Em agosto, a Audi comemorou 1,9 mil unidades emplacadas, um recorde de vendas e o maior volume da história da marca de luxo, que também lidera esse segmento em 2015. Parece estatística de qualquer país menos o Brasil, mas o resultado veio mesmo do nosso mercado.

Desconhecendo a palavra crise, a Audi agora se prepara para voltar a produzir carros no país: em outubro a fábrica de São José dos Pinhais, no Paraná, retoma a fabricação do A3, agora na versão sedã e não hatchback e começa a vende-lo em novembro. Ele e o Q3 (seu primo SUV que será produzido no Brasil em 2016) devem ampliar ainda mais suas vendas que podem chegar a 16 mil carros este ano.

Nesta terça-feira, abertura do Salão de Frankfurt, o maior do mundo em área e carros expostos, o presidente da marca no Brasil, Jörg Hofmann deu mais detalhes sobre a chegada do A3 Sedan.

O modelo usará um inédito motor 1.4 flex com 150 cv, bem mais potente que o vendido atualmente. O sedã também terá uma versão mais potente, com motor 2.0 de 220 cv no lugar do 1.8 litro. E novos opcionais passarão a ser disponíveis como câmera de ré e assistente de faixa contínua, entre outros.

“Nós queremos produzir mais de mil A3 Sedan ainda em 2015. No ano que vem, a meta é chegar a mais de 10 mil unidades desse modelo, além do início da produção do Q3 nacional”, revelou o presidente da marca.

Além dos dois carros nacionais (cujo índice de nacionalização é guardado a sete chaves), a Audi quer ampliar a venda dos veículos importados. “Vamos vender toda a linha da Audi no Brasil, incluindo modelos mais luxuosos e esportivos”, garante Hofmann.

 
 
Primeiro Audi A3 Sedan na fábrica da VW no Paraná Primeiro Audi A3 Sedan na fábrica da VW no Paraná
Novo Audi A4: sedã chega no início de 2016 ao Brasil Novo Audi A4: sedã chega no início de 2016 ao Brasil
Q3 será o segundo modelo nacional da Audi Q3 será o segundo modelo nacional da Audi
Novo Audi A4 está ainda maior Novo Audi A4 está ainda maior
Hofmann, presidente da Audi, quer ampliar liderança entre as marcas de luxo no Brasil Hofmann, presidente da Audi, quer ampliar liderança entre as marcas de luxo no Brasil
 
 

Na frente de Mercedes e BMW

Uma das próximas novidades é o A4, modelo logo acima do A3 e que teve sua nova geração apresentada em Frankfurt. O carro está maior e mais sofisticado e por isso o executivo acredita que conseguirá se diferenciar dos rivais tradicionais BMW Série 3, já em produção no Brasil, e Classe C, da Mercedes-Benz, que entrará em linha de montagem em 2016.

A ideia, segundo Hoffmann, é colocar os dois concorrentes no meio do A3 Sedan e do A4, mas ele reconhece que o irmão maior terá uma missão difícil.

Outro carro que deve ganhar volume no Brasil é o SUV Q5 que passará a ser produzido no México pela primeira vez. O modelo passará a ser importado de lá no ano que vem e se beneficiará das cotas de isenção de impostos.

O avanço da marca em território brasileiro impressiona. Em apenas dois anos, a Audi quadruplicou suas vendas no país, um sucesso que não se repetia desde os tempos em que a marca de luxo era representada pela família Senna. Nesse meio tempo, vários presidentes e estratégias diferentes acabaram distanciando o público e os concessionários, mas não há dúvida que a Audi reencontrou seu caminho e hoje pode comemorar o fato de bater Mercedes e BMW também no Brasil.

Conheça os carros mais vendidos do Brasil nos últimos 10 anos

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO, é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier | http://www.jcceditorial.com.br/