O fim do Inovar Auto deve facilitar um pouco a vida dos importadores, mas não a ponto de vermos uma avalanche de lançamentos. Muito menos é de se esperar que os volumes de vendas cresçam muito, isso porque trazer esses veículos para o Brasil não é um processo simples. É preciso conseguir espaço na programação de fábricas no exterior, muitas delas que atendem a vários mercados diferentes. Além disso, planejar algo em nosso país, com tantos fatores imprevisíveis, acaba sendo uma loteria, portanto não dá para arriscar pensando em uma demanda que não pode existir mais tarde.

É diante de um cenário complexo como esse que a Kia resolveu importar o novo Picanto para Brasil, como antecipou o Autoo no ano passado. O subcompacto, que é vendido no país há cerca de uma década, está agora na 3ª geração, lançada no ano passado no exterior.

Continua sendo um carro de dimensões modestas e voltado para o uso na cidade, por essa razão, não tem um público tão grande por aqui. Como não trará grandes volumes (estima-se que apenas algumas dezenas tenham sido trazidas no primeiro lote), o novo Picanto chegou ao país discretamente na versão GT Line, com visual esportivo.

O conteúdo, no entanto, é parecido com o da geração anterior: motor 1.0 de 3 cilindros flex, o mesmo usado pelo HB20, e apenas transmissão automática de 4 marchas. Ao menos no interior, o hatch exibe um painel mais completo com central multimídia no alto do console, partida por botão, comandos satélites no volante e bancos de couro, entre outros.

O preço sugerido do Picanto GT é de R$ 58.990, ou seja, R$ 1 mil a menos que um Fiat Argo 1.3 automatizado, um carro maior do que ele, mas que não traz todos os seus recursos.

Foco no Rio

Apesar da aparição discreta do Picanto, a Kia planeja ter um ano melhor do que 2017 no Brasil. A marca já está ampliando o portfólio de alguns modelos como o SUV Sorento e que deverá ganhar em breve versões com tração integral, assim como o Sportage.

A grande novidade do ano será o compacto Rio, este sim um modelo com perfil para agradar o brasileiro. Maior que o Picanto e produzido no México, o Rio deve chegar ao país no início do segundo semestre em vez de em março. Até lá, o jeito é não arriscar demais.

 
 
Kia Picanto 2018
 
Kia Picanto 2018
Kia Picanto 2018
Kia Picanto 2018
 
Kia Picanto 2018
Kia Picanto 2018
Kia Picanto 2018
 
Kia Picanto 2018
Kia Picanto 2018
Kia Picanto 2018
 
Kia Picanto 2018
Kia Picanto 2018
Kia Picanto 2018
 
Kia Picanto 2018
Kia Picanto 2018
 
 
Ricardo Meier

Publisher do AUTOO, é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier | http://www.jcceditorial.com.br/