JAC Motors chega à Argentina pelas mãos da família Macri

Picape média e utilitário esportivo S2 (T40) serão os primeiros modelos vendidos no país vizinho
JAC T6 Frison 2017

JAC T6 Frison 2017 | Imagem: Divulgação

Quem imagina que o Brasil foi o país de estreia da JAC Motors na América Latina está enganado: foi a Bolívia que viu os primeiros carros da marca chinesa ainda nos anos 90. De lá para cá, a montadora ensaiou até de fato começar a vender seus carros no mercado brasileiro, em 2011. Agora, sete anos depois que a montadora chinesa chegará à Argentina e pelo Grupo Socma, que pertence a família Macri.

A apresentação da marca ocorrerá em março, porém os modelos só começarão a ser vendidos em junho. O anúncio foi feito pelas redes sociais da JAC Motors Argentina. Por lá, sem o apresentador Fausto Silva, a marca tem o lema: “Você vai se apaixonar!”, e como a nova estratégia adotada no Brasil, serão vendidos carros de segmentos um pouco mais luxuosos, diferente do plano de ação de 2011, em que a montadora trouxe automóveis populares com preço competitivo.

A princípio, a fabricante chinesa terá a picape T6 (mesmo nome do SUV rebatizado no Brasil), que vai competir no mercado argentino com a Toyota Hilux (e que também será vendida por aqui em breve). O modelo chinês vem equipado com motor 1.9 litro de 127 cv de potência, com transmissão manual de seis velocidades e tração 4x4. A capacidade de carga é de uma tonelada.

Outro modelo a ser vendido é o S2, o “nosso” T40. Assim como aqui, o aventureiro terá concorrentes conhecidos do público brasileiro, como Ford EcoSport e Nissan Kicks, este que passará a ser importado do Brasil nos próximos meses e não mais do México.

O S2 vem equipado com motor 1.5 litro de 112 cv de potência, diferente do “brasileiro”, que tem propulsor flex de 127 cv, no etanol e 125 cv de força, na gasolina. A transmissão será automática ou manual. Vale lembrar que, a transmissão CVT deve chegar em abril ao mercado brasileiro.

Apesar de anunciar apenas dois modelos, a montadora chinesa deverá ter uma ampla gama de veículo, como acontece aqui, no Chile e na Bolívia.

Grupo Socma

A JAC Motors Argentina será gerida pelo grupo Socma, que controla a importação da Chery e da DFSK, que no Brasil é comercializada como parte da linha de veículos da Effa Motors. Dentro do grupo, a empresa responsável pelas vendas dos carros chineses será a Sidequip, comandada pelo empresário argentino Serafin Álvarez Tato, com ligações fortes com o Franco Macri, ítalo-argentino responsável por levar a Fiat ao mercado argentino, além de ser pai do presidente da Argentina, Mauricio Macri. Desde 2010, o grupo é gerido pelos seus filhos.

Novos rumos no Brasil

A JAC Motors, trazida pelo Grupo SHC, do empresário Sergio Habib, começou no mercado brasileiro em 2011 de forma agressiva, com forte campanha publicitária e preços competitivos para o compacto J3. Porém, com o IPI de 30 pontos percentuais e o Inovar Auto, a marca perdeu força. Foi quando mudou de estratégia.

A montadora deixou de vender os populares J3 e J3 Turin, e passou a comercializar SUVs, minivans, sedã e caminhões urbanos. O modelo de maior demanda hoje é justamente o T40, que desde seu lançamento em 2017 já teve 1.237 unidades vendidas.

Com o cancelamento da fábrica na Bahia, a JAC anunciou uma mudança de local. Agora, a unidade fabril será instalada em Anápolis, Goiás, onde produzirá 35 mil carros ano e gerará 820 empregos diretos e indiretos. O primeiro carro a ser fabricado é o T40. Além da nova fábrica, o investimento será menor, na casa de R$ 200 milhões, diferentemente da experiência baiana, em que o investimento previsto era de R$ 1 bilhão sem que ela tivesse saído do chão.

Assine a newsletter semanal do AUTOO!