Carros brasileiros são ''comprovadamente letais'', aponta agência dos EUA

Segundo a Associated Press, montadoras preferem ter margem de lucro maior a tornar seus automóveis mais seguros no Brasil

Renault Sandero | Imagem: Latin NCAP

A qualidade dos automóveis fabricados pela indústria automobilística brasileira foi duramente questionada em reportagem da agência de notícias Associated Press. Segundo a publicação, os carros feitos no Brasil são “comprovadamente letais”, levando em consideração os recentes crash-tests realizados pelo Latin NCAP, que segue os mesmos padrões de ensaios de colisões realizados na Europa pelo Euro NCAP.

O texto cita a situação alarmante do trânsito brasileiro, onde em 2010 mais de 9 mil pessoas morreram em acidentes de carro. No mesmo ano, 12.400 americanos sucumbiram nas mesmas condições. No entanto, a frota norte-americana é cinco vezes maior que a brasileira. Ou seja, morrem quatro vezes mais brasileiros no trânsito que americanos. E o número continua crescendo, apontou a AP.

À reportagem, montadoras consultadas responderam que obedecem a lei brasileira, que não é exigente quanto a segurança. “Airbags e freios ABS, por exemplo, só serão obrigatórios em 2014″, cita o texto. A agência também comenta sobre o caso do Nissan March, que no Brasil teve duas estrelas na avaliação de segurança e na Europa, quatro. Na época a montadora japonesa afirmou que o padrão dos testes eram diferentes, o que depois foi negado pelo diretor técnico do Global NCAP.

Veja mais: Cintos de segurança de modelos nacionais são reprovados

Como explica a matéria, os principais defeitos dos carros populares à venda no Brasil são “soldas fracas, materiais inferiores e projetos desenvolvidos sem preocupação com segurança”. Outros fatores são a falta de exigências do governo por carros melhores e mais seguros e também o fato do consumidor não se preocupar com o assunto.

“O segredo da carroceria de um carro capaz de suportar o teste de colisão com um boa nota são os pontos de solda. A versão brasileira tem a mesma aparência do lado de fora, mas por dentro estão faltando várias peças. O que está dentro ninguém pode ver”, contou a AP um ex-funcionário da Volkswagen, que trabalhou durante 30 anos na divisão brasileiro e que preferiu manter anonimato.

“A indústria faz apenas o necessário. É algo enlouquecedor. Esses problemas (com as soldas) foram vistos nos EUA na década de 1960”, apontou David Ward, diretor da Federação Internacional do Automóvel, à agência.

Dinheiro não é problema

A reportagem também crítica a alta margem de lucro das montadoras no Brasil. Segundo a consultoria IHS, a margem global das fabricantes é de 3% e nos EUA o número chega a 5%. No Brasil, a margem é de 10%, uma das maiores do mundo.

Por outro lado, o texto ainda reconhece que os custos de produção também são altos no Brasil e cita o exemplo da eletricidade usada nas fábricas, que equivalem a 20% do custo do veículo produzido no Brasil.

Assine a newsletter semanal do AUTOO!