O dilema da Tostines chegou ao mercado automobilístico: afinal, o comprador de carros compactos é racional por natureza ou age assim porque não tem opção? Carros como o Gol, o Celta, Palio e o Uno Mille saem quase sempre com o mínimo possível das concessionárias afinal, para muitos, o fato de comprar um veículo zero km já é uma vitória em si.

A Fiat, com o novo Uno, quer quebrar essa tendência. O compacto, lançado nesta terça e quarta-feira na Praia do Forte, Bahia, tem como um dos principais atrativos a personalização. Por meio de adesivos e cores chamativas, o modelo pode ser combinado de várias maneiras, como vimos nas unidades de teste do evento.

E mais: o desenho alegre e descompromissado rompe com as linhas elegantes e esguias dos seus rivais. O Uno é um carro de formas simples como um brinquedo. O estilo foi batizado de “quadrado arredondado” e tudo nele remete a essa escolha estética.

A frente é alta e sem a tradicional grade – a entrada foi toda deslocada para baixo -, os faróis são retangulares, mas com as setas puxadas para fora e as caixas de rodas fogem do tradicional arco para se distanciarem dos pneus acima e ficarem próximas nos lados. Três pequenos quadrados à esquerda da parte frontal dão o toque final no exterior.

Interior elaborado

A novidade estética, no entanto, não significa um interior diferente. O Uno é convencional nesse sentido. Seu espaço interno é semelhante ao do Palio, apenas com vão maior no teto. Curiosamente, apenas a cobertura do painel de instrumentos é circular, assim como o velocímetro e o pequeno painel digital com informações do combustível e da temperatura, uma herança clara do Cinquecento. Dele também vieram os acionadores dos vidros dianteiros, instalados no console central – não há opção de atuadores elétricos nas portas traseiras.

Os comandos e botões são comuns a outros modelos, mas bem distribuídos. Há elementos de outros carros como as hastes do volante (Palio), botões do sistema MyCar (Punto) e porta-objetos superior (Idea), mas no geral o projeto é inédito. Por falar nisso, o modelo traz até mesmo apoio para o pé esquerdo, comum em carros mais caros.

Para aliviar a parte externa do cockpit, a Fiat concentrou no centro do modelo os ajustes dos bancos tanto de altura quanto de inclinação. Por outro lado, optou por instalar um apoio de cabeça fixo na frente e do tipo vírgula, retrátil, atrás.

O acabamento, no entanto, é o ponto alto do interior. Há muito plástico, mas com textura agradável e mesclado com tecidos e outros tipos de material. Se o cliente assim desejar, poderá aplicar uma cobertura na parte central do painel com diversos temas, assim como na alavanca do câmbio. A Fiat só esqueceu ou não quis oferecer o computador de bordo no modelo, assim como o ajuste de profundidade do volante e os retrovisores elétricos. Talvez queira preservar algumas vantagens do Palio, que é mais caro.

Se o cockpit é agradável o mesmo não se pode dizer do porta-malas. Menor que o do Mille, o compartimento tem piso deformado pelo estepe que se sobressai na superfície. O triângulo de emergência não encontrou um lugar para ser guardado e fica preso ao carpete no meio do porta-malas. Há um trabalhoso sistema de rebatimento dos bancos traseiros que pode ser ajustado em duas posições e oferecer mais 10 litros aos 280 originais, mas não existe a opção bi-partida, mais prática.

Em movimento

O novo Uno ganhou motores retrabalhados para serem mais econômicos e limpos. De quebra, houve uma leve melhora no desempenho, mas que não se refletiu no dia-a-dia. Batizados de Evo, os motores Fire 1.0 e 1.4 ganharam bielas maiores para minimizar o atrito. Além disso, o motor maior passa a contar com um sistema de variação de fase contínuo que atrasa a abertura das válvulas em rotações baixas.

Se possuem acabamentos parecidos no interior, as quatro versões disponíveis – Vivace, Attractive e Way 1.0 e 1.4 – mostram comportamento sutilmente diferente nas ruas. Os dois modelos com visual off-road são mais lentos e têm câmbio com escalonamento mais curto. Apesar de chegarem num giro muito alto a 120 km/h (3 800 rpm no 1.4 e 4 100 rpm no 1.0), o isolamento acústico do carro é muito bom.

A posição de dirigir não é tão alta e artificial quanto no Palio e o volante está mais na vertical. Não chega a ser a sensação de um carro com pegada mais esportiva, mas o posicionamento é adequado. O painel é bem alto, apesar do pára-brisas inclinado.

A direção hidráulica tem peso adequado e respostas não tão velozes, enquanto o câmbio tem engates longos, mas macios. A suspensão também é macia, mas sem deixar o carro rolar – a Fiat diz que o Uno é o melhor nesse aspecto no seu segmento. A visibilidade é boa, apesar da frente alta e do vidro traseiro pequeno. Em suma, um carro fácil de dirigir, mas mais na mão que o Palio.

Assim como o Gol G5 deixou seu antecessor vivendo de sobras, o novo Uno deve fazer suas vítimas internamente. Mas, ao contrário do rival da VW, o modelo que deverá sofrer mais com sua presença é o Palio Fire, com visual antigo e preço semelhante. O Mille deve sobreviver devido ao preço barato e à imagem de resistência.

Outros carros devem ter problemas com ele, como o próprio Palio ELX 1.0 e também o 1.4. Do lado da concorrência, o novo Uno pode virar uma pedra no sapato do Celta, Clio, Ka e até mesmo do Fox 1.0 e do Agile, aqui com a versão Attractive 1.4 - o Gol, por seu perfil esportivo, não parece ser ameaçado.

Mas, afinal, qual a resposta do Tostines da Fiat? Será que o cliente do novo Uno irá personalizar o seu carro com os variados decalques e apliques temáticos e, assim, quebrar a monotonia do prata e do preto nas ruas? Ou o compacto se sairá bem pelas suas virtudes racionais como preço baixo, espaço interno e acabamento? Os próximos meses nos dirão.

 
 
Fiat Uno Attractive 1.4 2011 Fiat Uno Attractive 1.4 2011
Fiat Uno Way 1.0 2011 Fiat Uno Way 1.0 2011
Fiat Uno Way 1.0 2011 Fiat Uno Way 1.0 2011
Fiat Uno Attractive 1.4 2011 Fiat Uno Attractive 1.4 2011
Fiat Uno Attractive 1.4 2011 Fiat Uno Attractive 1.4 2011
Fiat Uno Attractive 1.4 2011 Fiat Uno Attractive 1.4 2011
Fiat Uno Way 1.4 2011 Fiat Uno Way 1.4 2011
Fiat Uno Way 1.4 2011 Fiat Uno Way 1.4 2011
Fiat Uno Way 1.4 2011 Fiat Uno Way 1.4 2011
Fiat Uno Way 1.4 2011 Fiat Uno Way 1.4 2011
Fiat Uno Vivace 1.0 2011 Fiat Uno Vivace 1.0 2011
Fiat Uno Vivace 1.0 2011 Fiat Uno Vivace 1.0 2011
 
 

Ficha técnica

Fiat Uno 2011 Attractive 1.4 8V flex manual 4p
Categoria Hatch compacto
Vendas em 2017 34.332 unidades
Motor 4 cilindros, 1368 cm³
Potência 85 cv a 5750 rpm (gasolina)
Torque 12,4 kgfm a 3500 rpm
Dimensões Comprimento 3,77 m, largura 1,636 m, altura 1,49 m, entreeixos 2,376 m
Peso em ordem de marcha 925 kg
Tanque de combustível 48 litros
Porta-malas 280 litros
Veja ficha completa

Publisher do AUTOO, é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier |