A história da Audi é daquelas que passamos horas falando, de tantos os detalhes, mas vale lembrar aqui sua origem. Há exatos 100 anos, o pioneiro August Horch fundava a montadora, porém, com seu sobrenome. Depois de idas e vindas, com a venda da empresa para terceiros, Horch quis criar uma nova companhia e, sem poder usar seu sobrenome, decidiu traduzi-lo para o latim, daí o Audi.

Hoje, quando completa seu centenário, a Horch, digo, a Audi mostrou seu novo modelo, o A5 Sportback, mais um adepto do estilo em moda atual, o cupê de quatro portas. Derivado do cupê tradicional A5, o Sportback é, para a marca, mais que isso: “é uma combinação de vários gêneros como a elegância do cupê, o conforto de um sedã e a praticidade de uma perua”, disse a montadora.

Mais baixo que o sedã A4 (3,6 cm), o novo A5 oferece quase o mesmo espaço no bagageiro que a perua A4 Avant – 480 litros. Só que leva quatro pessoas a bordo, como convém a um cupê. O espírito “perua” está personificado na tampa do porta-malas, que abre até o teto, como num notchback, uma variação do hatchback com traseira curta.

Estilo diferenciado

Aliás, o A5 Sportback é quase isso mesmo não fossem as quatro portas – sua traseira é bem reduzida, contrastando com a enorme frente. As novidades do A5 ficam no estilo já que motores, transmissões e equipamentos são idênticos os da linha A5 e A4. Por exemplo, os propulsores a gasolina são velhos conhecidos: o 2.0 TFSI com dois padrões de potência (180 e 221 cv) e o V6 3.0 FSI, com 265 cv. Mas a Audi antecipou que em 2010 surgirão novos motores para a gama.

O A5 Sportback será apresentado a um seleto grupo de convidados na festa dos 100 anos nesta quinta-feira em Inglostadt, cidade próxima a Munique onde fica a sede da Audi. O carro começa a chegar às concessionárias europeias em setembro a partir de 33 650 euros e deve desembarcar no Brasil no 2º semestre de 2010.

Conheça os carros mais vendidos do Brasil nos últimos 10 anos

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO, é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier | http://www.jcceditorial.com.br/