O Mobi estreou no mercado no começo de 2016 sob desconfiança. Afinal , qual seria seu trunfo de vendas se era menor e mais gastão que o Uno, de quem assumia a posição de carro de entrada da Fiat? Na prática, as vendas custaram a embalar e nesse meio tempo a marca corrigiu a trajetória “em voo” ao introduzir o motor 1.0 de 3 cilindros e a direção com assistência elétrica, itens que deixaram o Mobi mais econômico e moderno de fato.

De quebra, o carrinho ganhou uma versão com embreagem automatizada, batizada de GSR (mas que a grosso modo é a conhecida Dualogic oferecida em carros anteriores). É essa versão que o AUTOO analisou e explica a seguir por que não vale o que custa.

Urbano sim, minúsculo não

Quando a Fiat lançou o Mobi, a campanha apelava para o argumento de que se tratava de um carro urbano voltado aos jovens que buscavam um veículo pequeno e prático. E entregou mesmo um modelo menor que o Uno: 25 cm mais curto, com distância entreeixos 7 cm inferior além de cerca de 90 kg mais leve.

O problema é que o Mobi “encolheu” por dentro. Mesmo comparado ao seu irmão mais velho (Uno), o hatch tem menos espaço para as pernas dos ocupantes (cerca de 5 cm), é um pouco mais estreito e com um ambiente significativamente menor – a exceção é a altura para cabeça em que é um pouco melhor que o Uno.

Mas foi o porta-malas que mais pagou caro no desenho. Em vez de 290 litros do Uno apenas 215 litros – só superior ao chinês nacionalizado QQ, da Chery. Ou seja, não conte com ele para uma viagem com um volume razoável de bagagens ou o banco traseiro vai se transformar em porta-malas.

Bons equipamentos, mas o preço...

Se não enche os olhos pelo tamanho, o Mobi Drive tem uma lista de equipamentos respeitável. Em vez da surrada direção hidráulica das demais versões, atuação elétrica com botão “City” que alivia o esforço e torna o carrinho mais leve na cidade. O painel traz um visor digital monocromático com vários dados legais no dia a dia e o volante possui comandos satélites do rádio e Bluetooth. Ah, mais peraí, esses itens fazem parte de um kit Connect com preço de R$ 1.425 (em novembro de 2017).

Pois para ver o Mobi com rodas de liga leve aro 14, retrovisores elétricos, faróis de neblina, repetidores de setas nos retrovisores, alarme, sensor de estacionamento e chave canivete é preciso acrescentar R$ 3.922 (Kit Tech).

Pela quantidade de itens parece um bom negócio mas é aí que descobrimos que o Mobi GSR custa nada menos que R$ 45.990. Ou seja, do jeito que vocês estão vendo o carro nas fotos é preciso desembolsar R$ 51.337.

Na seara dos hatches compactos de verdade

Com esse valor, o Mobi com câmbio automatizado entra numa faixa de preços onde é possível optar por carros que oferecem mais espaço e qualidade, além de motores mais potentes. Pegue-se o caso do Etios, da Toyota. A versão 1.3 X custa R$ 51.870 e vem equipada com câmbio automático de 4 velocidades. Se o pouco atraente modelo japonês não lhe faz a cabeça, por R$ 56,9 mil dá para levar um Onix LT 1.4 automático de seis velocidades e por aí vai.

Em outra palavras , o Mobi GSR custa tanto que deixa de ser uma opção racional mesmo dentro da própria Fiat. O Uno GSR, com o motor 1.3 Firefly custa quase R$ 55 mil e oferece mais espaço e desempenho, mas é o Argo Drive 1.3 GSR (R$ 58.900), um projeto maior, mais bem acabado e resolvido que vira uma opção quase que obrigatória se você não quer sair da marca.

Discutindo a relação com câmbio

Até aqui falamos de aspectos econômicos, mas e o grande diferencial dessa versão vale a pena? O câmbio GSR, que combina uma transmissão manual com um sistema de embreagem robotizada, é um recurso que, apesar dos esforços das marcas que apostaram nele, não justifica o investimento.

Procure na tabela Fipe um veículo com pelo menos três anos de mercado que possui versão manual e automática e veja quanto vale. Um Honda Fit 1.4 LX tem preço sugerido de R$ 40,1 mil com câmbio manual enquanto a versão automática sai por R$ 43,6 mil, 9% a mais. Agora faça o mesmo com um modelo com transmissão manual e automatizada: em alguns casos pode nem existir diferença entre eles.

Já comprando um carro novo as marcas costumam cobrar caro pelo sistema. No Mobi esse valor é de R$ 4,2 mil ou 10% a mais que a versão manual – claro, com alguns adendos.

O problema é que você não vai ter um sistema de troca de marchas que irá lhe deixar em paz – daqueles em que basta colocar em "D" e acelerar ou frear. Não, com um câmbio robotizado é preciso “discutir a relação”, literalmente.

No Mobi isso não muda. Em que pese todos os avanços obtidos desde o primeiro Dualogic do Fiat Stilo, o sistema exige do motorista algum tipo de adaptação. Seja na hora de aliviar o acelerador ao perceber que será feita uma troca – para não prolongar o acionamento da embreagem – seja para engatar uma ré, ação que obriga a pisar no freio e precisa ser feita de forma moderada.

No trânsito, nada de pressa. O Mobi não te entrega desempenho se você for afobado, exceto se acionar a tecla “S”, esportiva no nome, mas que alonga as trocas para oferecer mais desempenho. É o regime em que o sistema melhor se entende com você, mas custa no bolso por aumentar o consumo, um dos pontos fortes do modelo no modo “convencional”.

Há ainda as práticas borboletas atrás do volante, porém, nem tente passar de 2ª para 3ª antes que o câmbio resolva deixar. Você vai receber um sonoro “não” no painel.

Evolução em certos detalhes

Isso faz do Mobi um carro ruim? Não. O pequeno Fiat tem algumas virtudes como na boa ergonomia, um acabamento honesto para um modelo pseudo-barato e um isolamento acústico surpreendente, além de um motor muito bom e que não decepciona até mesmo na estrada. Claro que não dá para esperar arroubos de performance com quatro a bordo, mas ele não faz feio e é muito econômico.

O grande problema, por assim dizer, do “pacote” Mobi Drive GSR é custar muito. Veja aí como a Renault está se dando bem com o rival Kwid, que é menor que o Mobi em muitos aspectos, mas tem um custo-benefício mais atraente – além, é claro, do estilo “off-road”, algo que a Fiat poderia ter explorado no seu compacto.

Se o Mobi automatizado custasse R$ 40 mil seria uma opção quase imbatível, mas nessa faixa de preços é melhor olhar para a concorrência ou guardar mais algum dinheiro e sair da concessionária com um veículo maior e melhor.

 
 
Fiat Mobi 2018
 
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
 
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
 
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
 
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
 
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
 
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
 
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
 
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
 
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
 
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
 
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
 
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
 
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
 
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
 
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
 
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
 
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
 
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
 
Fiat Mobi 2018
Fiat Mobi 2018
 
 

Ficha técnica

Fiat Mobi 2018 Drive GSR 1.0 6V flex automatizado 4p
Preço R$ 45.990 (10/2017)
Categoria Hatch compacto
Vendas em 2017 49.472 unidades
Motor 3 cilindros, 999 cm³
Potência 72 cv a 6000 rpm (gasolina)
Torque 10,4 kgfm a 3250 rpm
Dimensões Comprimento 3,566 m, largura 1,633 m, altura 1,5 m, entreeixos 2,305 m
Peso em ordem de marcha 965 kg
Tanque de combustível 47 litros
Porta-malas 215 litros
Veja ficha completa

Publisher do AUTOO, é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier |