Jeep pode deixar de oferecer sistema híbrido-leve no Wrangler

Mais simples, opção já era utilizada apenas em poucas versões. Chegada de híbridos convencionais pode ter decretado o fim
Jeep Wrangler 2019

Jeep Wrangler 2019 | Imagem: Divulgação

A Jeep já confirmou a chegada de opções híbridas para Renegade e Compass em nosso mercado. Inicialmente, a previsão era a de que as novidades chegassem por aqui no segundo semestre. As novas versões eletrificadas, batizadas de 4xe, também serão oferecidas no Wrangler e, por conta disso, o utilitário mais robusto perderá opções de motorização.

Na mudança do ano modelo 2019 para 2020, a Jeep passou a oferecer uma opção híbrida-leve para o Wrangler, mas apenas na versão Sahara. Anteriormente, o sistema era de série em qualquer configuração equipada com motor 2.0 turbo a gasolina de quatro cilindros. Para a linha 2021, o site Mopar Insiders afirma que a rede de concessionárias Jeep dos EUA já foi informada de que a opção deixará de existir no 2.0, sendo oferecida apenas ao 3.6 V6 a gasolina.

No sistema de propulsão híbrida-leve, o motor elétrico não tem capacidade de mover o carro sozinho. Menor e mais leve, acaba ocupando menos espaço e sendo menos complexo. No entanto, pode atuar como gerador e motor de partida, ao passo em que apenas auxilia o motor a combustão nas arrancadas, atingindo assim um consumo de combustível melhor.

Especula-se na mídia norte-americana que a retirada da opção híbrida-leve nos Wrangler 2.0 turbo a gasolina venha do fato de a Jeep já ter planejado a estreia exatamente da versão híbrida convencional 4xe, cabendo a esta novidade o papel de configuração mais eficiente entre as opções eletrificadas. Além disso, o Jeep Wrangler 4xe também poderá contar ainda com sistema plugável, tendo as baterias carregadas por tomada e dando capacidade de locomoção 100% elétrica em curtos trajetos.

Confira aqui os detalhes dos Jeep Renegade e Compass híbridos no Brasil

Jeep Wrangler 2019
Jeep Wrangler 2019
Imagem: Divulgação
Assine a newsletter semanal do AUTOO!