O segmento de sedãs médios contou com boas novidades neste ano. A principal delas, obviamente, passou pela renovação completa do líder em vendas Toyota Corolla. A Chevrolet também trouxe atualizações pontuais para o Cruze e a Volkswagen reforçou a gama Jetta com a opção esportiva GLI, apenas para citar alguns destaques. Mesmo com a boa fama que ostenta no segmento, o Honda Civic também precisou se mexer para não acabar ofuscado em meio a tantos lançamentos.

A marca japonesa, contudo, foi muito mais comedida do que era esperado na passagem de ano/modelo da linha Civic. Para quem esperava alterações mais profundas no sedan médio, quem sabe até contemplando a introdução do pacote Honda Sensing de assistentes de condução, a estratégia da Honda foi um belo banho de água fria, trazendo como principal destaque apenas o resgate da versão LX para o Civic fabricado no interior paulista.

Pensando muito mais em atacar o novo Corolla em sua configuração GLi (R$ 99.990), a Honda coloca no mercado o Civic LX 2020 (R$ 97.900), tão somente para dizer que conta com uma opção do seu sedã médio abaixo da barreira psicológica dos seis dígitos no preço.

Para segurar o preço do Civic LX, a Honda arriscou na lista de equipamentos de série da nova versão. Ela fica devendo a central multimídia, por exemplo, aparelho que figura no Corolla GLi. Também não encontramos revestimento interno de couro no Civic LX, tipo de acabamento desejado pelos consumidores do segmento. O Corolla GLi ao menos mescla tecido com couro em algumas partes da cabine, o que já é um alento. Ainda no paralelo entre os dois sedãs, o Corolla posiciona-se na frente do Civic ao sair de fábrica com 7 airbags contra 6 do concorrente. Tanto o Honda quanto o Toyota recebem os controles de tração e estabilidade em todas as versões. Para dizer que o Civic LX não oferece nenhum recurso a mais que o Corolla GLi, a nova versão do Honda conta com ar-condicionado automático digital e freio de estacionamento eletrônico, duas boas conveniências no uso diário.

Há um público, contudo, que não liga tanto assim para itens de conectividade e tecnologia, priorizando muito mais a experiência com o carro em si. E, sob esse aspecto, é inegável que um bom sedan médio muitas vezes entrega um patamar de comportamento dinâmico raramente igualado por um SUV. Esse é o ponto, aliás, que faz modelos como o Civic e o Corolla resistirem bravamente ao avanço dos utilitários esportivos.

Não é por acaso que o Civic assumiu formas muito mais agressivas para a carroceria de sua geração atual, enfatizando seu caráter mais dinâmico. Esse é um caminho, ao que tudo indica, que muitos sedãs vão optar daqui para frente, como notamos também na recém-divulgada nova geração do Nissan Sentra nos EUA.

A bordo do Civic LX encontramos bom nível de espaço interno – suficiente para cinco pessoas – e um generoso porta-malas para 525 litros de bagagem, volume que credencia o sedan como um bom automóvel familiar.

Ao rodar, como citamos anteriormente, o Civic mostra muitas de suas virtudes. A calibração de suspensão, direção e até mesmo a modulação dos pedais ajudam a conferir mais alegria na condução do sedã. O modelo responde com precisão e agilidade a cada solicitação do motorista e seu conjunto mecânico, formado pelo motor 2.0 16V flex com até 155 cv e câmbio automático CVT, oferece um bom compromisso entre desempenho e economia de combustível. Segundo dados oficiais, o Civic é capaz de alcançar médias na faixa de 10,5 km/l na cidade e 13 km/l na estrada quando abastecido com gasolina.

Claro que, para quem deseja mais desempenho, dentro da gama Civic é possível optar pela configuração Touring com o 1.5 turbo de 173 cv, mas o preço apresenta um salto considerável, atingindo a cifra de R$ 134.900.

O rival Corolla, mesmo na versão GLi, traz sob o capô o motor de mesmo deslocamento do Civic LX, porém a unidade presente no Toyota é bem mais sofisticada, combinando recursos como a mescla das injeções direta e indireta para entregar até 177 cv com etanol. O novo Corolla 2.0 consegue registrar médias de 11,6 km/l em ciclo urbano e 13,9 km/l em percurso rodoviário, superando com boa margem os números do Civic.

Em resumo, o novo Civic LX 2020 surge na linha Honda como uma alternativa racional, por assim dizer, para quem gosta do sedan médio, mas não necessita, ou não faz questão, de uma lista de equipamentos mais generosa. Se você está um pouco indeciso dentro da categoria e não abre mão das marcas japonesas, talvez seja mais interessante cogitar a compra de um Toyota Corolla GLi em sua nova geração. Ele pode ser um pouco mais caro que o Civic LX, mas entrega um conjunto tão interessante quanto – até mais avançado na parte mecânica – sem deixar de lado itens de conforto como a central multimídia. Com isso, o Toyota desponta hoje em dia como uma excelente opção para quem não quer gastar mais do que R$ 100 mil em seu próximo sedan médio, em especial quando colocado lado a lado com o Civic LX. 

 
 
Honda Civic 2020
 
Honda Civic 2020
Honda Civic 2020
Honda Civic 2020
 
Honda Civic 2020
Honda Civic 2020
Honda Civic 2020
 
Honda Civic 2020
Honda Civic 2020
Honda Civic 2020
 
Honda Civic 2020
Honda Civic 2020
Honda Civic 2020
 
Honda Civic 2020
Honda Civic 2020
Honda Civic 2020
 
Honda Civic 2020
Honda Civic 2020
Honda Civic 2020
 
Honda Civic 2020
Honda Civic 2020
Honda Civic 2020
 
Honda Civic 2020
Honda Civic 2020
Honda Civic 2020
 
Honda Civic 2020
Honda Civic 2020
Honda Civic 2020
 
Honda Civic 2020
Honda Civic 2020
 
 

Ficha técnica

Honda Civic 2020 LX 2.0 16V flex automático 4p
Preço R$ 97.900 (11/2019)
Categoria Sedã médio
Vendas em 2017 25.877 unidades
Motor 4 cilindros, 1997 cm³
Potência 150 cv a 6300 rpm (gasolina)
Torque 19,3 kgfm a 4700 rpm
Dimensões Comprimento 4,637 m, largura 1,799 m, altura 1,433 m, entreeixos 2,7 m
Peso em ordem de marcha 1290 kg
Tanque de combustível 56 litros
Porta-malas 519 litros
Veja ficha completa

O "Guru dos Carros", César Tizo se juntou ao time este ano e está à frente dos portais AUTOO e MOTOO. É o expert em aconselhar a compra de automóveis

César Tizo | http://www.jcceditorial.com.br/