgação

Até 2015, a Ford manteve uma cômoda 4ª colocação em vendas de veículos no Brasil. Se por um lado não conseguia se aproximar de Fiat, Volks e GM, a montadora americana não era ameaçada por ninguém, mas esse panorama mudou completamente no ano seguinte. Naquele ano, a ofensiva de produtos nacionais da Hyundai e Toyota derrubou a Ford para o 6º lugar no ranking, embora por uma margem pequena.

Desde então, a vida da tradicional fabricante dos EUA virou um inferno. Ela até recuperou o 4º lugar em 2017 e 2018, mas voltou perdê-lo no ano passado para a Renault. Em 2020, no entanto, a briga se acirrou: a Toyota e a Hyundai voltaram a crescer enquanto a Ford viu seu portfólio encolher.

O resultado desse movimento é que no acumulado dos dois primeiros meses a diferença entre a Toyota, atual 4ª colocada, e a Ford, a 7ª marca mais vendida, é de apenas 420 carros. E o ano promete ser difícil para os norte-americanos, que vivem hoje uma crise como há tempos não se via.

A marca fechou a fábrica de São Bernardo do Campo, sua mais antiga em atividade no país, no ano passado e com ela deixou de vender o Fiesta, seu compacto mundial. Também abandonou o segmento de médios com o fim da produção do Focus hatch e sedan, além de ver o Fusion, antigo sucesso, definhar com o advento dos SUVs.

Com isso, a Ford depende sobretudo dos emplacamentos do Ka nas vendas diretas, além de uma atuação modesta do Ecosport e da picape Ranger, ambos coadjuvantes em seus segmentos. A situação não deve melhorar tão cedo afinal há poucas novidades a caminho como os SUVs Territory e Escape, mas o impacto nos emplacamentos promete ser pequeno.

 

Ford Territory 2020
Ford Territory 2020
Imagem: Divulgação

 

Em alta

Em contraste com ela, suas rivais estão mais bem preparadas para ganhar espaço no Brasil. A Renault, por exemplo, tem se saído bem com um portfólio mais amplo e que acaba de ser renovado com o Duster 2021.

A Toyota por sua vez prepara sua estreia entre os SUVs compactos com um produto nacional que chegará ao mercado no ano que vem. Embora ele tenha potencial para roubar vendas do Corolla é natural que o saldo seja positivo e a montadora japonesa suba um degrau no ranking nacional.

Já a Hyundai deu sinais de recuperação em fevereiro após uma longa fase de transição entre as gerações do HB20, família que responde pela maior parte das vendas no Brasil. Mas sem capacidade de ampliar a produção em Piracicaba e com a cotação do dólar nas alturas, é pouco provável que ela faça mais do que isso.

Ao menos nenhuma delas deve se preocupar com o andar de baixo. A Jeep (8ª) e a Honda (9ª) estão muito distantes por enquanto. Mas é bom não dormir sobre os louros como fez a Ford anos atrás e acordar com rivais em seu cangote.

Assine a newsletter semanal do AUTOO!