Já abordamos em algumas oportunidades aqui no Autoo nossa avaliação do Renault Kwid, mas faltava explorar uma característica muito importante do modelo: a convivência diária na cidade, ambiente para o qual ele foi concebido, e a sua frugalidade no consumo de combustível.

Basta você olhar a tabela do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular para constatar que o Renault Kwid é o carro mais econômico do Brasil entre os modelos não eletrificados, ou seja, descontando os automóveis com propulsão elétrica, híbrida ou híbrida plug-in. Esse fato é constatado ao levarmos em consideração o Consumo Energético, dado que é expresso em MJ/km e nos mostra quão eficiente determinado modelo pode ser.

No caso do Renault Kwid, em qualquer uma de suas versões o modelo alcança a ótima marca de 1,39 MJ/km, com médias oficiais de 10,3 km/l na cidade e 10,8 km/l na estrada, ambas com etanol. Trocando o combustível por gasolina, as médias alcançam 14,9 e 15,6 km/l, respectivamente. Graças aos excelente números, mesmo com um tanque bem pequeno, com capacidade para apenas 38 litros, o Kwid consegue uma boa autonomia.

Mesmo na versão mais equipada Intense, que traz central multimídia, ar-condicionado, direção com assistência elétrica, computador de bordo, câmera de ré e os importantes 4 airbags, o Kwid é um carro extremamente leve. Nessa configuração ele pesa apenas 786 kg, o que lhe confere um desempenho bem adequado ao uso urbano.

Apesar da aceleração de 0 a 100 km/h em 14,7 segundos e velocidade máxima de 156 km/h com etanol, o Renault Kwid não é um carro tão lento quanto os números podem sugerir. No uso cotidiano pela cidade, onde a velocidade das vias costuma ser bem restrita, o hatch atende muito bem o transporte de uma ou duas pessoas.

Ainda falando da convivência diária com o Renault Kwid, um ponto que favorece bastante o compacto é a boa altura livre em relação ao solo, no caso com 18 cm. Para quem precisa enfrentar o rali das ruas e avenidas brasileiras – muitas delas quase sempre longe da condição ideal – esse é um ponto que ajuda bastante.

 

O acabamento não é um ponto forte do Kwid, uma vez que ele foi pensado para ser barato e busca, em todo o seu projeto, os meios para atingir isso. Claro que você já tem que ter isso em mente ao optar pelo Kwid, mas, graças ao projeto moderno, a ergonomia do modelo é aceitável, com a maioria dos comandos bem posicionados, incluindo a central multimídia em uma localização de destaque no centro do painel como deve ser.

Em termos de espaço interno, podemos afirmar que o Kwid leva com relativo conforto dois adultos. Colocar quatro passageiros grandes no modelo vai exigir um pouco de “compreensão” por parte dos ocupantes. Logo, a aplicação do Kwid é claramente a de um carro para uma pessoa ou um casal sem filhos, de preferência para deslocamentos na cidade. Mesmo assim, o porta-malas do Kwid com 290 litros ajuda bem a comprir algumas tarefas como realizar uma compra maior no supermercado ou até mesmo uma pequena viagem. Mesmo hatches maiores, como o VW Polo e o Fiat Argo, contam com compartimentos para 300 litros, o que mostra como o porta-malas do Kwid é bom considerando seu porte.

Durante a avaliação do Autoo não relatamos problemas como ruídos excessivos ou quaisquer outras falhas, mas é comum encontrarmos relatos de proprietários do carro reclamando bastante sobre alguns defeitos apresentados pelo Kwid na medida em que os meses avançam. A série de campanhas de recall que a Renault convocou para ele também não caíram muito bem junto à opinião pública, em especial por se tratar de um modelo ainda recente nas lojas.

De qualquer forma, o Kwid preserva um inegável apelo para quem deseja ou apenas precisa de um carro compacto e fácil para o uso urbano. Aliado a isso, a Renault promove um custo de manutenção é peças muito acessível para o Kwid, o que faz dele também uma ótima opção de segundo ou terceiro automóvel da família. Até os 60.000 km, apenas como exemplo, você terá um custo acumulado de R$ 2.320 com revisões, o que é algo muito bom hoje em dia. Isso sem falar na economia com combustível, como mostramos no começo do texto.

Se é um carro para essa necessidade que você está em busca, o Renault Kwid pode (e deve) figurar em sua lista de opções. Ele pode não ter um projeto mais sofisticado que o VW up!, porém custa bem menos e ainda oferece uma carroceria mais ampla e bem mais porta-malas do que um Fiat Mobi. Logo, o Renault Kwid é um bom meio-termo entre esses dois modelos. 

 
 
Renault Kwid 2018
 
Renault Kwid 2018
Renault Kwid 2018
Renault Kwid 2018
 
Renault Kwid 2018
Renault Kwid 2018
Renault Kwid 2018
 
Renault Kwid 2018
Renault Kwid 2018
Renault Kwid 2018
 
Renault Kwid 2018
Renault Kwid 2018
Renault Kwid 2018
 
Renault Kwid 2018
Renault Kwid 2018
Renault Kwid 2018
 
Renault Kwid 2018
Renault Kwid 2018
Renault Kwid 2018
 
Renault Kwid 2018
Renault Kwid 2018
Renault Kwid 2018
 
Renault Kwid 2018
Renault Kwid 2018
Renault Kwid 2018
 
Renault Kwid 2018
Renault Kwid 2018
Renault Kwid 2018
 
Renault Kwid 2018
Renault Kwid 2018
Renault Kwid 2018
 
Renault Kwid 2018
Renault Kwid 2018
Renault Kwid 2018
 
Renault Kwid 2018
Renault Kwid 2018
Renault Kwid 2018
 
Renault Kwid 2018
Renault Kwid 2018
Renault Kwid 2018
 
Renault Kwid 2018
Renault Kwid 2018
Renault Kwid 2018
 
Renault Kwid 2018
Renault Kwid 2018
Renault Kwid 2018
 
Renault Kwid 2018
Renault Kwid 2018
 
 

Ficha técnica

Renault Kwid 2018 Intense 1.0 12V flex manual 4p
Preço R$ 39.990 (10/2017)
Categoria SUV compacto
Vendas em 2017 22.579 unidades
Motor 3 cilindros, 999 cm³
Potência 66 cv a 5500 rpm (gasolina)
Torque 9,4 kgfm a 4250 rpm
Dimensões Comprimento 3,68 m, largura 1,579 m, altura 1,474 m, entreeixos 2,423 m
Peso em ordem de marcha 786 kg
Tanque de combustível 38 litros
Porta-malas 290 litros
Veja ficha completa

O "Guru dos Carros", César Tizo se juntou ao time este ano e está à frente dos portais AUTOO e MOTOO. É o expert em aconselhar a compra de automóveis

César Tizo | http://www.jcceditorial.com.br/