Toyota Corolla ou Corolla Cross: qual é a melhor escolha?

Analisamos o sedã e o SUV médio tendo como balizador o custo-benefício
Produzidos no interior de São Paulo modelos compartilham plataforma e mecânica

Produzidos no interior de São Paulo modelos compartilham plataforma e mecânica | Imagem: Montagem Autoo sobre fotos de divulgação

Enquanto o Toyota Corolla dispensa apresentações, sendo uma referência global quando falamos em sedãs, seu novo irmão Corolla Cross foi desenvolvido para levar a reputação do nome famoso ao segmento de SUVs. 

A julgar pelos números iniciais de venda do Corolla Cross no Brasil, o modelo está caindo nas graças do público e promete ser um forte concorrente para o Jeep Compass.

Outro fato envolvendo a Toyota no país é a lealdade dos consumidores junto a marca, atributo conquistado pelo ótimo atendimento que a fabricante oferece aos seus clientes, a robustez dos seus veículos, entre outros pontos.

Logo, é natural você tenha chegado até esta análise por conta da situação particular que encontramos no portfólio nacional da Toyota: o que vale mais a pena, optar pelo sedã tradicional ou partir para o Corolla Cross?

Como os dois produtos compartilham a plataforma e os conjuntos mecânicos, um balizador interessante para esclarecermos a questão fica por conta do custo-benefício. 

Versões mais procuradas 

A opção mais escolhida pelos brasileiros quando o assunto é Corolla reside no catálogo XEi, a qual conta com os itens de série mais desejados pelos clientes da categoria.

Hoje tabelado em R$ 135.290 na maior parte do território nacional, o Toyota Corolla XEi sai de fábrica com 7 airbags, controles de tração e estabilidade, revestimento interno de couro, central multimídia, chave presencial, ar-condicionado automático digital, entre outros. 

No universo do Toyota Corolla Cross, por sua vez, a versão com proposta equivalente é a XRE, que chega ao mercado por R$ 157.090 e espelha a lista de itens de série do Corolla XEi. 

Tanto o Corolla Cross XRE quanto o Corolla XEi contam com o motor 2.0 Dynamic Force sob o capô, que entrega até 177 cv e 21,4 kgfm de torque com etanol, atuando sempre em conjunto com a caixa CVT mais moderna da marca. Ambos têm desempenho satisfatório e médias de consumo comedidas, portanto merecem nota 10 no quesito eficência. 

Diferença está nos detalhes

Se, a princípio, Corolla e Corolla Cross nascem “gêmeos”, mudando apenas a silhueta de suas carrocerias, os modelos produzidos no interior de São Paulo reservam algumas diferenças técnicas. 

No caso do sedã, temos um ponto muito favorável que é a presença da suspensão independente nas quatro rodas, com direito ao layout multibraço para as rodas traseiras.

No Corolla Cross brasileiro, a Toyota optou exclusivamente pela configuração eixo de torção para a suspensão traseira do SUV. Se favorece a robustez do conjunto, o que faz mais sentido em um SUV, é fato que a disposição adotada no sedã é mais sofisticada e eleva os níveis de conforto e dinâmica do modelo. 

Nos EUA, as versões com tração integral do Corolla Cross recebem suspensão independente, vale mencionar. 

Outro dado a ser considerado na escolha entre os dois Toyota é que o sedã tem uma discreta vantagem no compartimento de cargas.

Enquanto o porta-malas do Corolla pode transportar 470 litros de bagagens, o Corolla Cross tem uma capacidade nominal de 440 litros.

É fato que o compartimento de um SUV será sempre mais versátil, uma vez que possibilita a acomodação de objetos mais volumosos de forma mais fácil, já que a área até o teto do veículo pode ser utilizada. Contudo, se nos atermos apenas aos números, o sedã leva vantagem. 

Conclusão

A menos que você tenha predileção por um dos dois tipos de carroceria, fica claro que o Toyota Corolla surge como uma compra melhor em relação ao inédito irmão SUV.

Do ponto de vista financeiro, temos uma enorme diferença de R$ 21.800 entre o sedã e o SUV médio, sendo que o Corolla Cross não entrega mais equipamentos e ainda tem um conjunto de suspensão menos sofisticado.

Em termos de espaço interno, os dois produtos são equivalentes, com uma leve vantagem para o sedã na área livre para as pernas dos ocupantes do banco traseiro. Alinhado a isso, o porta-malas do Corolla, apesar de menos versátil, supera o do irmão SUV em capacidade volumétrica.

Se extrapolarmos a comparação entre Corolla e Corolla Cross além das respectivas versões XEi e XRE, a vantagem do sedã também permanece nos catálogos com a mecânica híbrida flex compartilhada entre os dois. 

Logo, para quem deseja estacionar um Corolla na garagem, apesar da febre dos SUVs, o sedã deixa claro que ainda entrega um robusto pacote de vantagens.

Toyota Corolla 2020
Toyota Corolla na versão XEi: sedã leva vantagem no custo-benefício
Imagem: Divulgação