Marchionne pede para que clientes não comprem 500 elétrico

Presidente da Fiat diz que empresa perde mais de 30 mil reais em cada carro vendido

Fiat 500e | Imagem: Fiat

Presidentes convidando clientes a comprar os carros da sua marca é comum vermos, inclusive na TV e na internet, mas ouvir de um chefão de montadora para fazer justamente o contrário parece piada. Mas não é.

Foi o Sergio Marchionne, presidente do grupo Fiat Chrysler, disse numa conferência nos Estados Unidos na semana passada. “Espero que vocês não comprem (o Fiat 500 elétrico) porque a cada venda eu perco 14 mil dólares (cerca de R$ 31 mil reais)”, explicou o executivo.

O Fiat 500e foi lançado nos Estados Unidos no início de 2013 com um preço equivalente a quase dois 500 a gasolina (mais de 32 mil dólares) e tem fracassado, para a ‘felicidade’ de Marchionne. Segundo a Fiat, foram vendidos 11,5 mil unidades do 500 nos EUA, mas a marca não diz quantos deles são elétricos.

Exceção

Para Marchionne, a única marca que lucra com carros elétricos é a Tesla “porque seus modelos custam caro” - a marca, de empresário do lucro Elon Musk, é queridinha dos astros de Hollywood.

Apesar do cetiscimo, o executivo acredita que em 2025 entre metade e três quartos dos carros vendidos na California (estado americano que incentiva veículos ecológicos) será de modelos híbridos.

Assine a newsletter semanal do AUTOO!