A segunda geração do novo Kia Picanto chegou ao Brasil, mas ver o modelo nas ruas será certamente mais fácil do que nas lojas. José Luiz Gandini, presidente da marca coreana no Brasil, revelou durante apresentação do compacto que a demanda pelo carro já é alto. “Temos o caso de loja recém-inaugurada em São Paulo que mesmo sem identificações da marca vendeu 32 modelos em três dias”, afirma.

Gandini revelou que a cúpula da Kia Motors decidiu escoar 6.000 unidades do Picanto reformulado para o mercado brasileiro até o fechamento de 2011. “Ainda é muito pouco. A procura pelos modelos da Kia está alta no mundo inteiro”, conta o presidente. Já para 2012, o plano é vender 18.000, com um mix de vendas distribuído em 70% para a versão com câmbio automático e 30% para a opção com caixa mecânica.

Os preços, a exemplo dos valores praticados na primeira geração, seguem competitivos. O Picanto manual – a série J.318 – custa R$ 34.900 e o modelo automático – J.368 – é avaliado em R$ 39.900. A segunda versão ainda traz mimos dignos de carro grande, como teto-solar e seis airbags. Por essa e outras características de segurança o veículo recebeu 4 estrelas (de 5) nos crash-tests da EuroNCAP.

"Com esse preços, o novo Picanto compete no segmento de entrada. Podemos atrair desde donos de Fiat Palio e VW Gol, a proprietários de Citroën C3 e Peugeot 207. É um segmento muito grande", apontou Gandini na coletiva.

Outra novidade de peso no Picanto 2012 é seu motor 1.0 com apenas três cilindros no bloco – a concepção mais comum no Brasil é de quatro cilindros. Não só isso, o pequeno carro da Kia finalmente ganhou sistema flex, podendo rodar agora com gasolina e etanol. Segundo a empresa, o propulsor gera 80 cv e 10,2 kgfm de torque.

Thiago Vinholes

|