O grupo CAOA, do empresário Carlos Alberto de Oliveira de Andrade, é conhecido pela agressividade nas vendas, muitas vezes questionada pelos concorrentes. Mas também é uma empresa afeita a desafios. Primeiro ao bancar a vinda da Renault na década de 90, época em que seus carros não primavam pela atualidade. Mais tarde assumiu a respresentação da Hyundai quando a marca sul-coreana era conhecida apenas por utilitários e alguns veículos de cores chamativas. O resultado nem precisa ser explicado hoje, tamanha a presença da Hyundai no mercado brasileiro.

Agora, no entanto, a CAOA terá uma tarefa bastante árdua: transformar a chinesa Chery numa marca viável no Brasil. Apesar de não faltar dinheiro ao grupo chinês, até hoje a atuação da montadora é discreta e cheia de percalços. Ela chegou ao país em 2009 com produtos apagados e de baixa qualidade. Logo mudou de estratégia ao decidir construir uma fábrica no Brasil, mas nem isso foi suficiente para mudar esse panorama.

Foi com esse cenário que a CAOA decidiu assumir o controle da Chery no mercado brasileiro por meio de uma associação com os chineses, anunciada no final do ano passado e cujo primeiro fruto será apresentado no próximo dia 28, o SUV compacto Tiggo 2.

Apesar de usar o nome do primeiro carro que a Chery lançou no Brasil há oito anos, o Tiggo 2 é um veículo completamente novo e sem relação com seu irmão mais velho. Tem 4,2 m de comprimento, 1,76 m de largura, 1,57 m de altura e 2,555 m de entreixos. Ou seja, é ligeiramente menor que um Honda HR-V, o líder do segmento onde atuará.

A parte mecânica deve utilizar itens do Celer, o compacto nacional que estreou a linha de montagem de Jacareí (SP). O motor 1.5 flex de apenas 113 cv, no entanto, contará com opção automática (CVT) além da manual.

"Melhor marca DO MUNDO"

O Tiggo 2, inclusive, já deveria ter sido lançado no mercado há tempos. A Chery o apresentou durante o Salão do Automóvel em novembro de 2016, porém, com a negociação com a CAOA se arrastando no ano passado, acabou postergando sua chegada às lojas. Depois, o grupo brasileiro optou por melhorar alguns aspectos do utilitário esportivo a fim de causar melhor impressão no público.

Se não inova em nenhum sentido, o Tiggo 2 pode ser o ponto de partida de uma estratégia mais ousada que, espera-se, inclua valores mais em conta que a concorrência e aspectos de pós-venda que possam reverter a imagem desgastada da Chery com sua clientela.

Para completar, a nova marca deve lançar durante o ano outros modelos como o Tiggo 7, um SUV maior e que já circula pela país em testes. Para a CAOA, a Chery certamente passará a ser a “melhor marca de automóveis do mundo”, como dizia o narrador dos comerciais da Hyundai e que já passou a anunciar a chegada da montadora na TV.

 
 
Chery Tiggo 2 2017
 
Chery Tiggo 2 2017
Chery Tiggo 2 2017
Chery Tiggo 2 2017
 
Chery Tiggo 2 2017
Chery Tiggo 2 2017
SUV Tiggo 2 e, ao fundo, o sedã Arrizo 5: Chery muda tudo para tentar emplacar mais uma vez
 
SUV Tiggo 2 e, ao fundo, o sedã Arrizo 5: Chery muda tudo para tentar emplacar mais uma vez
SUV Tiggo 2 e, ao fundo, o sedã Arrizo 5: Chery muda tudo para tentar emplacar mais uma vez
Chery Tiggo 2 2018
 
Chery Tiggo 2 2018
Chery Tiggo 2 2018
Chery Tiggo 2 2018
 
Chery Tiggo 2 2018
Chery Tiggo 2 2018
Chery Tiggo 2 2018
 
Chery Tiggo 2 2018
Chery Tiggo 2 2018
Chery Tiggo 2 2018
 
Chery Tiggo 2 2018
Chery Tiggo 2 2018
Chery Tiggo 2 2018
 
Chery Tiggo 2 2018
Chery Tiggo 2 2018
 
 
Ricardo Meier

Publisher do AUTOO, é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier | http://www.jcceditorial.com.br/