A Nissan realizou nesta sexta-feira (9) em São Paulo o Nissan Futures, evento onde revelou algumas diretrizes da marca para o próximo ano incluindo a região da América Latina. Pelo que pudemos constatar na apresentação de executivos da marca, o caminho para o longo prazo da Nissan no Brasil e demais mercados locais reside em dois pilares: a eletrificação de modelos e o investimento em carros autônomos.

Como já era conhecido desde o fim de 2017, a Nissan confirmou que o elétrico Leaf chegará ao Brasil e mais sete mercados da América Latina, no caso Argentina, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, Uruguai e Porto Rico. Também está em estudos, acrescenta a Nissan, a comercialização do Leaf em mercados como Peru e Panamá.

Segundo o presidente da Nissan do Brasil, Marco Silva, o volume de vendas do Leaf em nosso país deverá pequeno quando ele for lançado em 2019, ocupando o posto de carro de nicho por aqui. “Hoje, considerando que nada mude em termos tributários, o Leaf custaria por volta de R$ 200.000. Nós queremos trazer o modelo por um preço agressivo, que não fique muito distante em relação a um carro equivalente com motor a combustão”, acrescenta o executivo.

Ainda de acordo com Silva, a Nissan não definiu se o Leaf será comercializado em toda a rede de concessionárias ou por meio de vendas diretas. “Tudo dependerá do preço que a gente conseguir para ele. Só então definiremos nossa estratégia de vendas”, explica o principal executivo da Nissan no Brasil.

O Leaf estreou sua nova geração em setembro de 2017 no Japão e traz um conjunto bem interessante. O modelo conta com autonomia na casa de 400 km e seu motor elétrico entrega cerca de 150 cv e elogiáveis 32,6 kgfm de torque. Com um porte de carro médio, o elétrico conta com 4,48 m de comprimento, 1,79 m de largura, 1,54 m de altura e 2,70 m de entre-eixos. Pela análise das dimensões, podemos dizer que o Leaf deve entregar bom conforto e espaço interno para cinco ocupantes. O porta-malas com 435 litros de capacidade também confere ao modelo uma boa vocação familiar.

O novo Leaf conta com as tecnologias ProPilot de condução autônoma e o ProPilot Park, este uma evolução do assistente de estacionamento capaz de controlar todo o processo de baliza do carro de forma automática.

Hoje em dia a segunda geração do Leaf é oferecida em 60 países e o modelo já soma 300.000 unidades vendidas ao redor do mundo desde que foi lançado em 2010, um número que não deixa de ser muito bom considerando a proposta do modelo.

O cenário de carros eletrificados e autônomos no Brasil e região

Durante o Nissan Futures, a fabricante japonesa apontou uma série de tendências relevantes para a América Latina como um todo. Dentre elas está o fato de que 90% da população local irá residir em ambientes urbanos por volta de 2020.

Já uma pesquisa realizada com 5.700 pessoas de Argentina, Brasil, Chile, Colômbia e Peru revelou que 64% das pessoas consultadas estariam dispostas a comprar um veículo autônomo se o custo fosse semelhante ao de um veículo normal, enquanto outros 80% dos entrevistados estariam dispostos a comprar um veículo elétrico, uma vez que o consideram uma solução que contribui para a redução da poluição ambiental.

Pensando nessa boa aceitação dos latino-americanos envolvendo carros elétricos, a Nissan vai deverá investir fortemente nessa linha por aqui.

Além do próprio Leaf, uma das novidades que promete despertar grande interesse na região é o desenvolvimento de um Kicks híbrido, que, se concretizado, utilizará o sistema de propulsão e-Power. Com uma concepção um pouco diferente de um híbrido tradicional, o e-Power posiciona o motor a combustão apenas como um gerador de eletricidade para um conjunto de baterias de alta capacidade. A tração nos modelos equipados com o e-Power é realizada apenas pelo motor elétrico. 

Sem dúvida nenhuma, o Nissan Kicks equipado com o conjunto ganharia bem mais destaque inclusive no segmento, entregando uma eficiência ímpar dentro da categoria.

Questionado sobre a viabilidade do Kicks e-Power em nossa região, o presidente da Nissan do Brasil ainda se mantém evasivo. “Nós analisamos todas as possibilidades e um modelo com essa característica não está descartado”, declarou Marco Silva.

O que voltará a ser testado no Brasil, ainda nas palavras do executivo brasileiro, será o sistema de Célula de Combustível de Óxido Sólido, uma interessante tecnologia que permite extrair eletricidade de etanol puro ou de etanol diluído em água, portanto um projeto muito interessante para o mercado brasileiro. Ainda depende, contudo, de mais incentivos para que a Nissan torne o sistema viável para o país.

Já com relação à oferta de carros autônomos da Nissan em solo nacional, Marco Silva acrescentou que a tecnologia ainda precisa evoluir um pouco mais para lidar as variáveis do trânsito em nossa região. “Em 2022 os primeiros carros completamente autônomos começarão a circular no Japão. Eu estimo que, a partir desta data, ainda deverá levar em torno de 10 a 15 anos para que eles cheguem na América Latina. Mas tudo pode mudar, já que a tecnologia está evoluindo rápido demais e o prognóstico seja antecipado na mesma medida”, finaliza o presidente da Nissan do Brasil.

 
 
Nissan Leaf 2018
 
Nissan Leaf 2018
Nissan Leaf 2018
Nissan Leaf 2018
 
Nissan Leaf 2018
Nissan Leaf 2018
Nissan Leaf 2018
 
Nissan Leaf 2018
Nissan Leaf 2018
Nissan Leaf 2018
 
Nissan Leaf 2018
Nissan Leaf 2018
Nissan Leaf 2018
 
Nissan Leaf 2018
Nissan Leaf 2018
Nissan Leaf 2018
 
Nissan Leaf 2018
Nissan Leaf 2018
Nissan Leaf 2018
 
Nissan Leaf 2018
Nissan Leaf 2018
 
 
César Tizo

O "Guru dos Carros", César Tizo se juntou ao time este ano e está à frente dos portais AUTOO e MOTOO. É o expert em aconselhar a compra de automóveis

César Tizo | http://www.jcceditorial.com.br/