Para poluir menos, Jeep 7 lugares nacional terá solução presente em caminhões

Solução conhecida como Arla 32 atua na redução da emissão de poluentes na atmosfera
Sugestão para o novo Jeep 7 lugares nacional mescla elementos de SUVs recentes da marca

Sugestão para o novo Jeep 7 lugares nacional mescla elementos de SUVs recentes da marca | Imagem: Kleber Silva/Autoo

Na última semana, surgiram rumores de que o propulsor 2.0 turbodiesel utilizado em modelos como Fiat Toro e os Jeep Renegade e Compass deveria passar por uma atualização com a chegada da linha 2022 para estes veículos. O propulsor passaria dos atuais 170 cv de potência e 35,7 kgfm de torque para mais de 200 cv e cerca de 40 kgfm.

Tal propulsor também deve ser utilizado pelo inédito Jeep de 7 lugares que utilizará a base do Compass, além de também poder oferecer o novo motor 1.3 flex turbinado em desenvolvimento pelo Grupo Stellantis. Com o propulsor a diesel renovado, o SUV maior deverá contar com transmissão automática de 9 marchas e tração integral.

No entanto, o maior desempenho do motor a diesel pode dar mais trabalho aos proprietários. De acordo com os colegas do Autos Segredos, o 2.0 turbodiesel mais potente exigirá o uso de uma solução de uréia diluída no tratamento dos gases de escape. O produto, conhecido como Arla 32 por conter 32,5% de uréia pura, geralmente usa um tanque separado e a solução já é utilizada em caminhões pesados. Ele atua na redução de emissões de poluentes na atmosfera.

O Arla 32 já é comumente encontrado em postos de combustível, mas exige abastecimento separado do diesel e o veículo pode não rodar se o componente estiver faltando. Ainda não se sabe se tais informações serão confirmadas pela Jeep para o SUV de sete lugares, que deve ter o nome revelado em abril. No entanto, na Europa, já é comum em carros de passeio a diesel a utilização de Arla 32.

Terceiro modelo que a Jeep vai produzir no Brasil, futuro SUV 7 lugares também chegará ao mercado europeu
Flagra do novo Jeep de 7 lugares na Europa
Imagem: Autocar