O i30 foi o cartão de visitas da Hyundai ao desembarcar no Brasil em 2009. Vendeu muitas unidades, chegando a ser líder do segmento em 2010 e 2011, época em que ele tinha a seu favor um motor 2.0 a gasolina de 145 cv, bom acabamento e preço justo. Depois, o hatch mudou de geração, ganhou o famoso visual escultura fluída, mas passou a ser oferecido com motorização flex 1.6 de 128 cv - mesma do HB20. Além disso, o preço subiu por causa do aumento no imposto de importados e as vendas despencaram.

Para a nova geração do carro, avaliada pelo AUTOO, a Hyundai quis dissociar a imagem do i30 do compacto de entrada HB20 - há quem o chame de HB20zão. A montadora então passou a chamá-lo de compacto de luxo – oi? –, tirou de cena o motor 1.6 e o equipou com um 1.8 16V de 150 cv. Ele manteve o bom acabamento e, com o novo motor, ganhou mais fôlego para atrair o consumidor e enfrentar a concorrência, que hoje está mais preparada que em 2009. A questão agora é o preço.

A versão avaliada pelo AUTOO, top de linha, custa – está sentado? – R$ 91.900. Importado da Coreia do Sul, ele deixou de ser flex e agora aceita somente gasolina, mas sem dúvida os 150 cv entregues aos 6.500 rpm e 18,2 kgfm de torque máximo disponíveis aos 4.700 giros estão mais condizentes com a proposta do hatch. Ele tem 5 cv a mais do que a primeira versão oferecida no País, equipada com motor 2.0, e 22 cv a mais do que o antecessor com motor 1.6.

Jogo das diferenças

O motor 1.8 MPI do i30 tem bom desempenho e agrada nas retomadas, mas mesmo com mais disposição, o que ainda assombra a vida do hatch sul-coreano são as inevitáveis comparações com a concorrência, especialmente com um alemão chamado VW Golf, equipado com motor 1.4 TSI de 140 cv que têm comportamento dinâmico invejável.

O i30 não é oferecido com opção de câmbio manual, há apenas o automático de seis marchas, com trocas suaves e sem trancos. Já seu rival alemão possui transmissão de dupla embreagem DSG com sete velocidades e consequentemente tem trocas bem mais rápidas. Como não lembrar dele? Até o Ford Focus, outro forte concorrente do i30, oferece caixa de câmbio de dupla embreagem, a Powershift, mas que nem de longe se equipara à do hatch da Volks.

Já a suspensão do exemplar da Hyundai tem um ótimo acerto, ficou nítido que a montadora priorizou o conforto. Na dianteira utiliza o sistema McPherson, com seis pontos de montagem, enquanto a traseira é por eixo de torção – a do Golf é multibraços. Um dos destaques do i30 é a direção com assistência elétrica, bem sensível, que permite que o motorista selecione entre três modos de direção, variando o peso dela. Ao toque de um botão no próprio volante, a direção pode ficar extremamente leve no modo Comfort, ótima configuração para rodar na cidade e fazer balizas, por exemplo. No modo Normal a direção fica um pouco mais rígida, para uso em percursos mistos e fica bem mais rígida no modo Sport, para velocidades maiores.

Na prática, o i30 é um hatch suave, agradável de se conduzir já que os buracos não são sentidos e a direção é uma delícia, mas ele não vai te surpreender com um desempenho mais arisco, tampouco com a dirigibilidade esportiva encontrada no Golf.

Um ponto que chamou a atenção no i30 foi o silêncio na cabine. A marca explica que além do isolamento acústico reforçado, o design aerodinâmico também contribui para reduzir o ruído do vento em alta velocidades. As linhas arrojadas o aproximam de seu irmãozinho HB20, mas são atuais e atraentes. As rodas de 17 polegadas cromadas, marca registrada do modelo, também contribuem para o visual harmonioso, mas o que rende suspiros mesmo é o teto panorâmico, tanto para quem está dentro, pela amplitude que gera na cabine, quanto para quem vê de fora, pois o vidro emenda no para-brisa e cria um efeito muito bonito. O sistema de abertura da cortina do teto também é diferente, vai do meio para as extremidades. Mas tais mimos, só estão disponíveis para quem paga o preço da versão top de linha.

Por dentro, o i30 também sabe agradar. O posicionamento do motorista e a ergonomia merecem elogios, sem contar o bom acabamento. A chave é presencial, para dar a partida basta apertar um botão, enquanto o freio de estacionamento é eletrônico, recurso que além de prático libera espaço na área central dianteira.

O espaço para os passageiros também é bom, pois o assoalho não possui túnel central elevado. Em termos de equipamentos, além do teto solar, o i30 completo traz bancos de couro com acionamento elétrico para o motorista, ar-condicionado digital dual zone, faróis de xenônio e câmera de ré que fica oculta sob o logotipo na tampa do porta-malas. Além da câmera, o motorista é auxiliado no estacionamento pelos sensores instalados no parachoque traseiro.

Na hora de levar bagagem, o i30 surpreende com o maior porta-malas entre os concorrentes. São 378 litros e alguns compartimentos interessantes no assoalho para guardar bugigangas – frente aos 313 litros do Golf e 316 do Focus.

No quesito segurança, o i30 traz uma lista extensa. São sete airbags - dois frontais, para o motorista e passageiro, dois laterais dianteiros, para proteção do ombro e tronco, dois de cortina e um airbag de joelhos para o motorista. Além dos freios a disco nas quatro rodas com ABS e EBD (distribuição eletrônica da força de frenagem) e sistema de controle eletrônico de estabilidade (ESP). Mas não se esqueça, este pacote só está disponível na versão mais cara.

 
 
O Hyundai i30 agora vem equipado com motor 1.8 16V de 150 cv O Hyundai i30 agora vem equipado com motor 1.8 16V de 150 cv
O modelo, que antes era flex, agora anda só com gasolina O modelo, que antes era flex, agora anda só com gasolina
O i30 ganhou o fôlego que faltava, mas ainda fica atrás dos rivais O i30 ganhou o fôlego que faltava, mas ainda fica atrás dos rivais
Na versão GLS top de linha, o modelo lusta nada menos que R$ 91.900 Na versão GLS top de linha, o modelo lusta nada menos que R$ 91.900
Os retrovisores do i30 tem repetidores de seta Os retrovisores do i30 tem repetidores de seta
A lanterna é uma característica marcante do i30 A lanterna é uma característica marcante do i30
Rodas de liga leve de 17 polegadas Rodas de liga leve de 17 polegadas
Retrovisores do Hyundai i30 Retrovisores do Hyundai i30
O motor 1.8 do i30 gera 150 cv e 18,2 kgfm de torque O motor 1.8 do i30 gera 150 cv e 18,2 kgfm de torque
Os faróis do i30 são muito bonitos e destacam-se na dianteira Os faróis do i30 são muito bonitos e destacam-se na dianteira
Câmera de ré embutida no emblema da tampa do porta malas Câmera de ré embutida no emblema da tampa do porta malas
A cabine do i30 é muito confortável e tem bom acabamento A cabine do i30 é muito confortável e tem bom acabamento
O posicionamento do motorista no i30 é correto e agrada bastante O posicionamento do motorista no i30 é correto e agrada bastante
O i30 possui controle de estabilidade e tração, além de freios ABS com distribuição de frenagem O i30 possui controle de estabilidade e tração, além de freios ABS com distribuição de frenagem
A assistência elétrica progressiva variável da direção possui três modos de utilização – Confort, Normal e Sport A assistência elétrica progressiva variável da direção possui três modos de utilização – Confort, Normal e Sport
Tela de 7 polegadas touch screen com rário integrado, DVD, Bluetooth, MP3 e GPS Tela de 7 polegadas touch screen com rário integrado, DVD, Bluetooth, MP3 e GPS
Freio de estacionamento com controle eletrônico, recurso que além de prático libera espaço na área central dianteira Freio de estacionamento com controle eletrônico, recurso que além de prático libera espaço na área central dianteira
Os comandos do teto solar panorâmico ficam no teto Os comandos do teto solar panorâmico ficam no teto
O espaço traseiro é bom, há bancos em couro na versão top de linha e porta copos para os passageiros O espaço traseiro é bom, há bancos em couro na versão top de linha e porta copos para os passageiros
Painel de instrumentos do Hyundai i30 com boa visualização Painel de instrumentos do Hyundai i30 com boa visualização
O porta malas do i30 comporta 378 litros de bagagem O porta malas do i30 comporta 378 litros de bagagem
O teto solar panorâmico amplia a sensação de espaço dentro da cabine do i30 O teto solar panorâmico amplia a sensação de espaço dentro da cabine do i30
O teto do i30 é uma continuação do parabrisa em vidro, o efeito é muito bonito para quem vê de fora O teto do i30 é uma continuação do parabrisa em vidro, o efeito é muito bonito para quem vê de fora
Na versão de entrada, o Hyundai i30 custa R$ 75.600 Na versão de entrada, o Hyundai i30 custa R$ 75.600
 
 

O i30 consegue voltar à liderança?

Difícil. Ainda mais se o motorista quiser tudo o que a versão completa oferece. Para quem não tem essa grana preta no bolso, pode-se optar pela versão base que custa R$ 75.800. O problema é que ela não tem uma infinidade de equipamentos que fazem a diferença na versão mais cara.

Um fato é que o i30 ainda tem uma imagem boa a seu favor e o novo motor caiu muito bem à ele, o colocando mais próximo dos representantes da VW e da Ford na categoria. Agora, antes de assinar o cheque, é bom ver se o custo-benefício vale msemo, pois ao pagar R$ 91.900 em um carro você não espera que ele seja bom, ele tem que ser demais!

Nem tudo está perdido

A Hyundai não está dormindo no ponto e já aprontou mudanças significativas para a primeira reestilização da segunda geração do hatch. Seguindo a linha do downsizing, o carro ganhará uma versão inédita equipada com motor 1.6 turbo de 186 cv. Além disso, ele passa a contar com um câmbio de dupla embreagem de sete marchas e sistemas como Start-Stop, flaps ativos na grade dianteira que se movem dependendo da situação, entre outros.

A marca sul-coreana ainda não revelou sua estratégia, mas estimamos que o modelo chegue ao Brasil até o final deste ano. Isso, se a sua representante nacional, o grupo CAOA, resolver importar a versão turbo. Já a configuração convencional deve manter o motor 1.8 usado atualmente, mas com melhorias. O temido preço ainda é uma incógnita.

Ficha técnica

Autoo

Redação |