Após receber sua última atualização visual em 2018, o Honda City apostou em um reforço na conectividade para a linha 2019. Como a principal novidade, entraram os sistemas de espelhamento Apple CarPlay e Android Auto para a central multimídia a partir da versão EX, mas, até agora, nada do sedan receber os importantes controles de tração e estabilidade.

O fato do sedan mais barato da Honda no Brasil ainda não sair de fábrica com a dupla de segurança ativa nos ajuda a entender porque as vendas do City estão deixando tanto a desejar no país. Hoje o modelo ocupa a 11ª posição no ranking dos sedans compactos, chegando a emplacar menos que veteranos como o Fiat Grand Siena e o Nissan Versa.

Custando R$ 85.800 na sua configuração topo de linha EXL, como a avaliada aqui, qualquer concorrente direto do City entrega muito mais por esse valor. Se a sua predileção é por marcas japonesas, com esse montante você pode estacionar na garagem de casa o Toyota Yaris Sedã XLS (R$ 85.990). Também naquela que é a sua versão mais cara, o Yaris Sedã traz a lista de equipamentos de série condizente com o que é desejável encontrar em um sedan compacto por esse preço, com destaque para os 7 airbags, chave presencial, controles de tração e estabilidade e até mesmo teto solar.

Assim como o Yaris Sedã XLS, o City EXL também conta com revestimento interno de couro e central multimídia com câmera de ré. Em relação ao Yaris Sedã, os diferenciais do Honda ficam por conta dos faróis full-LED, rodas de liga leve aro 16” (15” no Yaris Sedã XLS) e o acionamento digital para o sistema de climatização automático. O City EXL até conta com 6 airbags, mas, como é possível notar, o Yaris Sedã XLS é bem mais completo.

Algo que o City tem e que poucos rivais conseguem se equiparar é um invejável aproveitamento do espaço interno, fruto da excelente plataforma criada pela Honda para sua família de compactos, portanto também compartilhada por Fit e HR-V. Um Nissan Versa oferece nível de espaço interno em que os passageiros não tem do que reclamar, mas o posicionamento dos ocupantes na segunda fileira de assentos ainda é superior a bordo do Honda.

 

O City ainda entrega um porta-malas melhor que o Yaris Sedã. A Honda declara a capacidade máxima do compartimento em 536 litros, mas ela engloba aí os 485 litros acima do assoalho em conjunto com os 51 litros na área logo abaixo, compartilhada com o estepe. De qualquer forma, considerando apenas o espaço principal do porta-malas, o volume admitido pelo Honda ainda é um pouco superior aos 473 litros do Yaris Sedã.

Como nada mudou mecanicamente, o City 2019 segue equipado com o motor 1.5 16V sob o capô. Ele trabalha apenas com o câmbio automático CVT a partir da versão Personal. A combinação é suficiente para quem tem um perfil mais racional em seu estilo de direção, valorizando o baixo consumo e não ligando tanto assim para a performance. Com um 0 a 100 km/h na casa de 11 segundos, o desempenho do City atende a grande parte das necessidades de uso, com a vantagem das excelentes médias de consumo de 12,3 km/l na cidade e 14,5 km/l na estrada com gasolina.

Algo típico nos compactos japoneses vendidos no Brasil é o rodar extremamente suave e confortável, algo que colabora para cansar menos nos deslocamentos urbanos. Esse ponto é claramente percebido no Honda City, o que favorece o uso do sedan no dia a dia.

Apesar da melhora em conectividade na central multimídia ao oferecer os principais sistemas de espelhamento de smartphones do mercado, só não nos agradou no aparelho a resolução da câmera de ré, que poderia fornecer imagens mais nítidas. De qualquer forma, a ergonomia da cabine, outro ponto virtuoso entre os automóveis de marcas japonesas, é exemplar. Na versão EXL avaliada, o revestimento interno de couro traz um nível maior de qualidade para o acabamento, que poderia apostar no uso de plásticos um pouco mais nobres. A qualidade de montagem do City é notória e o estilo em geral da cabine continua agradando.

É inadmissível que, por mais de R$ 85.000, o City topo de linha ainda não saia de fábrica com os controles de tração e estabilidade, em especial quando olhamos para o mercado e encontramos o Toyota Yaris Sedã muito melhor equipado e custando o mesmo. Outro forte rival para o City EXL, o Volkswagen Virtus Comfortline completo custa R$ 85.130 e ainda traz o ótimo motor 1.0 TSI sob o capô, que confere ao representante europeu um desempenho mais convincente do que o entregue pela dupla japonesa, sem esquecer do cuidado com o baixo consumo.

Em resumo, o Honda City 2019 preserva as características positivas que parte dos consumidores espera encontrar em um sedan compacto premium japonês, porém, caso queira resgatar a competitividade do City em um segmento muito disputado como é o caso, a Honda precisa se decidir: ou equipa mais o seu representante na categoria ou será necessário rever os preços praticados para ele. Considerando que nos próximos meses teremos a estreia do novo Hyundai HB20S e do inédito Chevrolet Onix Sedan, essa decisão da Honda precisa ser rápida. 

 
 
Honda City 2019
 
Honda City 2019
Honda City 2019
Honda City 2019
 
Honda City 2019
Honda City 2019
Honda City 2019
 
Honda City 2019
Honda City 2019
Honda City 2019
 
Honda City 2019
Honda City 2019
Honda City 2019
 
Honda City 2019
Honda City 2019
Honda City 2019
 
Honda City 2019
Honda City 2019
Honda City 2019
 
Honda City 2019
Honda City 2019
 
 

Ficha técnica

Honda City 2019 EXL 1.5 16V flex automático 4p
Categoria Sedã compacto
Vendas em 2017 15.977 unidades
Motor 4 cilindros, 1497 cm³
Potência 115 cv a 6000 rpm (gasolina)
Torque 15,2 kgfm a 4800 rpm
Dimensões Comprimento 4,455 m, largura 1,695 m, altura 1,485 m, entreeixos 2,6 m
Peso em ordem de marcha 1135 kg
Tanque de combustível 46 litros
Porta-malas 536 litros
Veja ficha completa

O "Guru dos Carros", César Tizo se juntou ao time este ano e está à frente dos portais AUTOO e MOTOO. É o expert em aconselhar a compra de automóveis

César Tizo | http://www.jcceditorial.com.br/