Novo Peugeot 2008: longe do Brasil, SUV agrada no México

Grupo PSA já afirmou que o modelo não será fabricado na América do Sul, que terá solução própria sobre a plataforma CMP
Maior e mais sofisticada, a segunda geração do Peugeot 2008 abre espaço para modelo de menor porte

Maior e mais sofisticada, a segunda geração do Peugeot 2008 abre espaço para modelo de menor porte | Imagem: Divulgação

Desde o lançamento do Peugeot 208, tiveram início os questionamentos sobre sua variante SUV, o 2008. Com investimentos milionários no Brasil e na Argentina para a construção da moderna plataforma CMP, a nova geração do utilitário esportivo não será fabricada na região, com o Grupo PSA (Peugeot-Citroën) afirmando que teremos uma solução própria.

O resultado disso que é o novo Peugeot 2008 está cada vez mais longe do mercado brasileiro, enquanto o novo SUV que está sendo desenvolvido para cá já foi flagrado na Índia. Porém, no México, o modelo é oferecido normalmente e já pode ser equipado com os novos motores 1.2 turbo da marca, algo que sentiu-se falta no 208 feito na Argentina. Por lá, a nova geração do SUV está agradando e o site Motorpasión avaliou o modelo.

O que ele traz?

A unidade avaliada pelos mexicanos era a topo de linha GT. Mais completa da gama, custa 506.900 pesos mexicanos, ou o equivalente a cerca de R$ 133,4 mil na conversão direta da moeda. Entre os principais itens de série já traz faróis de LED, teto solar panorâmico, rodas de 18 polegadas, bancos revestidos parcialmente de couro, ar-condicionado automático, teto pintado de cor contrastante e controle de cruzeiro.

O modelo também conta com o i-Cockpit, trazendo volante de diâmetro reduzido e painel de instrumentos digital com efeito tridimensional. A central multimídia é compatível com Android Auto e Apple Car Play e o carro dispõe ainda de um carregador para smartphones sem fio. A cabine traz ainda costuras contrastantes nos acabamentos e nos bancos.

Interior da nova geração do Peugeot 2008
Interior da nova geração do Peugeot 2008
Imagem: Divulgação

Mecanicamente, o Peugeot 2008 GT mexicano traz o conjunto motriz que era muito aguardado no 208 nacional, mas que não chegou por aqui. Trata-se de um 1.2 tricicilíndrico turbinado. Ele é capaz de entregar 155 cv de potência e 24,4 kgfm de torque. A força chega apenas às rodas dianteiras por meio de uma transmissão automática de oito marchas. As opções de entrada por lá têm o mesmo motor, mas com 130cv, e um câmbio automático de seis relações. O carro tem 4,30 m de comprimento e o porta-malas acomoda 430 litros de bagagens. Tudo isso resulta em um peso de 1.255 kg no caso da versão GT.

O que os mexicanos disseram?

A publicação mexicana abriu o vídeo comentando que, em um segmento tão disputado quanto o dos SUVs compactos, é difícil empolgar ou se destacar. No entanto, o Peugeot 2008 não só teria conseguido essa proeza como o próprio apresentador admitiu que era o primeiro utilitário esportivo dessa categoria que ele considerou comprar para uso próprio.

O visual do novo 2008 foi amplamente elogiado exatamente por trazer algo novo para a categoria, onde é difícil distinguir um carro do outro. Os elogios continuaram no interior com o mesmo tema: visual diferenciado e qualidade. O carro contava ainda com acabamento superior, impressionando os mexicanos que afirmaram se tratar de um carro mais próximo de uma marca premium do que o passado generalista da Peugeot sugere. Por dentro, o SUV recebeu apenas duas ressalvas: a ausência da saída de ar-condicionado para o banco traseiro e o excesso de funções concentradas da central multimídia, fazendo do seu uso algo um tanto confuso.

Peugeot e-2008
Peugeot 2008
Imagem: Divulgação

Em termos dinâmicos, os mexicanos se disseram satisfeitos com o desempenho do pequeno 1.2. Apesar de não ter a aceleração de um esportivo, consegue sair da imobilidade com pouco esforço, o que é bom também para retomadas e para manter velocidades de estrada. O funcionamento do câmbio foi pouco percebido. O consumo obtido pela publicação foi de cerca de 11 km/l em uso urbano, chegando a 15 km/l na rodovia.

Foi dito que os três modos de condução (Eco, Normal e Sport) estão bem balanceados, com o primeiro deixando o acelerador bastante anestesiado em nome da economia. Já o Sport agradou também por dar mais peso à direção com assistência elétrica. Em termos dinâmicos, o novo 2008 foi descrito como um veículo mais “europeu”, por ter uma suspensão mais firme com o intuito de fornecer uma condução mais conectada, o oposto do visto nos SUVs norte-americanos e japoneses oferecidos por lá.

Na conclusão, o Peugeot 2008 foi descrito como uma ótima opção para quem busca se diferenciar no segmento dos SUVs compactos por sua mescla de visual, acabamento e comportamento dinâmico. Foi ressaltado apenas que o valor da configuração mais completa GT fica acima dos rivais e, pelos preços cobrados, sentiu-se falta de itens como frenagem autônoma de emergência e um sistema de câmeras com visão 360 graus.

Assine a newsletter semanal do AUTOO!