Hoje não tem jeito: o sucesso e a procura por utilitários esportivos ganhou uma relevância tão grande que até mesmo um carro que foi sinônimo de esportivo, como é o caso do Mitsubishi Eclipse, precisou se “converter” a essa nova ordem. Com isso, a montadora japonesa acrescentou o sobrenome Cross ao seu emblemático modelo e a receita ainda ficou interessante! Se você tem mais de 30 anos, certamente vai se lembrar do sucesso que o Eclipse obteve aqui no Brasil na época da abertura do país aos carros importados. Ao lado do Jeep Grand Cherokee, o cupê se tornou célebre, em especial por cair no gosto dos jogadores de futebol mais famosos à época.     

Revelado na Europa no começo de 2017, o Mitsubishi Eclipse Cross tem um visual que nos parece um tanto quanto exótico quando obeservado nas fotos – sobretudo pelos traços nada convencionais da parte traseira –, mas "ao vivo" o modelo vai conquistando aos poucos. Visto de frente, o Eclipse Cross segue uma forte tendência para picapes e SUVs daqui para frente, qual seja, a divisão do conjunto ótico frontal em duas ou três partes, uma receita inaugurada pelo Citroën C4 Picasso atual e que não demorou para aparecer em modelos bem-sucedidos como é o caso do Fiat Toro. Com isso, a dianteira do Eclipse Cross dá um grande destaque para o conjunto formado pelo farol de neblina e as luzes de direção, como é possível ver nas imagens.  

De uma forma geral, o aspecto frontal do Eclipse Cross é o que deve gerar menos polêmica e agrada pelo estilo arrojado, agressivo e robusto. Partindo para o perfil, a Mitsubishi precisou lidar com uma questão nada fácil: conciliar a proposta mais esportiva de um cupê sem comprometer o conforto e a versatilidade da cabine, dois atributos muito desejados em um SUV. Além disso, havia um desafio extra, no caso preservar uma boa área envidraçada para a favorecer a visibilidade do condutor ao volante. 

Quando analisamos a lateral do Eclipse Cross, a saída adotada pela equipe de design da Mitsubishi é facilmente compreendida. Para acomodar todos esses predicados, o jeito foi projetar uma carroceria mais vertical. Com isso, a perfil do modelo cresceu em altura, liberando espaço para que os designers conseguissem trabalhar em um teto com um aspecto mais dinâmico. Contudo, para não atrapalhar a área reservada para bagagens, a tampa do porta-malas precisou ser dividida. Ela acomoda, além do vidro tradicional, uma pequena “espia” logo abaixo do brake-light. É uma solução parecida com o que encontramos em um Toyota Prius, por exemplo. Se você é fã da série Breaking Bad, também poderá fazer uma associação com o antigo Pontiac Aztek que Walter White dirigia.

Como design é uma questão de gosto, aprovar ou não o visual da novidade fica, leitor, a seu cargo. Saiba, no entanto, que apesar do seu jeitão peculiar, o Eclipse Cross oferece uma cabine muito boa para 5 adultos. O modelo ainda apresenta algumas conveniências interessantes, como a possibilidade de deslocar para frente ou para trás os bancos traseiros em até 200 mm. Vale a pena destacar que os assentos traseiros são bipartidos na proporção 60/40. Levando em conta que o Eclipse Cross conta com tração integral, a Mitsubishi quase conseguiu eliminar o túnel central traseiro, algo muito elogiável e que certamente colabora para melhor a habitabilidade da cabine. Se a ideia é transportar a família e os amigos, o Eclipse Cross conta com um porta-malas para 473 litros, volume razoável para a categoria. 

Para movimentar a novidade, a Mitsubishi decidiu aplicar no Eclipse Cross um conjunto mecânico condizente com a modernidade de seu projeto. Encontramos sob o capô um motor recém-desenvolvido, no caso um 1.5 turbo, que conta com refinamentos como a mescla de injeção direta e indireta para entregar 165 cv de potência e 25,5 kgfm de torque. Ele só aceita gasolina, sendo que uma opção flex, por enquanto, ainda não está nos planos. “Para o 1.5 turbo virar flex ele precisaria ser usado por mais modelos aqui no Brasil, o que então justificaria o investimento necessário. Se isso ocorrer, aí sim podemos considerar a possibilidade dele aceitar também etanol”, explica Fabio Maggion, engenheiro da Mitsubishi no Brasil. 

Os números de consumo homologados de acordo com o padrão Brasileiro de Etiquetagem Veicular ainda serão divulgados pela Mitsubishi, mas durante nossa avaliação conseguimos registrar parciais de 10 km/l na cidade e 15 km/l na estrada, o que está em sintonia com um motor moderno como é o caso do 1.5 turbo. A Mitsubishi escolheu para operar com ele uma transmissão automática CVT, o que sem dúvida pesa a favor das ótimas médias de consumo. A caixa também conta com a opção de trocas sequenciais por meio de 8 relações de marchas pré-definidas no sistema de gerenciamento eletrônico do câmbio.  

Uma pena que o Eclipse Cross seja pesado demais (1.605 kg na versão avaliada), algo que é sentido ao volante. Um Peugeot 3008, por exemplo, não traz a segurança extra que a tração integral confere ao Eclipse Cross, mas você nota que aliado ao peso bem inferior, no caso 1.375 kg, o Peugeot consegue ser um carro mais vigoroso nas acelerações e retomadas. Segundo dados da Mitsubishi, o Eclipse Cross com tração integral acelera de 0 a 100 km/h em 11,4 segundos (ou 11,1 segundos na opção com tração dianteira), sendo que o desejável mesmo seria um tempo pouco abaixo dos 10 segundos.  

Mas o que se destaca quando assumimos o volante do Eclipse Cross é a qualidade de seu rodar. O modelo tem uma dinâmica impecável, talvez uma das mais refinadas da categoria, com respostas neutras ao volante e um conjunto de suspensão muito bem calibrado para lidar com as vias esburacadas de nosso piso. O nível de silêncio a bordo também merece elogios. Traçando um paralelo, ele lembra muito um Volvo XC40 (parte de R$ 169.950 na versão T4), o que é uma referência de respeito. 

Uma coisa é certa: se você se interessou pelo Mitsubishi Eclipse Cross, vale muito mais a pena partir para a opção topo de linha aqui avaliada (R$ 155.990). A diferença para a versão com tração dianteira (R$ 149.990) é pequena demais, considerando a faixa de preço e a sofisticação que o sistema S-AWC (Super All Wheel Control) traz para o Eclipse Cross. Ele controla automaticamente a distribuição de torque para os dois eixos e ainda oferece os modos de uso em neve (pisos de baixa aderência) e terra. Um ponto interessante é que, por contar com acoplamento eletromagnético e um avançado sistema de gerenciamento, o diferencial central pode ficar totalmente bloqueado e, na medida em que se faz necessário, como no caso de aproximação de uma curva, o sistema eletrônico se encarrega de equilibrar a distribuição de força entre os eixos, de modo que a dirigibilidade não seja comprometida. Um sistema que seguramente vale os R$ 6.000 a mais pedidos pela versão HPE-S S-AWC.

Em conjunto com o avançado sistema de tração integral, o Eclipse Cross ainda oferece um respeitável catálogo de itens de série. Estão ali o teto solar duplo, faróis full-LED com sistema de comutação automática para o facho alto, lanternas também em LED, head-up display, alerta de ponto cego nos retrovisores externos, controlador de velocidade adaptativo e alerta de colisão com frenagem autônoma de emergência, apenas para citar os itens mais relevantes. Como é de se esperar em um carro com esse valor, o revestimento interno é de couro e também encontramos uma central multimídia completa com câmera de ré.

Como já analisamos aqui no Autoo, o Mitsubishi Eclipse Cross é mais um modelo que chega para reforçar a tese de que o segmento dos SUVs médios é, atualmente, um dos mais interessantes de nosso mercado, pelo alto nível de seus integrantes. Estamos falando de modelos como Chevrolet Equinox, o já citado Peugeot 3008, Volkswagen Tiguan Allspace, dentre outros.

Considerando a faixa de preço na qual o Eclipse Cross vai atuar, talvez o seu maior concorrente seja o Equinox Premier. O Chevrolet traz até mais tecnologia e assistentes de condução do que o Eclipse Cross topo de linha e ainda conta com tração integral. Seu desempenho é algo acima da média para a categoria, graças à excelente dupla formada pelo motor 2.0 turbo e câmbio automático de 9 marchas. Claro que ele cobra um pouco mais por tudo isso, partindo hoje de R$ 162.990. 

A Mitsubishi espera comercializar, a partir de novembro, cerca de 300 unidades do Eclipse Cross ao mês. Considerando que um Peugeot 3008 (na faixa de R$ 165.000 com o pacote de tecnologia Griffe Pack) registra um volume médio de 260 carros/mês, é muito provável que a Mitsubishi consiga alcançar sua meta por aqui. Sabendo da forte concorrência que encontra na categoria ao redor do mundo, a fabricante estava ciente de que precisava de um modelo tão eficiente e avançado tecnologicamente quanto seus rivais – e ela soube corresponder a essa expectativa. Por tudo que entrega, o preço do Eclipse Cross com tração integral pode ser considerado bem competitivo. Se você não pode ultrapassar os R$ 160.000 e levar para a garagem de casa um Equinox Premier, o Eclipse Cross HPE-S S-AWC é uma das escolhas mais sensatas que você pode fazer. 

 
 
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
 
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
 
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
 
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
 
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
 
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
 
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
 
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
 
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
 
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
 
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
 
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
 
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
 
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
Mitsubishi Eclipse Cross 2019
 
 

Ficha técnica

Mitsubishi Eclipse Cross 2019 HPE-S S-AWC 1.5 16V gasolina automático 4p
Categoria SUV médio
Motor 4 cilindros, 1499 cm³
Potência 165 cv a 5500 rpm (gasolina)
Torque 25,5 kgfm a 2000 rpm
Dimensões Comprimento 4,405 m, largura 1,805 m, altura 1,685 m, entreeixos 2,67 m
Peso em ordem de marcha 1605 kg
Tanque de combustível 60 litros
Porta-malas 473 litros
Veja ficha completa

O "Guru dos Carros", César Tizo se juntou ao time este ano e está à frente dos portais AUTOO e MOTOO. É o expert em aconselhar a compra de automóveis

César Tizo |