Perto do Brasil, Bronco Sport desaponta argentinos com consumo ruim

No geral, imprensa do país vizinho gosta do carro, mas ausência de motorização a diesel deixou a desejar na opinião deles
Ford Bronco Sport

Ford Bronco Sport | Imagem: Divulgação

O Ford Bronco Sport foi o primeiro modelo da nova família Bronco a sair das linhas de montagem da empresa no México, ainda no final do ano passado. O SUV é cotado para o Brasil e, enquanto não é confirmado, ele já pode ser reservado na Argentina, onde é oferecido em duas configurações: Big Bend e Wildtrack, que custam respectivamente US$ 44.200 (R$ 254,6 mil) e US$ 54.000 (R$ 311,1 mil). As entregas devem ter início por lá em abril. 

Com as primeiras unidades já circulando no país vizinho, a imprensa argentina já conseguiu avaliar o Ford Bronco Sport. Um dos veículos que já andaram na novidade foram os colegas do Argentina Autoblog, que testaram a versão mais cara Wildtrack. No geral, o modelo foi bastante elogiado, mas ficou devendo em um aspecto específico: motorização.

Ford Bronco Sport na versão Outer Banks
Argentinos aprovam Ford Bronco Sport, mas consumo e ausência de motor a diesel decepcionam
Imagem: Divulgação

O que o Ford Bronco Sport tem na Argentina?

A versão de entrada Big Bend traz sob o capô o motor 1.5 turbo a gasolina de três cilindros, sendo capaz de entregar 174 cv de potência e 26,3 kgfm de torque. O câmbio é sempre automático de 8 velocidades e a tração é integral com bloqueio eletrônico do diferencial traseiro. Entre os principais itens de série tem controle de estabilidade, 9 airbags. monitor de ponto cego, frenagem autônoma de emergência, multimídia com tela de 8 polegadas, sensor e câmera de ré, rodas de 18 polegadas, piloto automático, ar-condicionado automático de uma zona, sensor crepuscular, sensor de chuva e computador de bordo com tela de 4,2 polegadas.

Painel do Bronco Sport Outer Banks
Painel do Bronco Sport
Imagem: Divulgação

Já o Bronco Sport Wildtrack tem maior foco no fora-de-estrada e conta com modos adicionais de condução off-road, bloqueio eletrônico também para o diferencial dianteiro, rodas de 17 polegadas com pneus de perfil mais agressivo, bancos dianteiros com regulagem elétrica, ar-condicionado automático de duas zonas, computador de bordo com tela de 6 polegadas, sistema de som Bang & Olufsen, piloto automático adaptativo e teto solar. A grande diferença é o motor. Enquanto o câmbio e a tração são os mesmos, a versão mais cara trará o propulsor 2.0 turbo a gasolina de quatro cilindros gerando 240 cv e 38 kgfm. O câmbio é o mesmo automático de 8 marchas.

O que os argentinos acharam do Ford Bronco Sport?

Os jornalistas iniciaram a avaliação falando do visual do carro, descrito como musculoso e original. Foi dito também que, entre os principais SUVs que a Ford oferece na Argentina, como o Kuga e o Territory, o Bronco Sport se destaca como o mais atrativo. Sobre o interior, foi falado que o SUV não deixa nada a dever em relação aos seus principais concorrentes por lá, como o Jeep Compass Trailhawk, sendo elogiada a construção mexicana do carro, julgada como superior à vista no Territory, que vem da China.

De um lado, foram elogiados a praticidade do bagageiro de 566 litros e quantidade de tomadas de carregamento, sendo duas tomadas convencionais de 240V, duas USB e mais duas USB-C. Enquanto o nível de equipamentos, principalmente os de segurança, foi descrito como acima de qualquer outro rival naquele país, pelo preço, os argentinos sentiram falta da regulagem elétrica do banco do passageiro. Outra crítica foi a baixa visibilidade traseira, pois a janela do tampão traseiro é pequena.

Ford Bronco Sport na versão Outer Banks
Janela traseira pequena atrabalha visibilidade no Ford Bronco Sport
Imagem: Divulgação

Falando em críticas, os jornalistas do país vizinho não ficaram nada contentes com o consumo do motor 2.0 turbo a gasolina. Enquanto na cidade os testes indicaram 10,2 km/l em uso rodoviários, na cidade esse número caiu para apenas 5,9 km/l. Além disso, por se tratar de um modelo de proposta off-road, o Bronco Sport Wildtrack perde pontos por não oferecer motorização a diesel, segundo os argentinos.

Detalhe do interior com revestimento de couro no Bronco Sport Outer Banks
Detalhe do interior com revestimento de couro no Bronco Sport 
Imagem: Divulgação

A questão é que o motor turbo a gasolina não responde rápido em baixas rotações, exatamente o tipo de situação mais encontrada em trilhas mais difíceis, faltando-lhe torque. Porém, com bons espaço interno, isolamento acústico, conforto e dirigibilidade, o Bronco Sport se mostrou um modelo digno de nota na opinião do Argentina Autoblog.

Na conclusão, os jornalistas afirmaram que o nível de equipamentos que o Bronco Sport Wildtrack oferece não é encontrado em nenhum outro SUV desse porte na Argentina. Seus únicos defeitos ficam por conta do preço elevado, o fato de os lojistas da Ford de lá estarem cobrando ágio pelo carro e a ausência de uma motorização a diesel em uma configuração que se diz aventureira.

Por outro lado, o novo SUV compensaria por ter um excelente comportamento dinâmico e uma capacidade de sair do asfalto que está bem acima do que o usuário comum exige. No final, disseram que “estamos diante do melhor SUV do segmento C (compacto) do mercado argentino. Se o Bronco Sport já é tão bom, não quero nem imaginar como será o Bronco de verdade - puro e resistente - que virá depois. Jeep e Land Rover não atuam mais sozinhos neste segmento”.