Lançado no Brasil em 2009, o City foi uma boa sacada da Honda na época. Por ser derivado do Fit, seu desenvolvimento estava meio que pago. Bastava para isso desenhar uma carroceria de três volume aproveitando o que fosse possível do versátil irmão. Era um período também que a Honda curtia o sucesso do New Civic, modelo que atraiu uma nova clientela para a marca, mas que também espantou quem gostava do visual pacato da gerações anteriores. Ou seja, com o City a montadora poderia oferecer uma opção mais previsível de sedã.

Para os padrões do final da década passada, o City era quase um sedã médio, bem mais espaçoso que os compactos com exceção do Renault Logan, por exemplo. Por isso, a Honda pôde cobrar um preço um pouco alto para ele e o resultado inicial foi bem: em 2010 ele foi o segundo carro da marca mais vendido do Brasil, só atrás do Fit e à frente do Civic, então já em declínio nas vendas.

A situação permaneceu positiva nos anos seguintes até que a Honda lançou a segunda e atual geração em 2014. Em vez de subir, as vendas empacaram por dois anos na casa das 25 mil unidades (contra 35 mil do ano de estreia). Com a crise e a concorrência interna de outros carros na linha de montagem, o City ficou em segundo plano nos últimos tempos. Agora, quatro anos após sua chegada, a segunda geração ganhou um leve e bem acertado facelift já na linha 2018. É esse carro na versão EX (segunda mais equipada) que o Autoo conviveu por uma semana.

Jeitão de Civic

Como é de praxe quando se atualiza o visual de um carro que pertence à outra geração busca-se imprimir nele os traços mais recentes da marca. É só lembra do veterano Clio em sua última fase no Brasil em que recebeu a grade dos modelos mais novos da Renault. Mas se nesse caso foi uma adaptação forçosa no City a frente "a la Civic" agradou. Deixou o sedã com aspecto de mais largo.

Para isso foi preciso redesenhar todo o conjunto óptico e a grade sem alterar encaixes ou o capô, o que reduz os custos para a montadora. De quebra, um novo para-choque, peça mais simples de ser alterada, e temos um novo carro.

Na parte traseira, ainda mais simplicidade. Além do para-choque novo, uma laterna com elementos repensados e que agora estão alinhados com a régua metálica da tampa do porta-malas. A adoção de rodas aro 16 com pneus de perfil baixo (185/55) deu o toque final nas versões LX, EX e EXL.

Cadê o ESP?

Além da parte estética, o City 2018 ganhou mais conteúdo, outra atitude esperada nesses casos. A versão EX, por exemplo, passa a contar com quatro airbags em vez de dois e um sistema de som superior com oito alto-falantes. Mas a Honda escorrega em não equipá-lo de série com uma central multimídia, privilégio da versão EXL. Em vez disso, continuamos com o sistema digital simplório com um tela de 5 polegadas e informações precárias. Por outro lado, a versão EX traz ar-condicionado digital com tela sensível ao toque, comandos satélites no volante, computador de bordo, câmera de ré e paddle-shifts no volante, entre outros.

O acabamento é bastante honesto, mesclando elementos em plástico com tecido e até couro como no volante. O City é um carro de rodar silencioso e peças bem encaixadas além de bancos bastante confortáveis. Ou seja, continua cumprindo sua proposta de direção fácil e previsível.

Por falar nisso, a parte mecânica não teve novidade e aí é um ponto onde a Honda anda abusando da sorte. Sim, o motor 1.5 flex e o câmbio CVT formam um bom conjunto, mas não dão conta de um carro com quatro ou cinco ocupantes. Retomadas ficam demoradas e a transmissão não tem agilidade para compensar isso. Com 116 cv e 15,3 kgfm de torque, o motor deve desempenho ao sedã, mas a Honda não parece disposta a evoluir nesse quesito.

O motor 1.5 turbo, sua maior novidade, continua como privilégio de carros caros ou importados. E pensar que ela tem há algum no exterior o propulsor 1.0 i-VTEC tubo de cerca de 130 cv de potência e que já foi insinuado para o Brasil.

Maior pecado, no entanto, é mesmo a ausência do controle de estabilidade e tração. Um item relativamente simples mas tão importante, hoje está disponível inexplicavelmente apenas no Fit. Difícil entender que outro argumento que não economia para o próprio bolso a Honda possa ter para não oferecer o item no City. A Toyota fez algo parecido com o Corolla, mas acabou se redimindo recentemente ao equipá-lo com ESP.

Concorrência bate na porta

Este ano, o City virou o lanterninha em vendas entre os veículos que a Honda produz na América do Sul. Perde até para o apagado WR-V, versão aventureira do Fit. Pode e deve melhorar após os retoques, mas levar o sedã para casa é ignorar carros melhores do que ele disponíveis no mercado a começar pelo próprio Fit.

Além de custar menos (R$ 2.300 para sermos exato), o Fit traz controle de estabilidade de série sem falar no sistema ULT, que permite que os bancos sejam rebatidos e configurados para transporte de vários itens. O City leva vantagem no porta-malas maior, mas perde em alguns aspectos no espaço interno. Ou seja, não existe razão para que o sedã seja mais caro a não ser a percepção (errônea) de que ele tem mais apelo perante os clientes (o que as vendas menores comprovam que não tem).

Mas é o novo Virtus, da Volkswagen, que demonstra como o City está deslocado no segmento. O sedã derivado do Polo que chegou ao mercado em fevereiro é superior em quase todos os aspectos ao Honda e custa pouco mais de R$ 2 mil na versão Highline.

 
 
Honda City 2018
 
Honda City 2018
Honda City 2018
Honda City 2018
 
Honda City 2018
Honda City 2018
Honda City 2018
 
Honda City 2018
Honda City 2018
Honda City 2018
 
Honda City 2018
Honda City 2018
Honda City 2018
 
Honda City 2018
Honda City 2018
Honda City 2018
 
Honda City 2018
Honda City 2018
Honda City 2018
 
Honda City 2018
Honda City 2018
Honda City 2018
 
Honda City 2018
Honda City 2018
Honda City 2018
 
Honda City 2018
Honda City 2018
Honda City 2018
 
Honda City 2018
Honda City 2018
Honda City 2018
 
Honda City 2018
Honda City 2018
Honda City 2018
 
Honda City 2018
Honda City 2018
Honda City 2018
 
Honda City 2018
Honda City 2018
Honda City 2018
 
Honda City 2018
Honda City 2018
Honda City 2018
 
Honda City 2018
Honda City 2018
Honda City 2018
 
Honda City 2018
Honda City 2018
Honda City 2018
 
Honda City 2018
Honda City 2018
 
 

O cliente do Virtus, no entanto, terá controle de tração e estabilidade de série assim como uma central multimídia que se conecta ao CarPlay e Android Auto (nem sonho no City). Se eles se equivalem em vários pontos como segurança (quatro airbags, Isofix), conforto (direção elétrica, ar digital, regulagem de altura e profundidade no volante e retrovisor externo elétrico), o VW sobra em desempenho com seu motor 1.0 turbo de injeção direta de 128 cv de potência (já pensou se o rumor fosse verdade e o City já tivesse o seu motor turbo?) e uma transmissão automática de seis velocidades.

O Virtus, na prática, chega a ser maior que o City em algumas medidas, embora tenha um porta-malas levemente menor (521 litros contra 536 litros). O consumo do City é um pouco menor, mas não proporcional à perda de potência e torque em relação ao Volks.

Em resumo, a sensação é que o “H” metálico colocado na grade está valendo muito mais do que o City EX 2018 entrega. Hora de melhorar o conteúdo ou baixar os preços.

Ficha técnica

Honda City 2018 EX 1.5 16V flex automático 4p
Preço R$ 77.900 (06/2018)
Categoria Sedã compacto
Vendas em 2017 15.977 unidades
Motor 4 cilindros, 1497 cm³
Potência 115 cv a 6000 rpm (gasolina)
Torque 15,2 kgfm a 4800 rpm
Dimensões Comprimento 4,455 m, largura 1,695 m, altura 1,485 m, entreeixos 2,6 m
Peso em ordem de marcha 1124 kg
Tanque de combustível 46 litros
Porta-malas 536 litros
Veja ficha completa

Publisher do AUTOO, é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier | http://www.jcceditorial.com.br/