''Big hatches'': novo conceito terá cada vez mais espaço no mercado

Crossovers com tamanho de hatches compactos serão grandes apostas das marcas
Citroën C3 2022

Citroën C3 2022 | Imagem: Divulgação

Durante o lançamento de um novo carro, é sempre interessante analisarmos as ideias que permearam o seu desenvolvimento, o que também nos diz muito sobre os caminhos que a indústria automotiva está seguindo.

Nessa linha, algo interessante ocorreu na estreia da nova geração do Citroën C3.

O responsável pelas operações da Stellantis na América Latina, Antonio Filosa, usou um termo interessante para classificar modelos como o novo Citroën C3, caracterizando-os como “big hatches”.

A fala do executivo faz todo o sentido, em especial ao olharmos para o mercado brasileiro e analisarmos modelos como o VW Nivus, produto amplamente derivado do Polo.

Na onda dos “big hatches”, a própria Stellantis vai lançar no Brasil, em breve, o Fiat Pulse.

Recentemente novas informações também dão conta de que a Renault prepara um modelo de apelo semelhante, a ser posicionado entre Kwid e Duster.

Ainda não sabemos ao certo se a previsão será concretizada, mas muito era falado nos bastidores de que a Nissan cogitava produzir o Magnite em Resende (RJ), planta que atualmente produz apenas o Kicks e já contemplou a fabricação do March e do Versa, portanto seria capaz de acomodar mais um modelo com facilidade.

Migração 

Com isso, cresce cada vez mais a tendência de que os atuais hatches compactos façam, de forma gradativa, uma migração para o segmento de crossovers, o que parece ser até mesmo uma demanda dos consumidores.

Interessante lembrarmos, como analisamos aqui no AUTOO, que a Ford preparava também o mesmo direcionamento para a nova geração do Ka, projeto que praticamente foi enterrado com os fim das fábricas da companhia no Brasil e Índia.

Ainda entre as marcas de alto volume, a Volkswagen trabalha em um crossover acessível, enquanto a Peugeot pode ter com o 1008 seu representante entre os “big hatches”. A CAOA Chery já comercializa no Brasil o Tiggo 3X, enquanto a Hyundai oferece, ao menos no exterior, o Venue.

Ao mesclarem o visual mais robusto de um SUV, a altura em relação ao solo elevada e o tamanho prático para o uso urbano, a receita dos “big hatches” ou crossovers pequenos promete ser vencedora em mercados como o brasileiro, até mesmo pelo fato deles contarem com preços mais acessíveis se comparados aos SUVs compactos.

E você, o que acha da tendência dos “big hatches”? Gosta de modelos com essa proposta? Deixe sua opinião nos comentários abaixo!

Volkswagen Nivus 2021
Volkswagen Nivus 
Imagem: Divulgação